“Cale a Boca e Dance”

 

Daqui seis meses…

[CENA 01 – APARTAMENTO NOVO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ SALA/ NOITE]
(Arthur chega sozinho em seu apartamento, senta-se no sofá, pega o celular e acompanha as atualizações da seleção dos calouros. Ver um trecho da apresentação de Carlo, fica incomodado com o talento dele)
ARTHUR – Não basta o Pedro, tem esse Carlo agora. Torço para que não consiga entrar. (continua vendo a apresentação, sério)

[CENA 02 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ CORREDOR/ NOITE]
(o último candidato acabou de se apresentar, Elizabeth deu outro pequeno intervalo, para calcularem as notas e definirem o candidato que conseguirá a bolsa de estudos)
MAYA – (observa Carlo ao lado do primo) Ele nem parece nervoso. É como se já soubesse que irá ganhar a bolsa.
PEDRO – (aponta para Andrew do outro lado) Eu digo o mesmo para o Andrew.
MAYA – Se eu fosse você, desistiria quando ainda tem tempo.
PEDRO – Quem perder, terá que ir até o candidato do outro e parabenizá-lo por ter entrado.
MAYA – (confiante) Combinado. Ah, vai preparando aí seu discurso para receber o Carlo, viu.
PEDRO – (ri) Eu digo o mesmo!

[CENA 03 – CASA DE ALICE/ Q. DE ALICE/ NOITE]
(Alice está ao lado da janela, lembra do que seu pai disse hoje mais cedo no jantar, olha para suas pernas. Antes de parar a fisioterapia, ela meio que sentia alguma coisa, como se suas pernas um dia pudessem voltar a se movimentar. Agora, ela não consegue sentir mais nada. Volta a olhar para a janela, observa o céu um pouco estrelado)

[CENA 04 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO/ NOITE]
(o intervalo acabou, todos voltaram para o auditório, Elizabeth está no centro do palco, pronta para anunciar o resultado)
ELIZABETH – (feliz) What a lively night! Teacher Rachel liked it a lot, isn’t she? (Rachel sorri, confirma com a cabeça) I didn’t know that dancing side of her. (ri) But, going back to the candidates, I can only say one thing: extraordinary! Congratulations! Although they are all newcomers and are stepping on this stage for the first time in their lives, they have brought to us practically huge numbers that can be compared to that of Broadway. They are great artists, which I would certainly love to receive in future semesters. Maybe until then, instead of announcing a single name, I will not announce two. Well… without further ado, it’s time to find out who will be part of our academy next semestre. (Pedro e Maya se entreolham, ansiosos pelo o resultado)

Agora…

[CENA 05 – LANCHONETE DO IVO/ NOITE]
(Daniel continua sem reação, Dácio o observa decepcionado)
AMANDA – (responde por Daniel) Demos um pequeno beijo, apenas. (a Daniel) Eu queria saber se você ficou envergonhado depois do que aconteceu, Dan?
DÁCIO – Eu sabia que tinha algo nessa aproximação repentina dela com você. Agora não esperava que você pudesse fazer isso. (levanta-se da mesa e caminha até a saída da lanchonete)
DANIEL – (levanta-se e o segue) Espera, Dácio. (todos que estão a mesa se entreolham, constrangidos. Amanda fica como se não estivesse entendendo nada)
DÁCIO – (Daniel segura o braço dele, antes que saísse) Me solta, Daniel.
DANIEL – Eu ia contar para você sobre o beijo, eu juro.
DÁCIO – E quando seria isso? Quando você e ela fossem para a final, juntinhos?
DANIEL – Para com isso, você sabe que eu gosto de você. (segura a mão dele) Foi ela quem me beijou, mas na mesma hora, eu encerrei e me afastei. Ela que veio até mim, eu juro. (na mesa onde estavam, Pedro e Ramon sobem para o palco, se organizam com a banda e se preparam para tocar uma música. Alguns alunos se aglomeram próximo ao palco) Eu parei de trocar mensagens com ela, até no programa de música eu a evitei. (se aproxima dele) Não deixa que isso estrague o que sentimos um pelo o outro.
DÁCIO – (repara Amanda olhando para eles, como se estivesse torcendo para os dois terminarem) Sua amiguinha não para de olhar para cá. Acho melhor você ir lá prestar atenção a ela.
DANIEL – Eu não… (os garotos começam a tocar) A única coisa que eu quero fazer agora é dançar com você. Então esquece isso e vem dançar!  (o puxa para perto do palco, passam por Amanda e a ignoram)

