Na construtora Brito de Carvalho…

Graziela e Eduardo tentavam não elevar suas vozes para que ninguém pudesse ouvir o teor da conversa dos dois.

Eduardo: – Me perdoa Graziela, eu acho que vou acabar colocando tudo a perder desse jeito.

Graziela: – Isso não Edu, você pode até ter um romance com essa moça, mas seja discreto, por favor!

Eduardo: – Tudo bem, você tem toda razão e até o direito de ficar chateada se quiser. Eu confesso pra você que estou apaixonado pela Ligia, não sei o que aconteceu comigo, mas estou amando aquela mulher.

Graziela dá um sorrisinho falso.

Graziela: – Que bom Edu! Só não esquece que antes dessa paixão a gente já tinha um acordo.

Eduardo: – Claro, não se preocupe, eu vou tomar mais cuidado.

 

Na mansão dos Brito de Carvalho…

O clima é tenso entre Maria Estela e Sônia mais uma vez. Após nora enfrentar sogra, a chapa esquenta.

Maria Estela responde a nora.

Maria Estela: – É tudo o que você quer não é Sônia? Me ver pelas costas.

Sônia: – De maneira nenhuma minha sogra, mas devo lembrá-la que esta casa é tão minha quanto sua e mais uma vez eu vou afirmar que ninguém aqui vai internar tia Leonor.

Maria Estela: – Tá vendo Inácio? Eu tenho que escutar esse tipo de coisa toda hora, é dos seus filhos, da sua esposa.

Inácio: – Vamos acabar com este assunto vocês duas, tia Leonor não será internada, que cisma mamãe!

Sônia balança a cabeça concordando em tudo que o marido diz.

Maria Estela: – Não se preocupe Sônia, não vou te dar esse gosto de me ver sair da minha própria casa.

Sônia: – A senhora faz o que quiser dona Maria Estela.

Inácio: – Mamãe nos dê licença que eu preciso descansar agora antes do jantar.

O casal sobe para o quarto. Maria Estela, furiosa, joga um vaso no chão.

 

No cortiço…

Glória ajudava a Dulce a estender umas roupas no varal enquanto conversavam.

Dulce: – Glória, eu não sei o que seria de mim sem você e a Liginha.

Glória: – Ah Dulce, não é nada, a gente faz pelo o outro o que quer receber da vida.

Dulce: – Você é mesmo uma querida Glória, uma mulher de fibra viu.

Glória: – Olha quem fala! Você é uma mulher de fibra, criou duas meninas que você não tinha nenhuma obrigação e eu? Eu não consegui nem criar meu próprio filho.

Dulce: – Nossa Glória, eu sinto muito, mas o que houve?

Glória: – Depois te conto essa história Dulce, é muito longa e muito triste.

Neste momento chega ao cortiço Rodrigo, que vinha do trabalho.

Glória: – Chegou cedo hoje querido.

Rodrigo: – Sim tia, não teve muito serviço hoje.

Glória: – Então vai entrando que daqui a pouco eu vou pra servir nosso jantar.

Rodrigo: – Tá tia, tchau dona Dulce!

Dulce: – Tchau meu lindo.

Rodrigo entra em casa e as duas continuam

Dulce: – Que rapagão bonito hein Glória!

Glória: – Sim, ele é um príncipe de tão lindo.

As duas continuam a estender as roupas.

 

 

No apartamento de Carolina…

Alexandre já havia chegado e não encontrou Carolina, de repente, a porta da sala se abre.

Alexandre: – Isso são horas Carol?

Carolina: – Eu tive muito trabalho hoje, chegaram muitas telas e um material que eu estava esperando.

Alexandre: – Eu não quero saber nada dessa porcaria de ateliê!

Carolina: – Tudo bem, não precisa ser grosso comigo.

Alexandre: – E o jantar? Não vai ter?

Carolina: – Vou pedir algo pra gente pelo aplicativo.

Alexandre: – Não sei quanto tempo vou aguentar comer essa comida com gosto de papelão que você pede.

Carolina baixa a cabeça e mesmo com a queixa do marido, pede um jantar pra dois.

 

Na mansão dos Brito de Carvalho…

Todos já estavam na mesa para o jantar e Ingrid surpreende a todos se juntando a eles para a refeição.

Sônia: – Querida quanto tempo faz que não janta conosco?

Ingrid: – Ah mãe, sei lá! . –risos.

Inácio: – Está precisando de alguma coisa minha filha?

Ingrid: – Não né pai? Não faço esse perfil e você sabe.

Maria Estela: – Bom, mas a que se deve a sua presença na mesa do jantar minha neta?

Ingrid: – Bom, quero comunicar a todos vocês que a partir de amanhã irei morar no apartamento que eu comprei.

Inácio: – Comprou como?

Ingrid: – Eu trabalho papai.

Sônia: – Que notícia maravilhosa minha filha! Era tudo o que você sempre quis.

Maria Estela: – Muito bem Ingrid, ao menos alguém nesta casa não vive na sombra de Inácio.

Ingrid: – Vovó se a senhora for começar os comentários desagradáveis me avisa que eu vou jantar fora.

Maria Estela: – Não está mais aqui quem falou.

Sônia se levanta para abraçar e parabenizar a filha pela conquista.

 

Na manhã seguinte…

Maurício e Carla iam para a construtora de carro ouvindo o áudio da conversa de Eduardo e Graziela.

Carla: – Mas que pilantras hein amor? –risos.

Maurício: – Esse Eduardo é um amador mesmo, agora eu tiro ele da construtora.

Carla: – E essa Graziela hein? Mó patricinha e no final das contas não tem onde cair morta.

Maurício: – Nada disso é surpresa pra mim, já desconfiava desses dois.

Carla: – E qual é o plano?

Maurício: – Você vai entregar esse pen drive com o áudio para o Inácio e vai dizer que veio junto com os outros documentos que o motoboy deixou, eu vou colocar algo relevante no bilhete para que ele possa ouvir imediatamente o golpe que o próprio filho quis dar nele.

 

 

Fim do Capítulo

-” ”>-‘.’ ”>

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo