Destiinos Cruzados
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

NAVEGAR

DESTINOS CRUZADOS 

CAPÍTULO 49 

PENÚLTIMO CAPÍTULO  

NOVELA DE 

UELITON ABREU 

DIREÇÃO DE NÚCLEO 

ANDERSON SILVA 

CENA 1/ DELEGACIA/ SALETA/ INTERIOR/ NOITE 

CONTINUAÇÃO IMEDIATA DA ÚLTIMA CENA DO CAPÍTULO ANTERIOR. 

Eric. – Ok. Ok. Eu falo. Cara, eu falo! 

ALAN O FUZILA COM OS OLHOS, COMO SE DISSESSE: “NÃO FAÇAS ISSO…” UMA FORMA DE REPREENSÃO.

Pedro. – Fala! – impaciente.

ERIC OLHA ALEATORIAMENTE PARA: MARIO, LEONARDO, ALAN – QUE DÁ ALGUNS PASSOS PRA ATRÁS SORRATEIRAMENTE. – SACA SUA ARMA SEM QUE NINGUÉM PERCEBA: ARQUEI-A CONTRA ERIC…

Eric. – Foi…

O TIRO É DISPARO CONTRA O PEITO DE ERIC, QUE URGE DE DOR. TODOS SE ASSUSTAM. TODOS OS OLHARES SE VOLTAM A ALAN, QUE CONTINUA COM SUA ARMA EM PUNHO. PEDRO LOGO O INDAGA. SURPRESO:

Pedro. – Irmão. Solta essa arma! – calmamente se aproximando.

Leonardo. – Ei. Por que fizeste isso? – o olhando.

Alan. – Esse verme mereceu… Por… Por tudo que nos causou…

Pedro. – Sou eu, seu parceiro. Tá bom? – já bem próximo. – Me dá essa arma. Por favor?

Eric. – Alguém chama um médico! Eu estou morrendo… – exige.

Mario. – Fica calmo. Já estão a caminho. Eu acionei uma ambulância.

Pedro. – Alan. Cara, por favor, me dá essa arma. Eu… Eu te entendo… Sei da sua revolta, mas não podemos fazer justiça com as próprias mãos. Eu também tenho ódio desse cara, mas nem assim, eu atentei contra ele. Nós não somos justiceiros. Somos defensores das leis. Protegemos os cidadãos desta cidade. Dá-me esse revolver. Vai. Hum?

Alan. – Tudo bem. Aqui! – entrega a arma a Pedro. – Desculpa. Eu… Eu me descontrolei. Perdão!

Pedro. – Isso aí, cara. De boa. Relaxa! – assente com a cabeça.

LEONARDO SE APROXIMA E O ABRAÇA FORTE.

ENFERMEIROS E PARAMÉDICOS ADENTRAM A SALA E ERIC É LEVADO ÀS PRESSAS PARA O HOSPITAL. ONDE É SUBMETIDO A UMA CIRURGIA DE URGÊNCIA PARA RETIRADA DA BALA. TUDO OCORRE BEM E APÓS A RECUPERAÇÃO, ELE É LEVADO PARA UM QUARTO DO HOSPITAL, ONDE PERMANECE EM OBSERVAÇÃO E VIGIADO POR UM AGENTE POLICIAL QUE FICA DE PRONTIDÃO NA PORTA A MANDO DE PEDRO.

CENA 2/ HOSPITAL/ INTERIOR/ NOITE 

PEDRO E MARIO TOMAM CAFÉ NA LANCHONETE DO HOSPITAL E FALAM DA ATITUDE DE ALAN AO TER ATIRADO CONTRA ERIC.

Mario. – O que foi aquilo naquela sala, hein, mano? Que loucura!

Pedro. – Nem fala. O Alan não está bem, tudo isso está mexendo demais com seu psicológico. Não entendo essa atitude dele, sabe, ele nunca foi disso agir assim, de supetão…

Mario. – Não sei, pode até ser paranoia da minha cabeça, mas você não acha estranho? – intrigado e com ideias permeando em sua mente.

Pedro. – O quê? – o observa atento.