[CENA DE MÚSICA – SHURT UP AND DANCE (WALK THE MOON)]

Oh, don’t you dare look back 1
Just keep your eyes on me
I said: You’re holding back
She said: Shut up and dance with me
This woman is my destiny
She said: Oh, oh, oh
Shut up and dance with me

We were victims of the night
The chemical, physical, kryptonite
Helpless to the bass and the faded light
Oh, we were born to get together
Born to get together

She took my arm 2
I don’t know how it happened
We took the floor and she said
Oh, don’t you dare look back
Just keep your eyes on me
I said: You’re holding back
She said: Shut up and dance with me
This woman is my destiny
She said: Oh, oh, oh
Shut up and dance with me

A backless dress and some beat up sneaks 3
My disco tec Juliet teenage dream
I felt it in my chest as she looked at me
I knew we were born to be together
Born to be together
She took my arm
I don’t know how it happened
We took the floor and she said

Oh, don’t you dare look back
Just keep your eyes on me
I said: You’re holding back
She said: Shut up and dance with me
This woman is my destiny
She said: Oh, oh, oh
Shut up and dance with me

(Oh, come on, girl!)

Deep in her eyes 4
I think I see our future
I realize this is my last chance
She took my arm
I don’t know how it happened
We took the floor and she said

Oh, don’t you dare look back
Just keep your eyes on me
I said you’re holding back
She said: Shut up and dance with me
This woman is my destiny
She said: Oh, oh, oh
Shut up and dance

Shut up and dance

Oh, don’t you dare look back
Just keep your eyes on me
I said you’re holding back
She said: Shut up and dance with me
This woman is my destiny
She said: Oh, oh, oh
Shut up and dance with me
Oh, oh, oh, shut up dance with me

1. Em segundos os alunos se aproximam do palco e começam a dançar. Daniel e Dácio estão dançando juntos e ignoram a presença de Amanda ali.
2. Embora a música que os garotos estejam tocando seja animada, Ana e Alan continuam sentados e sozinhos em suas mesas, trocam alguns olhares, mas não criam coragem para conversar um com o outro.
3. Manuela está dançando com Tiago, assim como suas amigas estão dançando com outros dois garotos. Amanda, que observa Daniel e Dácio se divertindo, saí da lanchonete furiosa. Andréa sorri com jeito que ela saiu.
4. Dácio e Daniel estão dançando e nem lembram mais do que aconteceu segundos atrás, o que importa pra eles é o que está acontecendo ali e agora.
5. Os garotos encerram a música, sendo aplaudidos pelo os alunos eufóricos e pedindo mais música. Eles se entreolham e tocam outra uma música.

