“Estilo”

Agora…

[CENA 01 – APARTAMENTO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ Q. DE PEDRO/ MADRUGADA]
(Pedro desperta assustado, se senta, esfrega seu peito e uma angústia o aperta por dentro. Se deita na cama, olha para o teto, continua com a mão em seu peito. Após o sonho que teve, era difícil voltar a dormir)

[CENA 02 – APARTAMENTO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ COZINHA/ DIA]
(Samuka entra na cozinha e leva um susto ao encontrar Pedro acordado tão cedo)
SAMUKA – (indo até a geladeira) Bom dia! Pelo visto não conseguiu dormir direito, né? (pega um caixa de leite, caminha até o armário)
PEDRO – Bom dia, Sam. Tive um sonho bem louco ontem à noite. Depois não consegui dormir.
SAMUKA – Isso tudo é ansiedade. Você vai ver, que em algumas horas tudo isso passará.
PEDRO – Eu só quero que esse musical comece logo. (levanta-se) Estou para ter um infarto aqui. (saí da cozinha, Samuka continua preparando seu café)

[CENA 03 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO/ DIA]
(Liandra está verificando os últimos detalhes do cenário e parece que a noite anterior não foi tão boa assim)
LIANDRA – (um pouco estressada) I said I wanted a two meter high building. This is my size. (Elisa sobe ao palco, caminha até ela)
ELISA – Pelo visto o encontro de ontem não foi bom.
LIANDRA – Eu nunca mais marco um encontro por aplicativo.
ELISA – Pela demora que teve para voltar pra casa, pensei que estava indo bem. Até fiquei esperando você um pouco, mas decidi dormir mais cedo após outro desentendimento com o Arthur.
LIANDRA – Brigaram novamente?
ELISA – Discutimos.
LIANDRA – Então não fui a única que teve uma noite ruim.
ELISA – Eu ao menos não estou estressada como você.
LIANDRA – Isso é resultado de ansiedade pré-musical junto com a péssima noite que tive.
ELISA – (ri) Fica assim não, está bem. Vou verificar meu figurino. Estão lá atrás?
LIANDRA – Sim, estão. Vou aproveitar e ir com você. Quero verificar se está tudo certo por lá também.

[CENA 04 – PARQUE (NOVA YORK)/ DIA]
(Pedro não estava conseguindo se livrar daquela sensação estranha em seu peito, então decidiu tomar um pouco de ar. Está sentado em um banco do parque, observa o vai e vem das pessoas)
GASPAR – (aparece sem ele percebe ao seu lado) Oi!
PEDRO – (se assusta) Como você apareceu aqui?
GASPAR – Tenho passos leves. (ri) Parece preocupado. Ainda é saudade da família?
PEDRO – Um pouco. É uma mistura de ansiedade, nervosismo… e também saudade. Hoje acontecerá o musical do qual eu estou participando. Não sei se cheguei a falar com você.
GASPAR – Falou sim.
PEDRO – Se você quiser ir, será no auditório da minha universidade, às 20h.
GASPAR – Conhecendo a fama do lugar onde você estuda, certamente não terá vaga. Mas tentarei aparecer. (os dois ficam em silêncio por um tempo, observam as pessoas)
PEDRO – Eu nunca imaginei que estaria num lugar desse. Quando eu era criança e morava no sítio do meu avô, eu sempre pensei que iria passar a minha vida inteira lá. Iria ajudar vovô com o sítio, iria crescer ao lado dos amigos de infância… e teria uma vida simples e calma. (Gaspar o observa) A música não era tão presente naquela época, mesmo assim eu a sentia aqui dentro, pedindo para sair. Se alguém me contasse que um dia eu viria para Nova York estudar música, eu jamais acreditaria.
GASPAR – (olha para as pessoas) Muitos em seu lugar estariam felizes.
PEDRO – Eu sei… desde que cheguei aqui, essa frase é o que eu mais tenho ouvido.
GASPAR – Como você se imagina daqui 10 anos?
PEDRO – Nossa… (ri) …muito tempo, hein! Não sei, nunca parei para pensar nisso.
GASPAR – Mas quando você era criança, já tinha tudo isso pensado.
PEDRO – Já.
GASPAR – (o observa) Então o que mudou no você criança, para o você atual? (Pedro fica alguns segundos pensativo, não responde) Se você pudesse escolher agora, nesse exato momento, entre ficar aqui em Nova York ou voltar para o sítio do seu avô e ter sua vida simples e tranquila de volta, o que você escolheria? (Pedro o observa, parece dividido. Chega uma mensagem em seu celular)
PEDRO – (pega o celular) É a minha irmã. (sorri ao ler a mensagem) Ela disse que vai ver o musical. (se levanta) Eu tenho que ir agora. Te espero lá hoje, hein. Até! (saí digitando uma mensagem para sua irmã. Gaspar o observa sério)

