Destiinos Cruzados
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

DESTINOS CRUZADOS

CAPÍTULO 47 

ÚLTIMOS CAPÍTULOS 

UMA NOVELA DE 

UELITON ABREU 

ESCRITA POR

UELITON ABREU.
FELIPE ABREU 

CENA 1. DELEGACIA. SALA DO DEL. INTERIOR. DIA 

ALAN CONTINUA ENCARANDO DAVID, QUE VAI ATÉ A PORTA E FECHA-A. FECHA TAMBÉM AS PERSIANAS. 

LEONARDO    Tudo bem! Sou eu: Leonardo! 

ALAN               Meu Deus do céu! Como? Diz-me. Como conseguiste? Eu vi-te morto…

LEONARDO    Não pense que foi fácil, pois não foi. Eu insisti muito para que os médicos aceitassem meu pedido… mas daí eles acabaram aceitando… e não, eu não os corrompi, zero propina… fingi-me de morto por um bom motivo… esse tempo que eu passei-me por morto, acabei fazendo muitas investigações e cheguei a quem pode ser esse assassino…

ALAN               E quem é então? 

LEONARDO    Não posso dizer! É sigilosa a minha investigação!

ALAN               Cara, eu não consigo acreditar que tu estejas aqui, na minha frente, vivo! É surreal.

LEONARDO    Tu não desconfiaste mesmo que o pudesse estar vivo? 

ALAN               Não! Mas também depois não tive mais informações tuas.

LEONARDO    Cara, nem um enterro eu tive… simplesmente levei aquelas facadas e sumi… qualquer um iria desconfiar, mas valeu à pena, todos acreditaram na minha morte…

ALAN               Espera aí. Aquele dia que tu foste pro hospital… 

LEONARDO    Fui refazer meus curativos… aqui! (levanta sua blusa e mostra seu ferimento já cicatrizando) Aquela enfermeira, ela é uma grande amiga, em partes, ela ajudou-me e muito no meu pós-operatório.

ALAN               Que louco! Mas que bom, né, que estás bem. Estás vivo! 

LEONARDO    É! Só que eu quero pedir-te discrição. Ninguém pode saber disso. É importante para os rumos da minha investigação. Posso contar consigo? 

ALAN               Claro. Sempre. Quero que saiba que continuo a ser seu amigo, como era antes.

LEONARDO    Eu não quero sua amizade! 

ALAN               Como? 

LEONARDO    Ainda não entendeste? Eu quero-te como homem, como meu namorado!

ALAN               Ôou! (ENVERGONHADO) Pegaste-me de surpresa agora! 

LEONARDO    Ficas lindo assim, todo envergonhado… 

ALAN               Obrigado pelo elogio! 

LEONARDO    Se quiseres eu posso elogiar-te sempre…

ALAN               Se eu quiser… como assim? 

LEONARDO    Vem aqui… 

ALAN LEVANTA VEM ATÉ ELE, AMBOS FICAM DE FRENTE UM AO OUTRO. LEONARDO SE AJOELHA NO CHÃO, O FAZ UM PEDIDO:

LEONARDO    Aceitas namorar comigo?

ALAN NADA DIZ, APENAS O PUXA PARA SI E O BEIJA. TEMPO. SAEM DO BEIJO. FICAM ALI, AGARRADINHOS; SE OLHANDO, FELIZES. 

ALAN               Isso responde a tua questão? (BEIJO) Hum?

LEONARDO    Com certeza. Eu sou o cara mais feliz do mundo por estar a namorar-te. 

OUVEM-SE BATIDAS À PORTA, SE AFASTAM RAPIDAMENTE… LEONARDO DESTRANCA A PORTA.

ALAN               Melhor eu ir… Com licença, delegato! 

ALAN DÁ UMA PISCADELA E SAI. UM OUTRO AGENTE ENTRA. 

LEONARDO    Safado! 

LEONARDO CONVERSA COM O AGENTE FORA DE ÁUDIO.  

CORTAR PARA: 

CENA 2. APART PEDRO. QUARTO. INTERIOR. DIA. 

SAMUEL DOBRANDO ROUPA. PEDRO ENTRA. SENTA À BEIRA DA CAMA. FICA LÁ, EM SILÊNCIO, OBSERVANDO SAMUEL. INSTANTES. E ENTÃO RESOLVE QUEBRAR O SILÊNCIO. 

PEDRO           Samuel. A gente precisar conversar!

SAMUEL         Também acho. Comece! 

PEDRO           Vem aqui, senta aqui do meu lado, por favor. Deixa essas roupas aí de lado um pouquinho.

SAMUEL         OK. Vamos lá, você primeiro! 

PEDRO           Eu… peço-te desculpas, pelo o que eu fiz ontem. Eu errei, tirei conclusões precipitadas, só que você também deveria ter se colocado no meu lugar, sabe, eu chego em casa e vejo o meu namorado beijando outro. O que querias que eu fizesse? Achasse tudo normal? Até onde sei, não estamos num relacionamento aberto, estamos? Desculpa-me, mesmo. E por ter te ofendido, né, ter achado que tu eras amante dele. 