[CENA 06 – CASA DE CAIO/ SALA/ NOITE]
(Cláudio a observa, pensa nas palavras certas a dizer)
CLÁUDIO – Não é errado os pais quererem o melhor para os filhos. Só que chegará uma fase da vida, onde eles mesmo terão que fazer as próprias escolhas. E nós, como pais, devemos apoiá-los, embora muitas vezes não seja aquilo que planejamos para eles.
CAMILA – Eu só quero que o meu filho tenha uma carreira brilhante e um futuro do qual ele não precise se preocupar.
CLÁUDIO – E quem disse que ele não terá?
CAMILA – Sendo um artista? Essa área Cláudio, tem altos e baixos. Ele pode fazer sucesso no começo e depois ser esquecido no tempo. Sem contar, quem a fama passageira pode gerar problemas de saúde, como crises de depressão, ansiedade. E eu não quero ver meu filho sendo destruído por causa disso.
CLÁUDIO – Ele não vai porque vamos sempre estar ao lado dele, amor. É isso que você não quer enxergar. Não importa se ele será advogado, administrador, professor, artista… independente do que ele faça, iremos estar ao lado dele. Ele vai quebrar a cara algumas vezes, vai se frustrar, mas estaremos aqui para ajudá-lo a recomeçar. Sabe o que eu acho interessante na nossa família?
CAMILA – O que?
CLÁUDIO – Nenhum de nós tivemos pais tão presente em nossas vidas, assim como somos na vida do Caio. Minha mãe, embora seja adotado, me criou apenas para ser uma outra fonte de riqueza pra ela. A sua, melhor nem comentar. Mas, só pelo o fato de o Caio ter nós dois, acompanhando o crescimento diário dele, já é um garoto sortudo só por ter isso. (Camila solta um leve sorriso) Por mim tudo bem ele querer ser advogado, desde que esteja feliz com isso.
CAMILA – E ele não está!
CLÁUDIO – Talvez ele precise começar a ver o Direito com uma forma diferente. Ele não precisa passar horas e horas na frente de livros ou do computador estudando. Ele precisa sair um pouco com os amigos, namorar, se divertir.
CAMILA – Assim ele não vai passar no vestibular nunca.
CLÁUDIO – Quem disse? Vai me dizer que quando você morava com suas amigas naquele apartamento, você e elas não saiam por aí para se divertir.
CAMILA – (caminha até o outro lado do sofá) Saíamos, mas não porque eu queria. A Adriana que nos convencíamos, você sabe como ela é.
CLÁUDIO – (ri) Então… o Caio como qualquer adolescente, precisa desses momentos de lazer. Aposto, que se você começar a liberá-lo um pouco dessa rotina intensiva de estudos, ele vai se interessar pelo o Direito novamente. (Camila o observa, pensativa)

[CENA 07 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ NOITE]
(Ione repara que o cliente está esperando ela voltar e que percebeu ela conversando com Otávio)
IONE – (o percebe preocupado) É que… você poderia esperar mais um pouco? É que estou com um cliente agora, não posso deixá-lo de lado.
OTÁVIO – (decepcionado) Sem problema. Não quero te atrapalhar. (vira-se para o balcão, senta-se de cabeça baixa)
IONE – (repara no cliente, que a esperava) Eu realmente preciso atender aquele cliente. (segura na mão dele) Eu prometo que volto logo. (Nathaniel lhe entrega dois copos de bebidas e saí do bar, volta para a mesa onde estava)
NATHANIEL – (se aproxima de Otávio) Não fica assim… a Ione quase não tem clientes, mas o que ela conseguiu hoje é muito importante.
OTÁVIO – (olha em direção a Eduardo) Vamos embora, Edu?
EDUARDO – Vamos. (os dois levantam-se) Quanto devo, Nathan?
NATHANIEL – Não precisa se preocupar. Os sucos são por conta da casa.
EDUARDO – Valeu. (Otávio se apoia em Eduardo e os dois vão embora. De sua mesa, Ione repara ele saindo de cabeça baixa)