Mario. – O Alan ter atirado no exato momento em que o meliante ia entregar o nome do mandante do assassinato da Alicia. Um tanto que… Suspeito? Não sei.

Pedro. – Estás querendo dizer, que… Não! Não é possível. – já com ideia em mente.

Mario. – É possível. Cara, nós temos que ver isso daí. É suspeito demais. Porra! Aí tem, e nós temos que desvendar.

OS DOIS FICAM ALI, PENSANDO, RACIOCINANDO E INTRIGADOS COM SUAS SUSPEITAS.

CENA 3/ MANSÃO/ QUARTO/ INTERIOR/ NOITE

BRUNO ACABA POR TER UMA IDEIA E RESOLVE COMUNICAR A CAIO, QUE SE ENCONTRA JÁ DEITADO EM SUA CAMA, LENDO UM LIVRO. BRUNO VAI ATÉ ELE, BEIJA SEU ROSTO JÁ FALANDO.

Bruno. – Amor? – beija seu rosto.

Caio. – Oi! – deixa seu livro de lado e o dá atenção. – O que você quer? – tocando em seu rosto e o observando.

Bruno. – Eu estava pensando ali, comigo mesmo, e tive uma ideia maravilhosa. – deitando ao seu lado na enorme cama.

Caio. – Ah, é? Conta-me essa ideia. Fiquei curioso agora. – sorrir.

Bruno. – Que tal fazermos uma viagem? – propõe.

Caio. – Uma boa ideia, gato. Mas você se esqueceu que eu não posso sair da região? Eu ainda estou sob investigação da policia e respondendo processo judicial livremente. Não posso sequer cogitar a possibilidade em deixar esta cidade.

Bruno. – Ih! É mesmo. Nem tinha visto por esse lado…

Caio. – Pois é. Uma pena. Mas, logo, logo, eu respondo por meus crimes e juntos sairemos por esses país a fora! Topa?

Bruno. – Muito! Eu te amo.

Caio. – Não mais que eu! – o beija.

OS DOIS NAMORAM UM POUCO DEITADOS NA CAMA. ENQUANTO ISSO, JUNIOR, DEITADO NO SOFÁ, PENSA EM NATHÁLIA. VÊ AS FOTOS DELA EM SEU TELEMÓVEL. SENTE SAUDADES DE SUA AMADA. LAGRIMAS ESCORREM EM SEU ROSTO E PRA SI MESMO SE PERGUNTA:

Junior. – Cadê você? Cadê você? – alisa seu rosto no ecrã do telemovel.

CENA 4. HOSPITAL. INTERIOR. NOITE – MADRUGADA 

HÁ EXATOS UMA HORA DA MADRUGADA. O ELEVADOR DO HOSPITAL SE ABRE. ALAN SAI DE DENTRO, SÉRIO. CENTRADO, UM OLHAR INDECIFRÁVEL. SAI DO ELEVADOR CAMINHA PELO LOCAL. ENCONTRA O QUARTO DE ERIC AO AVISTAR O POLICIAL DE TOCAIA NA PORTA. APROXIMA-SE.

Alan. – Olá. Agente. Vejo que está cansado. Vá à lanchonete, tome um café, eu fico aqui. Irei falar com o criminoso.

Agente. – Vou mesmo. Valeu. Já eu estou de volta. – segue caminhando.

ALAN O OBSERVA ATÉ ELE DESAPARECER DE SUA VISTA. TOCA A MAÇANETA DA PORTA E A ABRE, DE VAGAR, OCASIONANDO PEQUENOS RANGIDOS NA MESMA. ELE ADENTRA. ERIC O VÊ E SE APAVORA COM SUA PRESENÇA ALI, POIS SABE O REAL MOTIVO DE SUA VINDA.

Eric. – Vai embora! – tosse. – Sai! – com voz rouca.

Alan. – Shh! – com seu dedo indicado em sua boca em sinal de silencio. – Eu vou, mas antes tenho que me livrar de si. Traíra! Ia me entregar de bandeja ali naquela sala. Sorte que eles não desconfiaram de nada, após eu ter atirado.

