Autores participantes:

1 – Isa  Miranda
2 – Edu Moretti
3 – Erick Lins
4 – Marcelo Delpkin
5 – Fabiana Prieto
6 – J.C. Gray
7 – Lia Cavalcante
8 – Cristina Ravela
9 – Hugo Martins
10 – Melqui Rodrigues
11 – Andrea Bertoldo
12 – Wellyngton Vianna
13 – Sylvana Camello
14 – Raul Dias

Tipo: Antologia
Total de contos: 14
Classificação indicativa: +16

Postagens: Encerradas

Sinopse

“Sirvo à Luz. Mas também sirvo às Trevas.
No meu reino eu mando e sei me comportar.
Não peço o impossível, mas dou o possível.
Nem tudo que me pedem eu dou, mas nem tudo que dou é porque me pediram.
Só respeito a Lei do Grande da Luz e das Trevas e nada mais.”

                     — Trecho do poema “Guardião da meia- noite”.

O misticismo e as crenças sugiram na hora que liga o dia e a noite, intermediando a penumbra da madrugada. “A noite é uma criança” segundo o ditado popular, porém é na noite que muitos vagam e guardam seus segredos. Nela, acontecimentos misteriosos fazem os mais crentes evitarem sair às ruas. Ainda há aqueles que a veneram, e nela fazem sua vida e morada.

A meia noite é o marco para aqueles que sabem de seus mistérios e segredos.

O oculto usa tal hora para suas práticas e rituais. Os criminosos para encobrir suas vítimas e se esconderem. Entidades sobrenaturaiscaminham em busca do próximo ser que irão atormentar. Em pesadelos, pessoas tardam a acordar. E aos que não dormem em sua insônia, perdem-se em seus devaneios.

Meia noite é a hora morta. A hora intermediária. A hora daqueles que apenas não conseguem fechar os olhos.

Contos disponíveis

>
Rolar para o topo