SAMUEL         Eu é que tenho que pedir-te desculpas por aquele tapa, eu também errei, ambos erraram, estávamos todos de cabeça quente. E eu conversei com o Hugo, ele confessou que realmente é apaixonado por mim. Tinhas razão quando dizias que além da amizade, haviam outras intenções. Só que eu tomei uma decisão, para podermos todos vivermos em paz e sem brigas: pedi para que ele se afastasse de nós, principalmente de mim. Ele acatou meu pedido, mas eu acho que foi difícil pra ele ter tomado uma decisão dessas assim de supetão, mas com tempo ele acostuma, e quem sabe não arranje alguém que o corresponda de verdade. Enfim.

PEDRO           Fez a coisa certa. Ele que siga com sua vida sem nos atazanar. E eu quero mais é viver bem e feliz ao lado do meu namorado! (BEIJA-O) 

SAMUEL         Ué, namorado? Estamos namorando? 

PEDRO           Estamos, melhor, estamos noivando. 

SAMUEL         É?

PEDRO           Queres casar comigo? 

SAMUEL         Lógico! Sem pestanejar. (EUFÓRICO) Simmm! 

PEDRO           Vou te fazer o homem mais feliz dessa vida!

SAMUEL         Só queria que a Nathi estivesse aqui, sabe, conosco comemorando… será que ela está bem? 

PEDRO           – Já procurei em tudo que é lugar dessa cidade e nada. Nenhum sinal. Já não sei mais o que fazer. Sei lá, chego até pensar no pior… 

SAMUEL         Não diz isso, temos que ter esperanças. Ela está bem, iremos encontrá-la. Tenha fé. Agora, me deixa terminar de arrumar essas roupas.

PEDRO           Vai lá. Eu… vou tomar banho e seguir pra delegacia em seguida, beleza? (BEIJO) Amo-te! 

PEDRO LEVANTA E SAI. 

SAMUEL         Também te amo. Bom trabalho! 

SAMUEL VOLTA A DOBRAR AS ROUPAS. 

CORTAR PARA: 

CENA 3. AEROPORTO. EXTERIOR. DIA. 

JUNIOR VEM DO INTERIOR DO AEROPORTO EMPURRANDO SUA MALA. AVISTA UM TÁXI SE APROIMANDO. ACENA PRO MOTORISTA QUE PARA ALI EM FRENTE. MOTORISTA DESCE. GUARDA A MALA DO PORTA-MALAS. AMBOS ENTRAM NO CARRO E SEGUE VIAGEM. 

CORTA PRO INTERIOR DO VEÍCULO EM MOVIMENTO: ONDE JUNIOR ENVIA UMA MENSAGEM DE TEXTO PRA CAIO. EM SEGUIDA LIGA PRA NATHI. UMAS TRÊS VEZES. E NAS TRÊS CAEM NA CAIXA DE MENSAGEM. ELE ENTÃO COMEÇA A FICAR AFLITO. MOTORISTA O OBSERVA PELO RETROVISOR. 

MOTORISTA   Algum problema meu jovem? 

JUNIOR           Não é nada! É só minha namorada… há dia que eu ligo pra ela e ela não retorna as minhas chamadas. 

MOTORISTA   Relaxa. Vai ver ela perdeu o celular, ou fora assaltada, algo assim…

JUNIOR           É. Tens razão.

MOTORISTA   Ó, chegamos no seu destino! 

JUNIOR           Maravilha! 

O TÁXI PARA EM FRENTE À MANSÃO DE ATILA. JUNIOR DESCE PAGA O TAXISTA E ADENTRA A CASA… 

CORTAR PARA: 

CENA 4. MANSÃO. INTERIOR. DIA 

CAIO RECEBENDO JUNIOR JUNTO A BRUNO E SAFIRA

CAIO               Bem-vindo de volta, meu irmão! 

JUNIOR           Obrigado, obrigado, mano. Então, esse que é meu cunhadinho de que tanto falas?

CAIO               Ele mesmo. Bruno!

JUNIOR           Olá, cunhado! (ENCARANDO) Faça meu irmão feliz, viu, senão tu estás lixado comigo, pá. (RINDO) Brincadeira! Dá cá um abraço!

AMBOS SE ABRAÇAM…

BRUNO           Ufa! Assustaste-me agora, rapaz! Mas pode ficar sossegado, farei o seu irmão o cara mais feliz desse mundo!

CAIO               (SORRI) Fofo ele! 

JUNIOR           Eu desejo tudo que há de melhor pra vocês. E podem contar comigo, viu, pra o que precisarem…

SAFIRA           Olha aqui, Junior, eu proíbo-te de apoiar esses dois? 

CAIO               Que isso, Safira? 

