Vivendo-um-desamor.png2.png3
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on tumblr
album-art

Escrito por Honey Helloise

Uma produção WidCyber Portal Glook

Direção Marcelo Delpkin

 

CENA 01. SERTÃO. CASEBRE DE BARRO. INT. DIA

Vemos o sertão iluminado pelo forte Sol que castiga aquele local. Uma Toyota passa disparada pela estrada levantando poeira, ao se dissipar vemos Alice na janela que observa a paisagem com um rosto de sonhadora a mesma observa uma flor que desabrocha em um cacto até que se alegra ao ver homens passando em cavalos, entre eles Thomaz e Leandro. Ela se ajeita, mas eles não lhe dão bola deixando-a frustrada. Logo Amâncio entra.

AMÂNCIO – Filha, estou indo para o bar do Américo distrair um pouco.

ALICE – Distrair não né? torrar o que a gente tem e não tem na mesa de jogo.

AMÂNCIO – Cale-se, já não basta ter que te aturar todo esse tempo desde que tua mãe nos abandonou ainda tenho que ficar ouvindo você querendo me dar lição de moral.

ALICE – Ela fez o certo. Eu teria te abandonado igual.

Amâncio cala Alice com um tapa na cara e sai. Ela chora com a mão sob o rosto.

CENA 02. SERTÃO. BAR DE AMÉRICO. INT. DIA

Vemos o bar de Américo onde são servidas comidas nojentas e bebidas vencidas, logo vemos Amâncio entre vários homens jogando baralho.

AMÂNCIO – Vamos mais uma rodada!!! Dessa vez eu sinto que ganho.

THOMAZ – Mas tu não tem mais dinheiro velho e já tá me devendo.

AMÂNCIO – Então vamos fazer assim, eu aposto a minha casa de taipa e a mão da minha filha Alice. Não há moça mais linda nesse sertão.

THOMAZ – Dou por vista a boniteza…mas ta apostado.

O jogo inicia e vemos Amâncio perdendo. Ele se desespera e sai correndo. Thomaz segue atrás com os outros homens que estavam jogando e dão uma surra em Amâncio, logo eles acabam matando o velho sem dó e seguem rumo à casa de Amâncio.

 

CENA 03. SERTÃO. CASEBRE DE BARRO. INT. NOITE

Os homens seguem rumo a casa onde Alice abre a porta e ver os homens.

ALICE – Cadê minha muñeca?!

Ela nota o pai caído e corre desesperada chorando. Logo, Thomaz a pega pelo braço e diz que foi Américo que fez tudo aquilo e consola a bela moça que cai no papo dele que usa de seus artifícios de galanteador.

THOMAZ – Venha morar comigo, eu sou sozinho e você vai ter tudo de bom. Sei que seu pai não iria se opor a isso.

Alice abraça Thomaz, logo entra para seu quarto e pega uma trouxa de roupa. Em seguida sobe na Toyota com Thomaz e os outros rapazes.

LEANDRO – Você não vai enterrar seu pai?

ALICE – Eu não vou fazer nada deixa aí que os urubus fazem o trabalho.

A Toyota segue disparada. Alice observa a estrada na janela do veículo com rosto de sonhadora, feliz por ter se livrado do pai abusivo enquanto Thomaz a observa atrás com um sorriso enigmático.

 

CENA 04. PRAIA. CASA DE THOMAZ. INT. NOITE

Vemos a Toyota parando em uma casa belíssima na maravilhosa cidade litorânea de Praia Azul – PB. Alice desce encantada ao ver o mar infinito e azul sentindo a brisa em seus cabelos fechando os olhos e começa a chorar. A Toyota parte com os rapazes e Thomaz leva Alice para dentro da casa no colo como os casais costumam fazer após o casamento.

THOMAZ – Bem vinda a sua casa minha linda.

Alice entra observando a decoração praiana e fica encantada. Com olhos chorosos, a mesma anda devagar largando sua trouxa no chão e ao levantar a cabeça recebe uma pesada na barriga que voa longe caindo em cima do sofá se contorcendo sem ar, a mesma fica doida sem saber o que fazer até que Thomaz a segura pelo cabelo.

THOMAZ – A partir de hoje você vai me servir e fazer tudo direito!! Ou anda na linha ou te estouro na porrada!

Ele sai puxando Alice pelos cabelos e a joga em um quarto. A mesma fica em pânico ao ver uma boneca toda destruída.

THOMAZ – Tá aí a sua boneca sua quizila.

 

CENA 05. PRAIA. CASA DE THOMAZ. INT. DIA

É um novo dia, Alice vem do barreiro com um balde de água na cabeça apoiado por uma “rudia”. O sol quente castiga a mesma que vem conversando com outras mulheres, que molhadas por tomarem banho no barreiro não viram a hora passar. Em determinado momento Alice se despede das mulheres e segue seu caminho pela estrada contrária até sua casa. Ao chegar lá ela encontra Thomaz na cadeira de balanço, ela entra desconfiada rumo a cozinha e Thomaz se levanta indo atrás da mesma puxando de suas costas uma ripa.

THOMAZ – Onde você estava sua desgraça? Eu já falei que não era pra tu ficar muito tempo fora de casa.

ALICE – Amor eu fui no barreiro pegar água para fazer sua fuba com as mulheres da rua e acabamos perdendo a noção da hora.

THOMAZ – Mulher minha não fica de conversa por aí e andando com roupa molhada mostrando o rabo não. Agora você vai aprender a não ficar zanzando por aí sua triste.

ALICE – Não eu prometo que não faço mais isso!!!

Thomaz se aproxima da mesma e lhe cala com uma ripada nas costas levando a mesma ao chão em seguida dá outras ripas fazendo Alice chorar desesperada protegendo o rosto com as mãos.