Eric. – Cara. Eu já estou fodido. Pra quê sustentar essa farsa? Hum? Diz-me! Chega! Todos têm que saberem da verdade!

Alan. – É? – o encara.

Eric. – Claro! – tosse.

Alan. – Uma pena que você tenha se esquecido do nosso pacto. – parado a sua frente.

Eric. – Maldito pacto. Não existe mais, eu o rompi. Agora, vai. Deixa-me em paz. Sai. Eu vou gritar. – se altera.

Alan. – OK. Rompeu. Mas, também, espero que esteja a par das consequências deste rompimento. Porque eu garanto-te, não são nada boas. Nada! Agora, chega de conversa. Vim aqui pro outro motivo. – tira de seu bolso duas luvas brancas. – vamos lá.

RAPIDAMENTE PÕE SUAS LUVAS, RETIRA UMA SERINGA DE SEU OUTRO BOLSO. APROXIMA-SE DE SEU LEITO. JÁ PREPARADO PRA INJETAR O MATERIAL NO SORO DE ERIC.

Eric. – O que é isso? – indaga desesperado.

Alan. – Arsênico. Shh! Relaxa. Não dói. – já injetando o material.

É NESSE INSTANTE QUE PEDRO ADENTRA A SALA RAPIDAMENTE E SE DEPARA COM A CENA. FICA SURPRESO E ATÔNITO COM O QUE PRESENCIA.

Pedro. – Alan. Para com isso, cara! – grita ao vê-lo.

ALAN, ASSUSTADO E SEM SAÍDA, SACA SUA ARMA APONTA PARA PEDRO, QUE NÃO REAGE, APENAS ARQUEIA SUAS MÃOS PRA CIMA. TENSÃO SE INSTALA NO LOCAL.

Alan. – Fica aí. Quietinho! – sério e com ódio.

Pedro. – Não faz isso. Por quê? – o olhando e tentando entender a atitude do amigo.

NUM ÍMPETO E NO DESESPERO ERIC DÁ COM A LÍNGUA NOS DENTES, JÁ GRITANDO:

Eric. – É ele, cara. Ele que assassinou tua mulher! – dispara.

Alan. – Cala a boca! – grita.

DISPARA TRÊS VEZES CONTRA ERIC QUE MORRE DE UMA VEZ.

Alan. – Desgraçado! – ofega. Arma cai de sua mão – Acabou… Fim da linha! – se volta a Pedro. – Fui eu, sim. Eu matei a Alicia! – assume seu crime.

PEDRO EM CHOQUE, SEM ACREDITAR, SE APROXIMA. PARA DE FRENTE A ALAN. OLHOS LACRIMEJADOS. TENTA RELUTAR, MAS SUAS LAGRIMAS ESCORREM EM SEU ROSTO. LÁGRIMAS DE DECEPÇÃO, POR TER SIDO ENGANADO E TRAÍDO PELO MELHOR AMIGO, O QUAL TINHA COMO UM IRMÃO.

Pedro. – Não posso acreditar. Você? Logo você? Meu amigo, irmão…

Alan. – Tive meus motivos. Vai. Prende-me!

Pedro. – Não! Não agora! Agora somos eu e você! Eu quero a verdade, toda ela. Eu mereço uma boa explicação pra isso! – sério já secando suas lagrimas.

Alan. – OK. Eu a matei. Aquele tiro. Lembra? Eu que disparei…

Flashback.

PEDRO SEGUE DIRIGINDO O CARRO. UM CARRO PRETO, QUE É CONDUZIDO POR CAIO, INTERCEPTA PEDRO, PARANDO EM SUA FRENTE. ASSUSTADA ALICIA SOLTA O CELULAR QUE CAI DE SUAS MÃOS. DO CARRO, SAEM QUATRO HOMENS ARMADOS ATÉ OS DENTES, COM ARMAS PESADAS. VEMOS FUZIS E METRALHADORAS. O CARRO DE PEDRO DÁ UMA FREADA BUSCA NA PISTA.

Alicia._ Meu Deus! O que é isso?
(Assustada.)