Anoitecendo…

[CENA 05 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO/ NOITE]
(o auditório está lotado com alunos, público e algumas pessoas famosas do ramo. Elizabeth está sentada na primeira fileira próximo ao palco, junto com alguns conhecidos dela. Liandra está por trás da cortina, observa a multidão de pessoas se organizando)
LIANDRA – Nossa… não esperava esse tanto de gente!
ELISA – (abre uma pequena brecha na cortina) Muita gente mesmo.
LIANDRA – Vamos lá, né. Eles vieram para o show, então vamos dar o que eles querem. (caminha até o restante do pessoal. Elisa procura por Arthur pelo o auditório, não o encontra. Pega o celular, digita uma mensagem e envia para ele)

[CENA 06 – APARTAMENTO NOVO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ SALA/ NOITE]
(Arthur está deitado de mal jeito no sofá, com o notebook a sua frente. Está esperando a live do musical começar pelo o blog da universidade. Chega uma mensagem em seu celular)
ELISA (por mensagem) – “Você não vem?” (Arthur bloqueia o celular, volta a observar o notebook, fica sério)

[CENA 07 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO/ NOITE]
(Liandra reuniu o pessoal, irá iniciar seu discurso)
LIANDRA – The big day has come, folks. You all broke up during rehearsals, but now it’s time for action. I don’t want to make anyone tense, but this musical is very important to me, I trust you and I know that everyone will do their best. (parece nervosa) Everyone to their places, that I will make the introducion there. (caminha até a cortina, passa para o outro lado. O pessoal ouve os aplausos, se espalham em suas posições. Após o pequeno discurso de abertura de Liandra, a cortina se abre, revelando o pequeno cenário representando um galpão, com alguns andaimes. Apenas o núcleo de Pedro está em cena)

[CENA 08 – APARTAMENTO NOVO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ SALA/ NOITE]
(Arthur está acompanhando o musical pela a internet, ver a boa atuação de Pedro o deixa cada vez mais com inveja. Começa a torcer para que algo acontecesse com ele, especialmente na cena em que ele canta e dança sobre os andaimes)

[CENA 09 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO/ NOITE]
(o primeiro ato está acabando, no palco estão presentes Elisa e Pedro, junto com alguns figurantes, no cenário de uma lanchonete. Este é o momento em que o personagem interpretado por ele, David, acaba se tornando um rapper conhecido no mundo da música. Dois anos após ele fugir com um pessoal, David retorna para a cidade e acaba encontrando Sarah, interpretada por Elisa, trabalhando em uma lanchonete)
ELISA (interpretando Sarah) – (surpresa com David à sua frente) You came back?
PEDRO (interpretando David) – (sorri) I said I would be back. (Sarah está surpresa com o novo estilo dele)
ELISA (interpretando Sarah) – You are different.
PEDRO (interpretando David) – (exibe seus itens de ouro) You didn’t want to run away with me, look what you lost.
ELISA (interpretando Sarah) – I couldn’t, you know.
PEDRO (interpretando David) – Does not matter. (se aproxima dela) I heard what happened to your family. That’s why I came back. You deserve much more than serving a bunch of old assholes in the city. It’s time for you to get a little of my style. (ri, pega na mão dela, a puxa para o que parece ser uma máquina de karaokê. Finge procurar uma música, que começa a tocar logo em seguida. Sarah e ele começam a dançar)

[CENA DE MÚSICA – FINESSE (BRUNO MARS feat. CANDI B.)]

[ELISA]
Drop top Porsche (Porsche), Rollie on my wrist (wrist) 1
Diamonds up and down my chain (aha!)
Cardi B, straight stuntin’, can’t tell me nothin’
Bossed up and I changed the game (you see me)
It’s my big Bronx boogie, got all them girls shook (shook)
My big, fat ass got all them boys hooked (hooked)
I went from dollar bills, now we poppin’ rubber bands (hey!)
Bruno sang to me while I do my money dance like
Aye! Flexin’ on the gram like (aye!)
Hit the Lil Jon, okay (okay), okay (okay)
Oh, yeah we drippin’ in finesse, getting paid (ow!)

[PEDRO]
Ooh, don’t we look good together? 2
There’s a reason why they watch all night long
Yeah, I know we’ll turn heads forever
So tonight I’m gonna show you off

When I’m walkin’ with you
I watch the whole room change
Baby, that’s what you do
No, my baby don’t play, no
Blame it on my confidence
Oh, blame it on your measurements
Shut that shit down on sight
That’s right

We out here drippin’ in finesse
It don’t make no sense
Out here drippin’ in finesse
You know it, you know it
We out here drippin’ in finesse
It don’t make no sense
Out here drippin’ in finesse
You know it, you know it

Now slow it down for me, baby 3
‘Cause I love the way it feels when we grind
Yeah, our connection’s so magnetic on the floor
Nothing can stop us tonight

When I’m walkin’ with you
I watch the whole room change
Baby, that’s what you do
No, my baby don’t play, no
Blame it on my confidence
Oh, blame it on your measurements
Shut that shit down on sight
That’s right

We out here drippin’ in finesse
It don’t make no sense
Out here drippin’ in finesse
You know it, you know it
We out here drippin’ in finesse
It don’t make no sense
Out here drippin’ in finesse
You know it, you know it

Fellas, grab your ladies if your lady fine 4
Tell her she the one, she the one for life (woo!)
Ladies, grab your fellas and let’s do this right
If you’re on one like me in mind (ow!)

[ELISA E PEDRO]
Yeah, we got it goin’ on, got it goin’ on
Don’t it feel so good to be us? (Ay!)
Yeah we got it goin’ on, got it goin’ on (yeah)
Girl, we got it goin’ on
Yeah, we got it goin’ on, got it goin’ on
Don’t it feel so good to be us? (Ay!)
Yeah, we got it goin’ on, got it goin’ on (it feels so good with you)

[PEDRO]
We out here drippin’ in finesse 5
It don’t make no sense
Out here drippin’ in finesse
You know it, you know it
We out here drippin’ in finesse
(Dripping in finesse with my baby, ooh)
It don’t make no sense
Out here drippin’ in finesse
You know it, you know it (girl, you know you got it goin’ on)

[ELISA E PEDRO]
Yeah, we got it goin’ on, got it goin’ on
Don’t it feel so good to be us? (Ay!)
Yeah, we got it goin’ on, got it goin’ on
(You know it, you know it)
Yeah, we got it goin’ on, got it goin’ on
Don’t it feel so good to be us? (Ay!)
Yeah, we got it goin’ on, got it goin’ on
(You know it, you know it)

1. Assim que a música começa a tocar, Elisa tira seu avental e joga na mesa de um dos clientes. Começa a dançar pelo o cenário. Surge algumas garotas no palco que dançam com ela.
2. Pedro entra no ritmo e também dança pelo o cenário, Samuka e um outro cara se juntam com ele. Como o objetivo é chamar a atenção do público com a dança deles, Elisa rapidamente vai para detrás das cortinas e troca de figurino. Liandra observa a empolgação do público, sabia que a música iria animá-los.
3. Como Pedro estava dando um show de gingado, quase ninguém repara a troca rápida de cenário. O fundo agora é o galpão que iniciou o musical. Elisa aparece com um figurino estiloso, se aproxima de Pedro. Os dois dançam juntos, em passos sincronizados.
4. Os dois exibem estilo e muita sintonia. Se separam e cada um vai para um canto.
5. É nítido a sintonia deles, Liandra comemora por ter conseguido transmitir isso para o público. Ao termino da música, Pedro e Elisa se beijam.

[CENA 10 – APARTAMENTO NOVO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ SALA – QUARTO/ NOITE]
(Arthur se irrita ao ver Pedro e Elisa se beijando. Joga o notebook na parede, uma raiva começa a crescer dentro dele. Se levanta, caminha até seu quarto, puxa a gaveta do guarda roupa e do fundo pega sua arma. A observa por alguns instantes. Em sua cabeça, ele precisava colocar um ponto final naquilo tudo, caso contrário, perderia tudo que conquistou. E como ninguém acreditava nele, este era o único jeito. Coloca a arma em sua cintura e saí do quarto)

[CENA 11 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO – CORREDOR/ NOITE]
(o segundo ato começou. Liandra está constantemente reparando na reação do público. Especialmente de seus avaliadores, ao lado de Elizabeth. Pedro está dançando com alguns colegas no palco. Arthur está lá fora, em frente a porta. Um sentimento estranho percorre o seu corpo. Afinal, o que ele estava fazendo? Iria matar o seu amigo? Não, ele não quer matá-lo. Quer apenas assustá-lo e fazê-lo desistir da universidade. Ele se encosta na parede, confuso, nervoso, começa a chorar. Dentro do auditório, Pedro recebe aplausos da plateia. Ao ouvi-los e o modo como o público “glorifica” um personagem que ele quem deveria estar interpretando, a raiva em Arthur começa a crescer. Ele limpa as lágrimas de seu rosto, tira a arma da cintura e entra no auditório. Ao ver Pedro cantando tão feliz, só o deixa mais com inveja. Em sua cabeça, ele quem deveria estar naquele palco, ele quem deveria estar cantando aquela música. Sem pensar duas vezes, ergue seu braço e aponta a arma em direção ao amigo. Como todos estavam focados no palco e o auditório estava com pouca iluminação, ninguém percebe Arthur erguendo a arma. Chorando e nervoso, pensa em abaixá-la e desistir daquilo. Pedro era seu amigo apesar de tudo)

[CENA 12 – CASA DE PEDRO/ Q. DE PEDRO/ NOITE]
(Gaspar está no quarto de seu protegido, observa algumas coisas que ele deixou. Caminha até a cama, repara um porta-retrato com uma foto de Carla, Frederico e Pedro, quando era mais novo. É nítido que ele era uma criança feliz. Gaspar sente o momento se aproximando, desaparece do quarto)

[CENA 13 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO/ NOITE] (cena exibida no capítulo 01)
(Arthur continua apontando a arma em direção a Pedro, que acaba de encerrar sua apresentação. Nesse momento, todos se levantam e o aplaudem. Arthur se assusta com os aplausos e gritos, e acaba atirando no amigo. Na mesma hora, todos ficam assustados com o som do tiro, tentam se proteger sem saber de onde veio o disparo. Pedro caí no meio do palco, sangrando e com a mão no peito. Arthur deixa a arma cair no chão e sai correndo com medo. Elisa e os demais alunos correm até Pedro, tentam socorrê-lo)
ELISA – (desesperada) Pedro, não fecha os olhos! Pedro, escuta minha voz. Alguém chama uma ambulância, rápido! Pedro, olha para mim. Olha para mim, não fecha os olhos. Olha para mim! (Pedro mesmo ouvindo a voz de Elisa, ao seu redor tudo começava a ficar escuro, vai fechando os olhos)

[CENA 14 – HOSPITAL (NOVA YORK)/ CORREDOR/ NOITE] (cena exibida no capítulo 01)
(Pedro está sendo levado pelos corredores do hospital direto para a sala de cirurgia, o mesmo continua desacordado. Uma enfermeira tenta reanimá-lo. Samuka está junto com Elisa, alguns amigos o acompanham até uma parte do caminho)
ENFERMEIRA – You cannot continue from here.
SAMUKA – Save him, please. (observa Pedro sendo levado para a sala, fica parado no meio do corredor)

[CENA 15 – HOSPITAL (NOVA YORK)/ SALA DE ESPERA/ NOITE] (cena exibida no capítulo 02)
(os amigos de Pedro foram para a sala de espera, Arthur entra no hospital, caminha até Elisa, sério)
ELISA – Oi, amor! (o abraça)
ARTHUR – Eu soube o que aconteceu com o Pedro.
ELISA – Pois, é. Ele estava no meio da apresentação e do nada se escuta um barulho de tiro e quando percebemos, Pedro estava caído no meio do palco.
ARTHUR – Ninguém viu quem atirou?
ELISA – Não. Ele tá há horas dentro daquela sala de cirurgia. (Arthur caminha até uma das poltronas, senta-se com vontade de chorar) Tudo bem, amor? (antes que ele respondesse alguma coisa, o médico aparece na sala. Samuka rapidamente caminha até ele. Após deixar a notícia, o médico vai embora. Lia entra no hospital, desesperada)
LIA – Gente a polícia encontrou a arma que atirou em Pedro. (Arthur rapidamente reage, caminha calmamente em direção a Lia) Acredito até que já saibam quem atirou! (Arthur se desespera por dentro, embora tentasse ficar o mais calmo possível)

[CENA 15 – HOSPITAL (NOVA YORK)/ RUA/ NOITE] (cena exibida no capítulo 03)
(Arthur sai do hospital chorando, Elisa em poucos segundos o acompanha)
ELISA – Arthur… espera. (o percebe chorar) O que houve, amor? Por que você está assim?
ARTHUR – Tudo isso é por minha culpa, Elisa. Pedro está nesse hospital por minha culpa.
ELISA – Eu não estou entendendo. O que está acontecendo, Arthur? (antes que Arthur explicasse alguma coisa, uma viatura estaciona em frente ao hospital, logo atrás dela, o carro de Elizabeth)
ARTHUR – Eles vieram me buscar!
ELISA – Te buscar? (dois policiais saem da viatura, Elizabeth e Mônica saem do outro carro, ambos caminham em direção a Arthur)
POLICIAL – Arthur Oliveira?
ARTHUR – Yes, it’s me!
POLICIAL – We need you to accompany us. (sem resistir nem nada, Arthur os acompanha até a viatura, de cabeça baixa e chorando)
ELISA – Wait… What is happening? (Mônica a impede de acompanhá-los) Por que estão levando ele? (Arthur entra no banco de trás da viatura, os policiais fecham a porta) Por que estão levando ele, Mônica? O que está acontecendo?
ELIZABETH – Os policiais precisam fazer algumas perguntas a ele.
ELISA – Perguntas? Que tipos de perguntas?
MÔNICA – Foi o Arthur quem atirou em Pedro!

[CENA 16 – HOSPITAL (NOVA YORK)/ Q. DE PEDRO/ DIA] (cena exibida no capítulo 04)
(após horas de cirurgia, Pedro está deitado na cama, ainda inconsciente, porém com seu estado de saúde estável. Uma enfermeira escreve alguma coisa em sua prancheta, observa os equipamentos, olha para ele e saí da sala em seguida. Nesse instante, Gaspar e Arael aparecem)
ARAEL – (se aproxima de Pedro) Você sabe que isso é preciso, não sabe?
GASPAR – (sério) Sim.
ARAEL – Você o protegeu bem, Gaspar. Não é porque a trajetória dele termina aqui, que seu trabalho acabou. Você ainda é o protetor de Alice. Ela ainda tem um trabalho neste plano a finalizar. (Gaspar continua observando Pedro, em silêncio e sério. Arael se afasta) Acredito que você sabe o que fazer?! (Gaspar abaixa a cabeça, fecha os olhos, estende a mão até o ombro de Pedro, fica alguns segundos assim sem tocá-lo)
GASPAR – Eu…
ARAEL – Seja forte. (Gaspar vira o rosto para o lado ainda com os olhos fechados, toca no ombro de Pedro. Nesse instante, o corpo de Pedro começa a se remexer na cama. Os equipamentos começam a tocar alterados. Gaspar e Arael desaparecem juntos. Uma enfermeira entra na sala no mesmo instante que Pedro começa a soltar sangue pela boca e nariz)
ENFERMEIRA – (grita por ajuda) Help, please! Help!!

[CENA 17 – CASA DE PEDRO/ Q. DE PAULA/ DIA]
(Paula acorda com o celular tocando. É o número de Samuka, um pressentimento ruim bate em seu peito)
PAULA – (senta-se) Alô. Oi, Sam? Está tudo bem? (Samuka conta o que aconteceu com o sobrinho dela, ela se desespera)

[CENA 18 – HOSPITAL (NOVA YORK)/ SALA DE CIRURGIA/ DIA]
(rapidamente Pedro foi levado para a sala de cirurgia. Inexplicavelmente, mesmo após a bala ter sido removida do seu pulmão e seu estado de saúde ter se estabilizado, um sangramento interno surgiu. Os médicos tentam agora parar o sangramento e impedir que o órgão dele fique mais prejudicado do que já está, antes que seja tarde. Pedro está na mesa de cirurgia com o seu corpo aberto e seus batimentos caindo)

[CENA 19 – LUGAR VAZIO]
(Pedro está deitado em um lugar completamente escuro e vazio, praticamente sem expressão nenhuma no rosto. Aquele lugar era familiar para ele, afinal é o mesmo lugar de seu sonho na noite passada, junto com aquela mesma sensação de solidão)

Continua no capítulo 70…

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

LEIA MAIS DESTE CONTEÚDO:

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

>
Rolar para o topo