 

CENA 06. PRAIA. CASA DE THOMAZ. INT. MADRUGADA

Alice desperta em plena 3 horas da manhã e vai para cozinha onde faz a comida, dedicada a mesma se esforça para fazer um belo café da manhã. Logo, o sol já está alto e Thomaz chega a mesa e ao comer, cospe tudo de volta.

THOMAZ –  Esse cuscuz tá ruim veado!!!

Antes de Alice responder ele joga o prato na mesma. Pega o café quente e joga na cara da mesma que fica rodopiando doida. Ele dá uma pesada que a mesma cai sobre o fogão e começa a chutar a mesma deixando o fogão tronxo. Alice chora desesperada quando ele abre sua boca com força e coloca dois ovos quentes dentro. Em seguida fecha forçadamente.

THOMAZ – Isso é o que cachorra como tu merece por fazer uma lavagem. Agora fica aí sozinha que eu vou viajar para o sertão. Até aquele nojento do Américo faz uma gororoba melhor que essa bosta. Tou indo, mas um comparsa vai ficar aqui vigiando e de olho em tu e ele já está autorizado a te deitar na porrada se desobedecer.

Thomaz sai e fala com o rapaz na varanda, é Leandro. Alice desliza ate o chão, caída, vomita sangue e fica continua imóvel no chão assustada e em pânico.

 

CENA 07. PRAIA. CASA DE THOMAZ. INT. NOITE

Alice está lavando a louça com alguns hematomas pela sua pele e machas em seu rosto e fica observando Leonardo que fica de cão de guarda na varanda vigiando cada passo de Alice. 

ALICE (Pensando) – Bem que eu podia dar uma pexeirada nesse pau mandado e me mandar daqui. 

Os pensamentos de Alice são interrompidos quando ela ouve a voz de Thomaz vindo do celular do rapaz. Devagar, Alice se aproxima por trás e ver Thomaz com várias raparigas no bar e restaurante de Américo. Vemos pela chamada o balcão cheio de mosca em cima das comidas. Alice fica furiosa e antes que ela fale Leonardo nota sua presença e desliga a chamada. 

LEONARDO – Sua triste o que você tá fazendo aqui? Tem medo de morrer não?

ALICE – Estava vendo essa safadeza!!! Aquele nojento me espanca dia e noite e vai se divertir com putas por aí é? Pois agora eu estou solteira agora, Dj no baile eu vou sentar sentar…

O homem se aproxima de Alice e da um tapa na sua cara, Alice revida, os dois de olham. 

ALICE – Não vamos se agredir, vamos se pegar. Quero botar uma Gaia naquele desgraçado!!!

Leonardo olha para Alice que está mostrando os seios toda sensual, parecendo outra pessoa e os dois se pegam ali mesmo na varanda.

 

CENA 08. PRAIA. CASA DE THOMAZ. INF. NOITE

Thomaz chega em sua casa e ao entrar desconfia não encontrar Leandro vigiando a frente da  casa e ao entrar encontra vários cômodos com as luzes apagadas. Ele nota seu quarto aceso e barulho de  beijos. Ele para por um momento, parece saber o que está acontecendo. Ele tira sua faca da bainha posta na lateral de sua calça e segue até o quarto onde fica furioso ao ver Alice e Leandro pelados em uma pegação quente em sua cama. Ao notar a presença de Thomaz, Leandro se levanta rapidamente se cobrindo. 

THOMAZ – Desgraçado eu te deixei aqui para vigiar essa vagabunda e você foi pra cama com ela?! 

LEANDRO – Cara foi ela que ficou de gracinha e me seduzindo.

Alice fica chocada com a atitude de Leandro em jogar toda a culpa nela e se levanta altiva.

ALICE – Eu não seduzi ninguém. Eu senti tesão por você é você por mim. Seja homem para assumir o que faz. É você Thomaz, não venha fazer um cenão de marido inocente traído porque esse chifre até demorou a acontecer! Me espancava, humilhava e ainda saia com vagabundas me desrespeitando. Você é um lixo!!!

Thomaz avança em cima de Leandro e os dois começam a brigar rebolando pelo chão, quando consegue, Leandro pega suas roupas e foge. Thomaz se levanta furioso encarando Alice e vai com tudo para cima dela pegando seu cabelo, antes que ele possa dá um tapa na mesma Alice se vira, o empurra que cai contra alguns objetos e Alice pega a faca do mesmo que caiu e segue até ele. Revoltada, nem parece a mesma pessoa, Thomaz assustado tenta fugir mas ela o golpeia diversas vezes extravazando todo seu ódio e mágoa por tantos dias de sofrimento. Ela para em determinado momento e parece recobrar a consciência a se ver naquela cena. Fica desesperada e começa a arrumar uma mala, mas antes que possa fugir a polícia chega e leva a mesma.

CENA 09.CASA DAS MULHERES. INT. DIA

LETREIRO: TEMPOS DEPOIS 

Alice está junto com outras mulheres sentadas em círculo. A mesma está super abatida. Está dando deu depoimento.

ALICE – Fui pega pela polícia prestes a fugir diante do medo. Como agi em legítima defesa comprovada pela circunstância e os exames que demonstraram os maus tratos que sofri, pude não passar anos em uma prisão, porém sempre estarei presa a esse trauma. Sorte que consegui encontrar esse lugar, a casa das mulheres onde fui acolhida e dia após dia tento superar esse desamor que vivi.

Alice não aguenta mais falar e cai no choro. Suas companheiras também emocionadas a abraçam junto a psicóloga. CAM vai se afastando do local.

FIM

LEIA MAIS DESTE CONTEÚDO:

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Você também poderá gostar de ler:

Você também poderá gostar de ler:

>
Rolar para o topo