SAFIRA           É isso mesmo que eu disse. Não quero que apoie esses dois, imorais… se ousares compactuar com essa promiscuidade desses dois, considere-se não mais meu filho!

JUNIOR           E quando que eu fui seu filho? Tu nunca foste uma mãe pra mim, aliás, pros três: eu. Caio e Lídia… Queria mesmo era só o dinheiro do papai, ligava mais pro dinheiro do que pros próprios filhos. Sempre foste ambiciosa. Nunca nos deu o que uma mãe sempre dá aos filhos, amor! Sempre individualista, nunca teve sequer um pouco de empatia pelos outros, só se lembrava de si mesma, de suas roupas, cabelo, maquiagens… Não venha querer dá uma de mãe nessa atura do campeonato, dona Safira. Eu vos apoio, sim, porque eu sou a favor do amor. Amor, o amor é isso o que esses dois vivem, o resto: é conversa! Tu sabes o que é o amor? Não sabe, porque nunca amou ou se permitiu amar… desculpa, mas hipocrisia comigo não rola, mamãe! 

BRUNO           Arrasou! 

SAFIRA           Ótimo. Evite falar o mínimo possível comigo aqui dentro!

JUNIOR           Farei isto com gosto, não se preocupe. Bom. Eu… Preciso ir à casa de banho. Com licença.

CAIO               Fique à vontade. Afinal, a casa também é sua. Seu quarto é o mesmo e eu já deixei tudo arrumado lá. 

JUNIOR           Obrigado. (SOBE PRO QUARTO) 

BRUNO           O almoço já será servido, viu…

CAIO               Agora, vamos. Bruno ajude-me a pôr a mesa e Safira te deixo na cozinha e você traz o suco…

SAFIRA           Jamais irei me prestar a isso: empregada doméstica! I’M sorry, mas eu não faço!

BRUNO           Ô tia, aqui todos, to-dos, vão trabalhar. Entendeu?

SAFIRA           Não me chama de tia, demônio. Tá. Vai.

CAIO SAI EMPURRANDO SAFIRA. BRUNO SEGUE ATRÁS. 

CORTAR PARA: 

CENA 5. MANSÃO. SALA DE JANTAR. INTERIOR. DIA. 

BRUNO JÁ PONDO A MESA. TEMPO.  

CENA 6. MANSÃO. COZINHA. INTERIOR. DIA. 

CAIO PONDO AS REFEIÇÕES EM TRAVESSAS. E LEVA-AS PRA SALA DE JANTAR. VOLTA E BUSCA SAFIRA QUE LEVA A JARRA DE SUCO. CORTAR PARAR: 

CENA 7. MANSÃO. SALA DE JANTAR. INTERIOR. DIA.

CAIO ENTRA TRAZENDO SAFIRA. DEIXA-A ALI PRÓXIMO A MESA. 

CAIO               Eu vou lá chamar o Junior! 

BRUNO           Eu vou consigo, pois eu vou ao banheiro.

OS DOIS SAEM E DEIXAM SAFIRA ALI, NA SALA DE JANTAR, SOZINHA. APROVEITANDO O ENSEJO, ELA RETIRA UM FRASCO DE DENTRE SEUS SEIOS, TRATA-SE DE ARSÊNICO. ELA DESPEJA O SUCO NAS TAÇAS. UMA ELA BATIZA COM O VENENO, QUE É JUSTAMENTE PARA CAIO. ALGUNS MINUTOS, OS TRÊS VOLTAM PARA A SALA DE JANTAR, SENTAM À MESA.

JUNIOR           Hum! Cheirinho está bom!

CAIO               Não é lá uma comida fina e elegante, como você deva estar acostumado a comer lá em Lisboa, mas eu fiz o que eu aprendi… o básico.

SAFIRA           Só que me faltava! Eu, eu, uma dama, comendo arroz e estrogonofe. Esse pão duro devia contratar uma cozinheira profissional. Mas nem isso ele faz, esse traste! Mão de vaca! 

BRUNO           Vem cá, tia, por que tu mesmo não fazes teus pratos? Hum? Estás aleijada das pernas, não dos braços! Deixa de reclamar! Tanta gente aí morrendo de fome e tu aqui a reclamar por ter o que comer! 

CAIO               A deixa, amor. Ou come ou passa fome!

JUNIOR           Eu sei que eu vou comer. (SE SERVINDO E ABOCANHANDO SUA COMIDA) Isso aqui está divino, mano! Está bem arranjado, Bruno!

BRUNO           Com certeza! 

CAIO               Gente, os sucos.

SAFIRA           Já servi, podem pegar…

TODOS PEGAM SUAS TAÇAS… SAFIRA OBSERVA CAIO E O SEU SUCO… CAIO NOTA SEUS OLHARES E JÁ INDAGA:

CAIO               O que tu tanto me olhas, Safira? – a encara.

SAFIRA           Nada!

E PEGA SUA TAÇA E DAR UM GOLÃO. 

CAIO               Uhm.

TODOS TOMAM SEUS SUCOS…

SAFIRA SE SENTE ESTRANHA… UMA ENORME FALTA DE AR E UM FORMIGAMENTO EM SEU CORPO, SEGUIDO DE UMA SUADEIRA…

CAIO               Safira, o que você tem? 

SAFIRA PERCEBE QUE SE EQUIVOCOU COM AS TAÇAS. 

SAFIRA           Droga… 

SAFIRA TEM UMA FORTE CONFUSÃO, CAI DA CADEIRA, SE DEBATE NO CHÃO… TODOS SE DESESPERAM AO VEREM SEU ESTADO… O FRASCO CAI DE ENTRE SEUS SEIOS… ELE TEM VÁRIAS PARADAS CARDÍACAS E MORRE ALI MESMO.

JUNIOR           Ela está morta! 

BRUNO           Isso é arsênico! 

CAIO               Isso era pra mim! Era por isso que ela ficava me olhando e em seguida olhando pra minha taça… Que louca! 

BRUNO           Ela deve ter se enganado com as taças. Tá tudo bem, meu amor, acabou! 

JUNIOR           Vou ligar pra emergência! 

CORTAR DESCONTÍNUO:

CENA 8. MANSÃO. INTERIOR. DIA. 

MOMENTO FÚNEBRE. MUITAS PESSOAS ALI PRESENTES: AMIGOS, FAMILIARES E ALGUNS CONHECIDOS. ALGUNS PRESTAM SUAS CONDOLÊNCIAS A CAIO E BRUNO. CÂM SEGUE PARA CHEGADA DE SAMUEL E PEDRO, QUE SE APROXIMAM DE CAIO. 

SAMUEL         Irmão… (ABRAÇA-O) sinto muito!

CAIO               Obrigado!

PEDRO           Força aí, cara. Meus pêsames! 

CORTAR DESCONTÍNUO: 

CENA 9. CEMITÉRIO. EXTERIOR. DIA.

SAFIRA SENDO TRAZIDA EM UM CORTEJO ATÉ SEU TÚMULO. TODOS PARAM PRÓXIMO AO TÚMULO. UM PADRE INICIA UMA REZA E TODOS PRESENTES O ACOMPANHAM. LOGO APÓS AS ORAÇÕES, O CORPO DE SAFIA É ENTÃO SEPULTADO. TODOS VÃO DISPERSANDO DO LOCAL. CÂM VAI DE ENCONTRO À LÁPIDE DE SAFIRA. CORTAR PARA: 

CENA 10. GERAIS. EXTERIOR. DIA. NOITE. 

LETREIRO: DIAS DEPOIS… 

CENA 11. APTO HUGO. INTERIOR. DIA. 

ABRE EM HUGO FURIOSO QUEBRANDO ALGUNS OBJETOS DA SALA AO DESCOBRIR QUE SAMUEL E PEDRO VÃO CASAR. 

HUGO             Esse casamento não vai acontecer… não vai! Ah, Pedro, seu desgraçado… eu vou te matar! 

NO ÓDIO DELE, 

CORTAR PARA: 

CENA 12. CEMITÉRIO. EXTERIOR. DIA. 

CÉSAR CAMINHANDO DENTRE ALGUNS TÚMULOS. PARA EM FRENTE AO TÚMULO DE LÍDIA. AGACHA-SE PRÓXIMO A LÁPIDE. VÊ A FOTO DELA. ALISA O ROSTO NA FOTO. EMOCIONA-SE. CORTAR PARA: NUM OUTRO PONTO DO CEMITÉRIO ESCONDIDO, LOBÃO O OBSERVANDO. 

CÉSAR            Tu fazes muita falta vadia! (RIR AO LEMBRAR-SE DO QUANTO ELA ODIAVA QUANDO A CHAMAVA ASSIM) Queria que estivesse aqui, pra conversarmos… tanta coisa pra te dizer… eu… eu e Lobão a gente… transou! Tinhas razão quando dizias que eu sentia algo por ele, pois é. Eu sentia, melhor, sinto… com o tempo eu fui me apaixonando, sabe, aprendendo a gostar dele… (RISO) Também quem não se apaixonaria por um homão daqueles? Diz-me! É pode estar confuso o que eu estou a dizer, mas, sei lá, talvez eu seja bissexual. Foi bom o que eu e você vivemos: nosso namoro, nossa parceria… só que tudo isso é passado, melhor, uma saudade boa, que irei guardar em uma gaveta das boas lembranças que juntos vivemos! Agora, é um novo ciclo que começa. E depois daquela transa com o Lobão, decidi que não vou mais continuar com o nosso plano. Acabou. Tenho que me permitir ser feliz. É. E é isso que eu vou fazer: entrar de cabeça nesta relação com ele. Precisava dizer-te isso, pois sei que de algum modo estás a me ouvir e espero que entendas. (LEVANTA) Adeus! (SAI) 

CORTAR PARA: 

CENA 13. BARZINHO. ÁREA EXTERNA. DIA. 

LOBÃO COM GABRIEL NO COLO À ESPERA DE ALGUÉM. SAMUEL SE APROXIMA. 

SAMEL            E esse bebê, lobo? Esse era o alguém você disse na ligação? 

LOBÃO            Calma, tá. Vamos por partes: tu disseste alguém que viria ao meu encontro? Ninguém pode saber! 

SAMUEL         Não. Fica tranqüilo! Agora me explica: essa criança?

LOBÃO            É meu filho! Gabriel. 

SAMUEL         Lindo nome, como o anjo Gabriel. Ele é lindo! 

LOBÃO            Como disse vamos por partes: O César, lembra dele, né? Meu braço direito…

SAMUEL         Sim.

LOBÃO            Descobri que o desgraçado me traiu. Roubou dinheiro meu e ainda por cima, junto a Lídia, queria tomar meu lugar no morro… queria tudo o que é meu por direito. Ele e Lídia eram cúmplices nessa tramoia. Viviam juntos, namoravam, sei lá. Ele que a resgatou na cadeia naquela noite. Esse garoto aqui, não é meu filho de sangue, ele fora deixado na porta do César e eu e ele decidimos criá-lo.

SAMUEL         Que canalha! Sempre desconfie que esse cara não prestasse. E agora que você vai fazer? Esperai. Tu e ele…?

LOBÃO            Sim. A gente já ficou duas vezes. E o pior: eu amo aquele filho da puta! Só que quando eu descobri sua tramoia, foi como se tivessem enfiado uma lança no peito, sabe, uma apunhalada pelas costas. Eu sempre confiei nele. E o que eu ganhei: traição. Sempre se mostrou leal a mim… Como fui burro! ele é um traidor da pior espécie. Mas ele vai pagar isso eu garanto-te, irmão. Sabe aquele tiro que tomaste quando esteve no morro durante a invasão dos policias? 

SAMUEL         Claro. Lembro, lembro sim… Foi ele? Ele quem atirou em mim?

LOBÃO            Sim. Ele que atirou… O pior é que ele pôs a culpa num outro cara e eu acabei o eliminando, ele colocou a arma na minha mão, friamente, sabe, sem escrúpulos, sem nenhum pingo de remorso. Só de lembrar me dar asco.

SAMUEL         Eu estou sem palavras. Desculpa. 

LOBÃO            Eu sei e de deixar qualquer um sem palavras… E tem mais.

SAMUEL         O que vier desse cara já não me surpreenderá mais. Fala. O que mais esse monstro aprontou?

LOBÃO            Ele é o pai da Petra! Pois é. O desgraçado teve um lance com a Alicia, bêbado, mas teve. Ela engravidou e decidiu que o pai seria o Pedro.

SAMUEL         Meu Deus! Isso tudo parece até roteiro de novela. Eu estou pasmo com essa descoberta! Esse cara é um filho da puta. Como que pôde ter feito tudo isso? Desgraçado!

LOBÃO            Fez. Agora, vamos pra parte do Gabriel aqui: Eu quero te fazer um pedido. 

SAMUEL         Diga.

LOBÃO            Eu quero que fique com ele… crie ele como se fosse seu filho… Não pense que está a ser fácil fazer isso, pois não está. (CHORA) É com muita dor e tristeza que estou a te pedir isso, irmão

SAMUEL         Tudo bem eu cuido do seu filho! Você pode entregar-me.

BASTANTE EMOCIONADO LOBÃO ENTREGA “BIEL” NOS BRAÇOS DO IRMÃO.

SAMUEL         Vem aqui com o tio, vem… 

LOBÃO            Faça dele uma boa pessoa. Essa é a vida que ele merece ter. E muito obrigado, irmão, por ter atendido esse meu pedido. Espero que todos sejam felizes. Eu amo vocês mais que tudo. Vocês são minha única família. Adeus! 

SAMUEL         Que isso. Lobo. Isso não é despedida. Você vai vir vê-lo sempre, não vai? Para, não chora! 

LOBÃO NADA DIZ, SÓ CHORA, ABRAÇA O IRMÃO FORTE, COMO SE FOSSE O ÚLTIMO ENCONTRO DOS DOIS…

LOBÃO            Adeus, meu filho, papai te ama, moleque. 

TOCA NA MÃOZINHA DE GABRIEL E A SOLTA LENTAMENTE À MEDIDA QUE SE AFASTA DELE… JÁ FALANDO:

LOBÃO            Te amo… Eu te amo… 

ELE SE VIRA E SEGUE CAMINHANDO. VAI EMBORA, TRISTE E COM MUITA DÓ DE TER DEIXADO O FILHO PARA TRÁS. GABRIEL O OBSERVA SE AFASTAR. CHAMA-O. A VOZINHA DELE ECOA 

GABRIEL         Papai! 

SAMUEL         Que Deus guie seus passos, meu irmão! 

CORTAR PARA: 

CENA 13. GERAIS. EXTERIOR. DIA. NOITE. 

LETREIRO: ALGUM TEMPO DEPOIS… 

CENA 14. DELEGACIA. ESTACIONAMENTO. EXT. DIA. 

ABRE EM PEDRO REPASSANDO AS ÚLTIMAS INSTRUÕES AOS COLEGAS PMS E AOS AGENTES DO BOPE FORA DE AUDIO. E LOGO EM SEGUIDA PARTEM PARA OPERAÇÃO DE TOMADA DO MORRO MANGUEZAL. 

CORTAR PARA: 

CENA 15. APTO HUGO. INTERIOR. DIA. 

HUGO PEGA UM PACOTINHO DE DROGA, DESPEJA O PÓ SOBRE A MESA, SEPARA UMA PARTE COM UM CARTÃO, PEGA UM CANUDO E INALA A SUBSTANCIA. EM SEGUIDA PEGA SUA MOCHILA, PÕE UM CAPUZ DENTRO DELA, UMA ROUPA PRETA, LUVAS E CHAPÉU. PEGA SEU REVÓLVER DE CIMA DE UMA MESA E PÕE NAS CALÇAS ATRÁS. COM AS CHAVES DO CARRO E CARTEIRA EM MÃOS ELE SAI DE SEU APARTAMENTO. ADENTRA O ELEVADOR E SEGUE AO ESTACIONAMENTO. SAI. DESTRAVA SEU CARRO, ABRE A PORTA DO BANCO TRASEIRO E JOGA SUA MOCHILA. EM SEGUIDA ADENTRA O VEÍCULO, O LIGA E SEGUE VIAGEM. CORTAR PARA: 

CENA 16. MANSÃO. INTERIOR. DIA. 

BRUNO NO SOFÁ VENDO TV. CAIO VEM DESCENDO AS ESCADAS. 

BRUNO           Vais sair? 

CAIO               Vou à faculdade. Preciso destranca-la. Quero voltar logo e concluir meu curso.

JUNIOR VEM DA COZINHA TRAZENDO UM LANCHE. 

JUNIOR           É isso mesmo, mano. Estudo é importante. Quer um pedaço? 

CAIO               Obrigado. Junior.

JUNIOR PASSA AO SEU LADO E SE SENTA NO SOFÁ.

BRUNO           Queres que eu vá consigo? 

CAIO               Não precisas! Fique aí a ver seu filme…

JUNIOR           É série. 

CAIO               Ok. Sua série. Bem. Deixe-me ir. Logo estou de volta. Tchau. 

BEIJA BRUNO E SAI PRA RUA. 

JUNIOR           Vem cunhado, senta-te aí. 

BRUNO SE JUNTA A JUNIOR NO SOFÁ. 

CORTAR RÁPIDO: 

CENA 17. MANSÃO. FRENTE. EXTERIOR. DIA. 

CAIO ENTRANDO NO TÁXI. CORTA PRO INTERIOR DO VEÍCULO:

TAXISTA         Pra onde vamos senhor?

CAIO               Siga para o morro do Manguezal. 

TAXISTA         Sim, senhor! 

E PARTEM. 

CORTAR PARA: 

CENA 18. APART PEDRO. INTERIOR. DIA. 

CAMPAINHA TOCANDO. SAMUEL VEM DE DENTRO. ATENDE. 

SAMUEL         Que bom que vieste. Bom, você já sabe o que tem de fazer, né?

LUDI                Sim. Pode ir tranqüilo pro seu compromisso.

SAMUEL         Obrigado. Depois nos acertamos. Beijo. Cuida bem dos meus meninos. Tchau. 

E SAI CORRENDO. 

CORTAR PARA: 

CENA 19. MANGUEZAL. EXTERIOR. DIA. 

VISTA DO ALTO DO MORRO 

CORTAR PARA: 

CENA 20. MANGUEZAL. BECOS. EXTERIOR. DIA. 

EM CLOSES ALTERNADOS, HUGO E CAIO CHEGANDO POR ALI. VÃO SUBINDO O MORRO. CORTAR RÁPIDO: 

CENA 21. MANGUEZAL. ENTRADA. EXTERIOR. DIA. 

VIATURAS DA PM E DO BOPE ADENTRANDO O MORRO. OS VEÍCULOS PARAM. OS AGENTES DESCEM. SEPARAM-SE EM GRUPOS E VÃO SEGUINDO POR LADOS OPOSTOS. OS CAPANGAS DE LOBÃO JÁ OS RECEBEM A TUROS. OS AGENTES REVIDAM. TROCA DE TIROS PRA TODOS OS LADOS. 

CORTAR PARA: NOS BECOS; EM CLOSES ALTERNADOS, AS REAÇÕES DE CAIO E HUGO AO OUVIREM OS DISPAROS DE TIROS. SE ESCONDEM COMO PODEM PARA NÃO SEREM ATINGIDOS. CLIMA DE TENSÃO. 

CORTAR PARA: 

CENA 22. BARRACO DE LOBÃO. INTERIOR. DIA. 

SAMUEL ADENTRANDO BASTANTE CANSADO E OFEGANTE, POIS VIRA CORRENDO APÓS ESCUTAR OS TIROS. 

LOBÃO            O que fazes aqui? – ao vê-lo.

SAMUEL         Eu precisava falar consigo!

LOBÃO            Agora não! Fica aqui, não sai pra nada, por favor. 

SAMUEL FAZ QUE SIM COM A CABEÇA. LOBÃO SAI. 

CORTAR RÁPIDO: 

CENA 23. MANGUEZAL. BECO. EXTERIOR. DIA. 

LOBÃO SAINDO DO BARRACO. SACA SUA ARMA E ATIRA CONTRA OS POLICIAIS. AVISTA CÉSAR NO ALTO DA LAJE. SEGUE CORRENDO ATÉ LÁ. SONS DE TIROS AO FUNDO. 

CORTAR PARA: 

CENA 24. MANGUEZAL. BECOS. EXTERIOR. DIA. 

TIRO COMENDO PRA TODOS OS LADOS. UM DOS TRAFICANTES É ATINGIDO E ACABA POR CAIR DO ALTO DE UMA JANELA… ALGUNS PMS TAMBÉM SÃO ATINGIDOS, PORÉM DE RASPÃO. UM TIRO DE FUZIL ACERTA UMA CAIXA D’ÁGUA QUE ESTOURA. PESSOAS SE ESCONDEM, BAIXADAS DENTRO DE SUAS CASAS… HUGO ESCONDIDO EM UM “ALPENDE” DE UMA CASA. ELE AVISTA PEDRO COM UM GRUPO DE POLICIAIS, ELE LOGO SE APRESSA: PEGA SEU CAPUZ, LUVAS, OS PÕE. SACA SUA ARMA E APONTA EM DIREÇÃO A PEDRO, QUE PERFEITAMENTE FICA EM SUA MIRA. PEDRO ESTÁ DE COSTAS. UM PM NOTA QUE PEDRO ESTÁ NA MIRA DE UM REVÓLVER E ATIRA CONTRA HUGO, QUE REVIDA E SAI CORRENDO DALI.

PEDRO           Vamos, vamos, temos que pegar os principais bandidos: Lobo e Cesar.

E SEGUEM AVANÇANDO MORRO ACIMA. 

CORTAR PARA: 

CENA 25. MANGUEZAL. EXTERIOR. DIA. 

NUM OUTRO PONTO DO MORRO, ALAN E CARLOS TROCANDO TIROS COM CAPANGAS DE LOBÃO. OS DOIS CAPANGAS SÃO ALMEJADOS. ERIC APROVEITA O MOMENTO PRA ACERTAR CONTAS COM ALAN. SACA SUA ARMA E APONTA NA DIREÇÃO DELE. ALAN REAGE ASSUSTADO. 

ALAN               Cara, baixa isso! 

CARLOS         Está com medo, desgraçado?! É bom que esteja mesmo, porque agora tu vais pagar pela morte do meu irmão!

ALAN               Eu não o matei! Para com isso. Ele se jogou na minha frente, foi um ato impensado de sua parte… Baixa essa arma, por favor. Eu não tenho culpa. Ouve-me. Eu não o matei, cara!

CARLOS         Cala a boca! 

CARLOS COM O DEDO JÁ NO GATILHO PRESTES A ATIRAR, PORÉM É INTERCEPTADO COM UMA FLECHADA, QUE PERFURA SUA MÃO O FAZENDO SOLTAR A ARMA, QUE FICA ALI CAÍDA NO CHÃO. CARLOS AGONIZA DE DOR. ALAN OLHA TUDO EM VOLTA E NÃO CONSEGUE ENCONTRAR A DIREÇÃO DE ONDE POSSA TER VINDO A FLECHA. APROXIMA-SE PARA AJUDAR CARLOS QUE ESTÁ ESCORADO A UMA PAREDE. SUA MÃO SANGRA MUITO. NO ÍMPETO, CARLOS ARRANCA A FLECHA DE SUA MÃO. GRITA.

CARLOS         Ahhhh…

ALAN               Calma vai ficar tudo bem. Vem. Deixa-me ajudar-te!

CARLOS         Você é doido mesmo depois deu ter tentado de matar, tu ainda vais me ajudar?

ALAN               Eu nunca deixaria um colega sem ajuda. Vem. Apoia-se em meu ombro. Antes. (RASGA UM PEDAÇO DE SEU UNIFORME E AMARA NA MÃO DE CARLOS PARA ESTANCAR SEU SANGUE) Isso vai ajudar a estancara. Vamos. 

O LEVA DALI APOIADO EM SEU OMBRO. 

CORTAR PARA: 

CENA 26. MANGUEZAL. LAJE. EXTERIOR. DIA. 

CÉSAR ALI BAIXADO TROCANDO TIROS COM OS POLICIAIS. LOBÃO VEM SE APROXIMANDO POR TRÁS. CÉSAR PERCEBE ALGUÉM SE APROXIMANDO. VIRA-SE RAPIDAMENTE APONTANDO A ARMA EM DIREÇÃO A LOBÃO. 

LOBÃO            Atira! Não era esse seu objetivo. Traidor? - o encarando.

CÉSAR            Que susto, cara. Achei que fosse algum polícia. (BAIXA A ARMA) Traidor? Por que me chamaste assim? 

LOBÃO            Chega! Chega, cara. Eu já sei de tudo! Tudo. Que roubaste meu dinheiro, que estava de conluio com a peste da Lídia. Era esse o objetivo, não era? Ter o morro só pra vocês? Vagabundos!

CÉSAR            Cara, eu vou explicar-te tudo! Ok. Era isso, sim, mas eu desisti... Desisti porque o que eu sinto por ti, é mais forte que minha ambição. Eu te invejei, confesso. Eu queria ter a tua vida, ser dono disso tudo aqui, mandar e desmandar... Mas... A gente foi ficando, rolou o primeiro beijo, depois veio aquela transa... Quando vi já estava perdidamente apaixonado.

LOBÃO            Quem ama não faz o que fizeste comigo, seu verme! Eu confiei em ti, mas na primeira oportunidade passaste-me a perna. Infeliz! Eu sempre te falei que nunca eu perdoaria uma traição. Traidor pra mim merece morrer! Além de tudo teve um caso com a Alicia e a engravidou-a. filho da puta! (SACA A ARMA) Vai morrer pra aprender a nunca ter me traído. Vacilão. 

CÉSAR            Baixa isso! Tu não terias coragem! Eu tudo aquilo que me disseste, hum? Que me amava... Era tudo da boca pra fora? É isso? O que a gente viveu não foi nada, significou nada pra ti?

LOBÃO            Eu te amei, não vou negar, amei muito, mas tu não fizeste jus a este amor, César. Eu amei por dois. Tu não! Só me usou, aproveitou-se de mim. Invejou-me. Isso não é amar, porra! 

CÉSAR            Mas eu te amo... A minha maneira, mas eu amo. Eu me arrependi, por favor, perdoa-me. Só agora, consegui enxergar-te, enxergar essa paixão que eu sinto por ti...

LOBÃO            Tarde demais. Não tem desculpas pra o que tu fizeste. Não tem perdão. Não tem... Sabe qual é meu dilema, não sabe? "Traidores morrerão" Adeus, César. Foi bom, mas a traição eu não perdoo!

CÉSAR            Cara eu...

LOBÃO ATIRA DUAS VEZES CONTRA O PEITO DE CÉSAR... QUE CAMBALEIA PARA TRÁS, PORÉM NÃO CAI... ELE TOSSE E SANGUE É JORRADO DE SUA BOCA... TOCA EM SEU PEITO, VISUALIZA SANGUE EM SUAS MÃOS... LÁGRIMAS ESCORREM EM SEU ROSTO, TRISTES... LENTAMENTE VAI CAINDO NO CHÃO... SEM TIRAR OS OLHOS DE LOBÃO. DIZ SUAS ÚLTIMAS PALAVRAS:

CÉSAR            Eu te amo...! 

E CAI DEBRUÇADO NO CHÃO, MORTO. 

LOBÃO SOLTA SUA ARMA QUE CAI NO CHÃO... ELE CHORA, CAI DE JOELHOS NO CHÃO... GRITA:

LOBÃO            AHHHHH... 

ARRASTA-SE ATÉ CÉSAR, SOCA O PEITO DELE, COM RAIVA... JÁ INDAGANDO:

LOBÃO            Não devias ter feito isso! Por quê? Por quê?

FECHAS OS OLHOS DE CÉSAR QUE ESTAVAM ABERTOS... LOBÃO OUVE PASSADAS. VIRA-SE RAPIDAMENTE JÁ FALANDO: 

LOBÃO            Você? 

É ATINGIDO, UMA, DUAS, TRÊS, QUATRO VEZES NO PEITO. LOBÃO CAI SOBRE CÉSAR DESACORDADO. A TAL PESSOA SAI DALI CAMINHANDO EM PASSOS RÁPIDOS E CONTÍNUOS.

CORTAR PARA: 

FINAL DE CAPÍTULO

Atenção: A Widcyber tem a autorização do autor para publicar este conteúdo.

cropped-wid-1.png

NAVEGAR

>
error: Este conteúdo é protegido! A cópia deste conteúdo não é autorizada em virtude da preservação de direitos autorais.
Rolar para o topo