Pedro. Calma. É um assalto. Faz tudo o que eles pedirem. Mantenha a calma. Sei que é difícil nesse momento, mas… Tenta. Por favor.

Alicia._Tá. Tudo bem. Calma!
(Respira fundo.)

Alan._Desçam do carro com a porra das mãos pra cima! ( grita.)

Pedro._Vamos fazer o que eles querem. Confia em mim. Vem!

Pedro e Alicia calmamente descem do carro e param na frente do veículo, que se encontra com os faróis acesos.

Alan._Aí, vasculhem o carro, peguem tudo de valor. Bora, porra! (Ordena aos capangas.)

OS CAPANGAS VÃO ATÉ O CARRO DE PEDRO E O VASCULHAM. PEGAM O CELULAR DE ALICIA QUE HAVIA CAÍDO, UM NOTEBOOK, UMA CARTEIRA E UM RELÓGIO DE MARCA. UM DOS BANDIDOS SE APROXIMA DE PEDRO E ALICIA QUE ESTÃO PARADOS SEM DIZER NADA.

Eric._Passa o celular, playboy! (Serio, olhando para Pedro.) Bora porra! (Grita.)

PEDRO PEGA O CELULAR DE SEU BOLSO E O ENTREGA.

Eric._Bom garoto! E a moça, hum? Esse pingente? Deve valer uma grana, né. Quero. (Puxa do pescoço dela.)

Alan._Pegaram tudo?

Eric._Sim. Chefia. Tudo.

Alan._Hora de vazar, porra! Bora! Bora! Bora!

VIRAM-SE E VOLTAM PARA O CARRO. ALAN APONTA A ARMA PARA ALICIA E DISPARA DOIS TIROS QUE ACERTA EM SEU PEITO. ALICIA CAI DEBRUÇADA NO CAPÔ DO CARRO. PEDRO SE DESESPERA AO VER A AMADA BALEADA. PEDRO SEM PESTANEJAR, SACA UMA ARMA E ATIRA CONTRA O CARRO DOS BANDIDOS QUE SAI EM DISPARADA.

PEDRO CORRE ATÉ SUA AMADA E COM SUA BLUSA TENTA ESTANCAR SEU SANGUE.

PEDRO. _MEU AMOR, CALMA. EU TÔ AQUI. VAI DAR TUDO CERTO. (CHORANDO.)

PEGA SEU OUTRO CELULAR, QUE HAVIA ESCONDIDO NA CUECA, E DISCA O NÚMERO DO SAMU.

Pedro._Por favor. Minha esposa ela levou dois tiros. Venham. Por favor. Estou na rua… Eu já acionei a ambulância, eles estão vindo. (Olhando para Alicia, deitada no chão.)

Alicia._Não! Eu… (tosse.) Não vai dar tempo. Eu…

Pedro._Não se desgaste. Fique calma.

Alicia._Eu te amo! (Chorando.) Cuida da nossa Petra, faça dela uma boa moça. Nunca se esqueça de mim. Eu lhe amo e sempre irei lhe amar. Seja feliz. Encontre alguém que goste de você como eu. Estou indo, mas feliz. Adeus, meu amor…

ALICIA MORRE EM SEUS BRAÇOS. PEDRO QUE SE DESESPERA.

Pedro._Não, não, não… Acorda! Acorda! NÃOOOOO!
(Aos prantos.)

PEDRO LEVANTA-SE DO CHÃO, PEGA SUA ARMA E DÁ DISPAROS CONTRA O CÉU.

Pedro._Ahhhhh! (Atirando contra o alto.)

Fim de flashback.

Alan. – Eu que disparei aqueles dois tiros. Estávamos em quatro naquela noite: eu, como o chefão e mandante. Caio que guiava o nosso carro, esse energúmeno do Eric, que tomou seu celular e o pingente daquela vadia. E o Fábio. Que nós conseguimos prender.

Pedro. – Como pode? Tu foste ao velório, tudo, me apoiou… Eu não entendo. Que frieza toda é essa? – incrédulo com o que ouve.

Alan. – Tudo parte do plano. Tive que me manter firme, frio, sem pudor algum! A matei por “Ns” motivos. Vários. Vingança era um deles! – sério e observando.