[CENA 08 – LANCHONETE DO IVO/ NOITE]
(após cantarem outras três músicas, os garotos deixam uma música eletrônica tocando ao fundo. Voltaram para a mesa e o clima está o mesmo de antes da Amanda aparecer. Próximo deles, está Ana na mesa dos salgados. Alan a observa de sua mesa, cria coragem, se levanta e vai até ela)
ALAN – (ao lado dela, observa os salgados, tom amigável) As aulas acabaram, agora é a vida adulta.
ANA – Pois, é. Você em seu curso de dança aqui, e eu na minha licenciatura em Madrid.
ALAN – Você vai mesmo?
ANA – Vou. (os dois continuam evitando contato visual) Viajo na semana que vem.
ALAN – (pega uma coxinha) Tão rápido assim?
ANA – (um pouco séria) Quando mais antes eu sair da cidade, melhor.
ALAN – Pensei que um dia pudéssemos voltar.
ANA – Acho que a nossa oportunidade passou, Alan. (olha para ele, que faz o mesmo) Talvez eu tenha mudado, talvez eu não pertença mais a este lugar… são tantos talvez, que a única certeza que eu tenho é de que não iremos ficar juntos.
ALAN – Você diz isso por você… (se aproxima dela, deixa a coxinha de lado) …porque a vontade que eu tenho é de ter você comigo agora.
ANA – Assim como você tinha uma garota em seus braços, meses atrás?
ALAN – Do que você tá falando?
ANA – (vira-se para a mesa de salgados, muda de assunto, já que não podia contar do seu dom) Não interessa.
ALAN – Não vou mentir que quando terminamos, eu procurei outras garotas. Mas nenhuma delas me fez sentir o que eu sinto quando estou com você. (segura a mão dela, Pedro repara o clima entre os dois)
ANA – (puxa sua mão, vira-se para ele) Não complica as coisas, Alan. Eu só quero me divertir um pouco, aproveitar os últimos momentos na cidade ao lado dos meus amigos.
ALAN – Então por que você não está sentado ali junto com eles? Desde que eu cheguei, você está naquela mesa ali sozinha.
ANA – Eu vou me juntar a eles agora.
ALAN – Então vai lá, que eu quero ver. (os dois se encaram por alguns segundos, Ana se afasta dele, caminha até a mesa onde Pedro está. Pega uma cadeira, senta-se. Todos da mesa reparam, porém, não ligam muito. Pedro a observa, percebe que algo aconteceu ali. Alan a observa)
ANDRÉA – Gente, aquela professora só sabe falar da vida dela. A turma inteira passou na disciplina? Passou! Aprendeu alguma coisa? Isso é uma outra história.
RAMON – Aprendi que nas férias passada a filha dela fez uma peça no colégio, onde ela interpretou a árvore. (todos riem)
OTÁVIO – (brinca) Ainda bem que sou amigo de vocês, caso contrário, nem imagino o que vocês estariam falando de mim se não estivesse aqui.
ANDRÉA – A gente fala de você direto, querido. Só que dessa vez, são coisas boas. (ri)
PEDRO – Confesso que vou sentir falta destes momentos. (olha para todos) Em alguns meses a vida de cada um vai mudar e talvez, nos veremos bem pouco.
RAMON – Ei… não chegou a hora do sentimentalismo, está bem?
PEDRO – (ri) Só estou dizendo que vou sentir saudades disso.
ANDRÉA – Sendo bem sincera, também vou sentir. Bem que o Dácio poderia inventar uma máquina do tempo, e transportar todos para dois anos atrás.
DÁCIO – Quem sabe no futuro, não serei eu o responsável por inventar a máquina do tempo.
RAMON – Olha ele… convencido, hein.
PEDRO – (repara em Ana, que não tirava os olhos de Alan) Não é o horário de sentimentalismo, mas que tal um clima romântico? (levanta-se)
RAMON – Outra já?
PEDRO – Sim, mas dessa vez fique aí para aproveitar com sua amada. (sorri, Ramon aproxima de Andréa) Aproveitem casais! (sorri para todos e caminha até o palco. Sobe, pega o violão, começa a tocar)

[CENA DE MÚSICA – TUDO O QUE VOCÊ QUISER (LUAN SANTANA)]

Tem dias que eu acordo pensando em você 1
Em fração de segundos vejo o mundo desabar
Aí que cai a ficha que eu não vou te ver
Será que esse vazio um dia vai me abandonar?

Tem gente que tem cheiro de rosa, de avelã
Tem o perfume doce de toda manhã
Você tem tudo, você tem muito

Muito mais que um dia eu sonhei pra mim 2
Tem a pureza de um anjo querubim
Eu trocaria tudo pra te ter aqui

Eu troco minha paz por um beijo seu
Eu troco meu destino pra viver o seu
Eu troco minha cama pra dormir na sua
Eu troco mil estrelas pra te dar a lua
E tudo que você quiser
E se você quiser te dou meu sobrenome

Tem gente que tem cheiro de rosa, de avelã 3
Tem o perfume doce de toda manhã
Você tem tudo, você tem muito

Muito mais que um dia eu sonhei pra mim
Tem a pureza de um anjo querubim
Eu trocaria tudo pra te ter aqui

Eu troco minha paz por um beijo seu 4
Eu troco meu destino pra viver o seu
Eu troco minha cama pra dormir na sua
Eu troco mil estrelas pra te dar a lua
E tudo que você quiser
E se você quiser, te dou meu sobrenome

Eu troco minha paz por um beijo seu
Eu troco meu destino pra viver o seu
Eu troco minha cama pra dormir na sua
Eu troco mil estrelas pra te dar a lua
E tudo que você quiser
E se você quiser te dou meu sobrenome

1. Jota subiu junto com Pedro ao palco, se posicionou na bateria. Pedro começa a tocar em um ritmo lento, e pouco a pouco, alguns casais levantam-se e dançam juntos. Ramon olha para Andréa, a convida para dançar, porém ela nega o pedido.
2. Dácio e Daniel levantam-se e vão dançar. Na mesa, fica apenas Andréa, Ramon e Ana. Alan a observa por alguns segundos, cria coragem e se aproxima dela. A chama para dançar, Ana pensa em negar, mas acaba aceitando.
3. Os dois vão para próximo dos casais e começam a dançar. Pedro sorri ao ver todo mundo dançando juntinho e lembra-se de Carol. Ramon tenta mais uma vez convidar Andréa, que nega o pedido novamente. De qualquer forma, os dois estão juntos a mesa e estão sozinhos.
4. Pedro encerra a música, os casais se separam e o parabenizam. Ana e Alan ficam um de frente para o outro, e parece que vão aproveitar os últimos momentos juntos.

[CENA 09 – CASA DE OTÁVIO/ SALA/ NOITE]

(Otávio está sozinho na sala, Eduardo já foi dormir)
OTÁVIO – (triste) O silêncio e a solidão são os meus únicos companheiros. (campainha toca, ele estranha, pois imagina que seja tarde da noite já. Levanta-se, caminha calmamente até a porta) Quem é?
IONE – (responde do outro lado) Sou eu, a Ione. Posso entrar?
OTÁVIO – (fica surpreso com ela ali naquele horário, abre a porta) O que faz aqui? Não tinha que estar cuidando do seu cliente?
IONE – Eu o dispensei. Disse que estava com forte cólicas e acabei deixando que uma outra garota cuidasse dele por mim.
OTÁVIO – E você veio até aqui por quê?
IONE – (entra) Ué, você não queria alguém para conversar? Pois bem, aqui estou para te ouvir! (sorri)

[CENA 10 – LANCHONETE DO IVO/ NOITE]
(Ana e Alan estão sentados em uma mesa, conversam bem juntinhos. Pedro continua reunido com seus amigos, Manuela e Tiago estão próximo deles em outra mesa)
TIAGO – Confesso que quando você me convidou para uma festa da sua turma, imaginei que não seria tão animada assim.
ÉSTER – Ainda mais porque não teria bebidas, né.
THALITA – Acho que é de família organizar eventos assim.
TIAGO – Verdade. Olha, eu não conheço muito bem o irmão dela, mas ele me parece ser bacana.
MANUELA – (olha para mesa de Pedro e o ver sorrindo com seus amigos) Ele é sim.
ÉSTER – E está indo para Nova York em alguns meses. Ao contrário da irmã, este aí parece que vai ter um futuro.
MANUELA – Não diz isso, Éster. Alice ainda pode ter a vida dela.
THALITA – Eu só lamento, ter passado o último ano e não ter conseguido dar nenhum beijo naquela boca talentosa que é a dele. (todas riem, o garoto que está ao lado dela se incomoda) Desculpa, bebê… mas estou sendo sincera. (aponta para Pedro) Quem não desejaria beijar aquela boca?
ÉSTER – Eu bem que queria. (o garoto ao lado dela se afasta)
TIAGO – (aos garotos) Acostumem-se, que elas são assim.

[CENA 11 – CASA DE OTÁVIO/ SALA/ NOITE]
(Otávio e Ione foram para o sofá, e ele contou tudo que estava lhe incomodando)
IONE – Eu acho que eu sei o que é isso.
OTÁVIO – Sabe?
IONE – Sim. Acho que você ficou com inveja de ver a relação que o seu pai tem com o outro filho. Embora você negue, no fundo, você queria uma relação assim também.
OTÁVIO – (abaixa a cabeça) Eu tinha essa relação com a minha mãe. Mas, depois que ela partiu, eu fiquei meio que sozinho, sabe? (olha em direção a ela) Como se não tivesse mais ninguém para onde eu possa me refugiar.
IONE – (se aproxima dele) O Nathan disse que isso faz as pessoas se sentirem confortáveis. (segura a mão dele) Feche os seus olhos.
OTÁVIO – Fechei!
IONE – Agora, relaxa e tente ouvir a voz de sua mãe. (Otávio respira calmamente, se concentra) Imagine que sua mãe está na cozinha, fazendo a comida que você adora.
OTÁVIO – Ela está fazendo macarronada. Consigo ouvir ela cantarolando, enquanto mexe o macarrão. (sorri)
IONE – Isso. Agora, siga esse canto de sua mãe e caminhe até ela. Ela se vira para você e vai te dar um abraço. (Otávio fecha os braços em seu corpo, como se estivesse abraçando sua mãe)
OTÁVIO – Me sinto seguro aqui dentro. (sorri)
IONE – Quem não se sente, não é. (Ione se aproxima dele, e o abraça)

Amanhecendo…

[CENA 12 – CASA DE DÁCIO/ Q. DE DÁCIO/ DIA]
(Dácio desperta, fica alguns segundos olhando para o teto e lembra do que Amanda fez ontem. Rapidamente levanta-se da cama, pega o notebook sobre a mesa e volta para a cama. O liga e começa a digitar)
DÁCIO – (focado) Ninguém é tão bonzinho assim, Amanda. Vamos ver o que você esconde por aí.

[CENA 13 – CASA DE CAIO/ COZINHA/ DIA]
(Caio entra na cozinha e encontra sua mãe no fogão)
CAIO – (senta-se a mesa) Bom dia, mãe.
CAMILA – (apaga o fogo, ao ouvir a voz do filho) Bom dia, querido.
CAIO – O papai ainda não acordou?
CAMILA – Acordou sim. Ele está arrumando o quarto, logo ele vem tomar café com a gente.
CAIO – É raro encontrar a senhora cozinhando.
CAMILA – Eu sei… por isso, aproveitei que hoje é domingo e pensei em cozinhar para a minha família.
CAIO – (surpreso) O almoço também?
CAMILA – E o jantar!
CAIO – (nota um clima leve vindo de sua mãe, brinca) Estou tão acostumado com a comida do papai, que nem lembro mais a comida da senhora.
CAMILA – Olha, que depois que experimentar a minha, vai se lembrar rapidinho, que a do seu pai será esquecida logo.
CAIO – (ri) Eu e meu estômago estamos aqui, prontos para ver isso. (Camila serve o filho e prepara um prato para Cláudio, senta-se em seguida) Vamos lá.
CAMILA – Antes, eu gostaria de ter uma conversa com você, filho! (Caio já se preocupa, sabia que estava tudo bom para ser verdade. A observa, imaginando o que vem por aí)

Continua no capítulo 60…

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

LEIA MAIS DESTE CONTEÚDO:

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

>
Rolar para o topo