Pedro. – Me fala. Que motivos são esses? – movido de curiosidade.

Alan. – Eu e ela já nos conhecíamos antes de vocês ficarem. Ela tinha um caso com meu pai. O que você não sabe, mas eu sou rico, muito rico. Meu pai foi dono de várias empresas multinacionais de veículos. Império esse que eu herdei. Aliás, eu e o Bruno, meu irmão. Alicia estava com meu pai apenas por interesse. Queria só o luxo que ele a proporcionava. Tempos depois ele veio a falecer. Um terrível acidente de helicóptero, porém proposital, um crime. Ela pagou para sabotarem a aeronave. Eu descobri tudo e fui ao seu encontro, fui confrontá-la e como se bastasse ela negou tudo, mas o cara que ela pagou confessou. Foi aí que ela sumiu… E anos depois. Quem ressurge como sua namorada? A baranga que destruiu minha família.

Pedro. – Cara, mas tu nunca deixaste isso transparecer. Esse ódio. Vocês meio que se davam bem. – se lembra.

Alan. – Obvio. né. Eu queria que tudo saísse como planeado. Felizmente ela não me reconheceu. O que calhou muito bem pra os meus planos. A partir daí, investiguei toda sua vida, foi aí que descobri sua ligação com o tráfico. Sua parceria com o Lobão. A confrontei e ela usou algo contra mim, o que despertou mais o meu ódio. Minha sede de vingança.

Pedro. – O que ela tinha contra você? – questiona curioso.

Alan. – Ela sabia que eu… Que eu era apaixonado por ti.

PEDRO DEMONSTRA SURPRESA.

Alan. – Era isso. E por tal motivo na época, eu resolvi me afastar de ti, porque aquele sentimento já estava me corroendo por dentro, sabe, tive que me ausentar.

Pedro. – Só que tu alegaste que estava a estudar em outro local. Então, tudo mentira? Meu Deus do céu. Isso tudo é muito louco!- passa a mão em sua cabeça.

Alan. – Tive que mentir. E foi bom também, porque foi nesse período que eu resolvi planear algo contra ela. O assalto que cominou em sua morte. Bem arquitetado. Eu conheci o Fabio e ele me ajudou muito, arranjou os outros dois rapazes. Bolamos um assalto fake só pra encobrir o assassinato. Só que antes de tudo, de toda a ação, eu lancei um pacto aos meus parceiros.

Pedro. – Pacto de morte! Eles morreriam negando.

Alan. – Exato. De modo algum que eles poderiam revelar minha identidade. Com exceção do Caio, esse de fato não sabia minha identificação. Já os outros dois esses, sim, sabiam: Eric e Fabio.

Pedro. – O Fabio, ele morreu na cela… Foi…

Alan. – Eu dei uma força. Fui até a cela e o entreguei uns negócios. Overdose. E o Eric com esses tiros. Pacto encerrado. Vingança feita.

Pedro. – Se sentes bem com tudo isso? Com uma morte nas costas. Era isto que eu teu pai queria? Como é que tu achas que ele se sente ao saber que o próprio filho, se tornara um assassino só por vingança? Onde quer que ele esteja, deve estar com vergonha. Eu digo isso, porque eu; em seu lócus estaria. Com nojo. Remorso. Aliás, a única coisa que eu sinto aqui, nesse momento, é pena. Pena por você ter destruído essa linda amizade que construímos ao longo do tempo, dessa irmandade, parceria de trabalho. Você jogou fora toda a nossa história. Mentiu. Matou. Enganou-me: por vingança! Por mais que eu queira, eu não consigo ter raiva de ti, não mesmo.

Alan. – Sinto muito. E eu já tinha ciência que isso pudesse vir a acontecer. E veio. Eu assumo meus atos. Eu errei e não! Eu não me sinto bem. É horrível. Mas, eu… Eu fui me deixando levar pelo ódio, pela raiva que eu sentia por ela. Quando vi, já estava com aquele revólver em punho. É isso. Eu me arrependo amargamente pelo que fiz.

Pedro. – Eu espero de verdade que isso que você disse seja sincero. E como prova de seu arrependimento, quero que se entregue e pague pelos seus erros.

Alan. – OK. Pode me algemar! – estende suas mãos.

Pedro. – É o certo. Você está preso! – o algema.

OUTROS PMS CHEGAM AO LOCAL E ALAN É LEVADO PRESO PRA DELEGACIA. PEDRO CHORA. NA DELEGACIA, LEONARDO COLHE O DEPOIMENTO DE ALAN QUE CONTA TUDO O QUE HAVIA DITO A PEDRO E EM SEGUIDA É LEVADO PRA UMA CELA, ONDE PERMANECERÁ ISOLADO ATÉ O DIA DE SEU JULGAMENTO FINAL. LEONARDO, CLARO, DESAPROVA A ATITUDE DO MESMO, PORÉM DECIDE APOIÁ-LO, COMO NAMORADO.

Dias depois…

NATHÁLIA FORÇA AS CORDAS QUE A PRENDEM NA CADEIRA E CONSEGUE SOLTAR SEUS BRAÇOS. DE IMEDIATO, ELA DESAMARRA AS DE SUAS PERNAS. LEVANTA-SE, PEGA A GARRAFA DE ÁGUA, VAI ATÉ A PORTA, ESTÁ EMPERRADA. ELA VÊ A JANELA CONSEGUE ARROMBÁ-LA. FOGE DALI. CAMINHA NUMA ESTRADA DE TERRA COM O SOL ESCALDANTE EM SEU ROSTO. BEBE A ÁGUA ALGUNS VEZES, EM PEQUENAS PAUSAS EM SUA CAMINHADA. MESMO FRACA E DEBILITADA, ELA CONTINUA A CAMINHAR.

HUGO CHEGA AO CATIVEIRO E NÃO A ENCONTRA, ELE FICA FURIOSO E DESTRÓI TUDO QUE ALI O VÊ. CHUTA A CADEIRA, DE MADEIRA, QUE SE QUEBRA E DERRUBA A PEQUENA MESA. SOCA A PAREDE. COM SEUS PUNHOS CERRADOS.

Hugo. – Vagabunda. Eu vou te achar. – esbraveja.

ELE SAI EM DISPARADA PEGA SEU CARRO E SAI EM BUSCA DELA. RODEIA TODO O LOCAL E NÃO A ENCONTRA EM LADO NENHUM. NATHÁLIA JÁ NA BOLEIA DE UM CAMINHÃO, DE CARONA RUMO AO CENTRO DA CIDADE. ALGUM TEMPO DEPOIS ELES CHEGAM A UM POSTO DE GASOLINA. NATHÁLIA SE DESCE.

Nathi. – Moço. Obrigada. Que deus o abençoe. – o abraça forte.

Caminheiro. – Que isso. Moça. Bom. Tenho que abastecer e seguir viagem. Boa sorte.

Nathi. – Igualmente. Obrigada.

O CAMINHONEIRO VAI EMBORA.

NATHALIA AVISTA UM ORELHÃO. TORCE PRA QUE ESTE FUNCIONE, POIS PRECISA SE COMUNICAR COM O IRMÃO E O FUTURO CUNHADO. ELA CAMINHA ATÉ O TELEFONE, QUE POR SORTE, ESTÁ A FUNCIONAR. DISCA O NUMERO DO APART. DE PEDRO. SAMUEL OUVE O TOCAR DO TELEFONE E ATENDE.

Samuel. – Ah. Meu Deus. Nathi. Amiga? Onde você está? Claro! Eu estou indo. Espera-me! Que maravilha! Já chego. Tá. Tchau. – encerra a ligação. – Pedro! Pedro! – grita pelo amado.

Pedro. – OI. Que euforia é essa? Gato! – ao vir de seu quarto.

Samuel. – Precisamos ir… A Nathi… Ela ligou. Ela está num posto. Aqui o endereço. – mostra o papel com o endereço dado por Nathália.

Pedro. – Vamos, eu sei onde fica…

Samuel. – Vamos. Que nervos.

OS DOIS SAEM DO APARTAMENTO. PEGAM O ELEVADOR E DESCEM ATÉ O ESTACIONAMENTO, ONDE ENTRAM NO CARRO E SEGUEM VIAGEM. CHEGAM AO ENDEREÇO DADO POR NATHÁLIA. PEDRO ESTACIONA O CARRO NUM ESTACIONAMENTO DO POSTO. AMBOS SE DESCEM DO CARRO E BUSCA POR ELA. NATHÁLIA ESTÁ SENTADA NUM BANCO DE COSTAS PRA ELES, APENAS COM A GARRA VAZIA DE ÁGUA EM MÃOS. SAMUEL A RECONHECE E ACLAMA POR SEU NOME.

Samuel. – Nathi?!

ELA OUVE SEU CHAMAR. VIRA-SE E AVISTA OS DOIS, SALTA O BANCO E CORRE ATÉ ELES. OS TRÊS SE ABRAÇAM FORTE. MATANDO A SAUDADE QUE ESTAVAM UNS DOS OUTROS.

Pedro. – Que bom te ver. Onde você estava? O que houve? – todo preocupado.

Nathi. – O louco do Hugo, foi ele quem me raptou. Prendeu-me numa casinha de barro, horrível, cheia de ratos, baratas. Argg! Foi horrível. Serio. Aquela cara é um monstro, psicopata.

Pedro. – Filho de uma puta! Eu juro que eu ou caçá-lo e ou pô-lo atrás das grades. Aquela infame. Marginal! Ele te machucou?

Nathi. – Ele me torturou, fisicamente e psicologicamente. Tapas. Deixava-me sem água, sem comida e ficava a todo instante dizendo que ia matar-te, irmão. Ele é um sociopata. Louco. Eu tive muito medo que ele pudesse atentar contra sua vida. – toca em seu rosto.

Pedro. – Miserável! – esbraveja sua raiva. – Ele me paga. Vai se arrepender amargamente por essa empáfia. – serio.

Samuel. – Que horror, amiga! Meu Deus. Sinto muito.

Nathi. – Será que agora tu consegues enxergar quem de fato é teu amiguinho, Samuel? – o encara seria. – Ou vai continuar a defendê-lo. Hum?

Samuel. – Olha só. Eu garanto-te que isso não vai mais acontecer. Confia em mim. Eu prometo. Nunca mais iremos nos afastar. Nunca!

Nathi. – É o que eu almejo. Vamos embora. Eu preciso de um banho e eu estou com fome. E também preciso ir ao medico, passei tanto tempo ali, naquela casa fétida à mercê de doenças que temo ter contraído alguma enfermidade.

Pedro. – Claro! Vamos.

OS TRÊS VÃOS EMBORA.

NATHÁLIA JÁ DE VOLTA EM CASA. JÁ DE BANHO TOMADO, FELIZ POR ESTÁ LIVRE. ESTÁ À MESA LANCHANDO UM SUCO E UM SANDUÍCHE FEITO POR SAMUEL. CAMPAINHA TOCA INSISTENTEMENTE. PEDRO ABRE A PORTA. JUNIOR ADENTRA O LOCAL DE FORMA ABRUPTA.

Pedro. – Ah. Olá. – após sua entrada.

JUNIOR VAI ATÉ NATHÁLIA A BEIJA.

Junior. – Eu… Que bom que estejas aqui, Sã e salva. Amo-te!

Pedro. – Esse é tal do “portugato?”

Samuel. – O próprio! Melhor deixarmos a sós, eles têm muito a conversarem. Vamos. Vem.

Pedro. – É gato mesmo… – sussurrando.

Samuel. – O que disseste? – após ouvi-lo.

Pedro. – Eu? Nada! Vamos? Deixamos os dois a sós.

Samuel. – Vamos.

OS DOIS SAEM DALI.

Nathi. – Senta. Eu ou te contar tudo que houve.

OS DOIS CONVERSAM E PASSAM UM BOM TEMPO JUNTOS.

SAMUEL, PEDRO, JUNIOR E NATHÁLIA, ASSISTEM TV, UM FILME. MOMENTO DE LAZER. TODOS NUM SOFÁ. PEDRO VAI A COZINHA BUSCAR AS PIPOCAS. JÁ A CAMINHO VOLTANDO PARA SALA, OUVE A CAMPAINHA.

Pedro. – Eu atendo! – avisa.

Samuel. – Ah. Ok. Obrigado.

Junior. – Que filme veremos? – indaga.

Nathi. – VINGADORES-ULTIMATO. Quem é Pedro?

Pedro. – Bom filme, viu. Foda. Estou indo vê agora. Aqui as “popcorn.” – entrega o pote a Samuel.

Samuel. – Thank you, my Love! – agradece.

PEDRO ABRE A PORTA E SE DEPARA COM HUGO COM UMA ARMA EM PUNHOS, FURIOSO. ADENTRA A SALA DE FORMA ABRUPTA, CHUTANDO O QUE E QUEM VÊ PELA FRENTE. TODOS FICAM APREENSIVOS, ASSUSTADOS E EM CHOQUE.

Pedro. – Calma. Cara vê lá o que você vai fazer com esta arma!

Hugo. – Cala a boca! – o golpeia com sua arma.

Samuel. – Pedro. Meu amor! – tenta se aproximar, porém é interceptado por Hugo.

Hugo. – Shh! Vai pra lá. – impede-o de se aproximar. – Nada de ajudar esse… “Worm.”

Nathi. – Desgraçado! Vai embora. Deixa a gente em paz! – grita.

Hugo. – Nunca. Vadia. Conseguiu escapar, mas tá de boa. Eu vou acabar com todos de uma só vez. – ri diabolicamente. – uma carnificina. Matança.

Samuel. – Para! Hugo. Olha pra mim, sou eu que você quer, não é? Então, me leva e deixa todos em paz.

Hugo. – Sim, é você que eu quero, meu amor. Sempre te quis, mas você nunca notou. Ok. Eu os deixo viver, mas… Tu vens comigo. Isso ou todos aqui morrem.

Samuel. – Eu vou. – decidido.

Pedro. – Não! Não faças isso. Samuel!

Samuel. – Desculpa. Fiquem bem. Adeus. Vamos. Hugo. – se aproxima toca em suas mãos.

Hugo. – Isso aí. Boa escolha! Eu amo-te! – beija Samuel.

OS DOIS SAEM DO APARTAMENTO. HUGO ACIONA O ELEVADOR QUE LOGO CHEGA, AS PORTAS SE ABREM, ELES ADENTRAM. PEDRO VEM ATÉ O ELEVADOR, ÀS PORTAS SE FECHAM LENTAMENTE. SAMUEL E PEDRO SE VEEM PELA ULTIMA VEZ.

Pedro. – Argg! – soca a parede com raiva.

Nathi. – Calma. Vai dar tudo certo. Ele ama o Samuel, é incapaz de feri-lo. – toca em seu ombro.

Pedro. – Ele não podia ter feito isso. – chora.

Nathi. – Ele fez pra nos salvar! – o abraça.

Junior. – Coitado do menino Samuel.

ENQUANTO ISSO NUM QUARTO DE HOTEL. UMA MULHER MISTERIOSA FAZ SUAS MALAS, RAPIDAMENTE, APÓS RECEBER UM TELEFONEMA DE UM INFORMANTE. PÕE TODAS SUAS ROUPAS, SAPATOS EM UMA MALA. VÊ EM UM CÔMODO UM SAQUINHO, COM VÁRIOS FRASCOS DE ARSÊNICO. E TAMBÉM UMA ELEVA DE DROGA: COCAÍNA, MACONHA, HAXIXE. ETC. PEGA TODOS E OS COLOCA EM UMA MOCHILA. SAI DALI CORRENDO.

FINAL DO CAPÍTULO 

Atenção: A Widcyber tem a autorização do autor para publicar este conteúdo.

cropped-wid-1.png

NAVEGAR

>
error: Este conteúdo é protegido! A cópia deste conteúdo não é autorizada em virtude da preservação de direitos autorais.
Rolar para o topo