Sonhos

 

FADE IN:

1    INT. HOSTEL – SALA – RECEPÇÃO – DIA

Na sala, alguns hóspedes sentados assistindo televisão. Andy na recepção e chegam mais alguns turistas com malas.

ANDY

Bom dia, senhores! Bem-vindos ao Nosso Hostel, em que posso ajudá-los?

Suzi entra com uma bandeja com copos d’água.

SUZI

Alguém aceita água?

TURISTA

Tem refrigerante?

SUZI

Não, senhor. Se tivesse eu anunciava que tinha água e refri…

Andy limpa a garganta olhando para Suzi, que entende o sinal.

SUZI

(forçando um sorriso)

Vou providenciar ao senhor, licença!

CORTA PARA

 

 

6 DESEMPREGADOS E UM HOSTEL

Por

MARCUS COSTA

 

SEASON 1 EPISODE 8

S1E8 – 6D1H

“SONHOS”

2    INT. HOSTEL – RECEPÇÃO – DIA

Suzi entrega alguns copos com água e sai em direção a cozinha.

ANDY

Brutus e Mike, por favor. Levem as malas para os quartos desses senhores!

Mike entra todo engomado, de terno, estilo mensageiro de hotel. Brutus vestido de camareiro, parecido com roupa de garçom. Pegam as malas e acompanham os hóspedes até seus quartos. Suzi volta com o refrigerante e entrega para algumas pessoas.

SUZI

Por que você é que tem que ser o concierge, Andy?

ANDY

Eu o quê? Não, Suzi, eu só recepciono as pessoas e aloco os quartos de acordo com a demanda.

SUZI

Cadê a Angel? Ela devia estar aqui também. Não vou ficar na cozinha sozinha, nem limpar os quartos sem ela!

ANDY

Ela deve estar chegando. Foi com a Jasmim divulgar e tentar uma primeira excursão para o hostel.

SUZI

(alegre)

Vamos visitar o shopping da cidade?

ANDY

Não, Suzi. A cidade ainda não tem shopping!

SUZI

Que lugar atrasado. Já fui em interiores melhores!

Angel entra junto com Jasmim, as duas conversando entre si, se sentindo realizadas. As duas com alguns cartazes e folhetos.

ANDY

Então, meninas, conseguiram a excursão?

ANGEL

Sim, Andy. Maravilhosamente bem. Conseguimos as kombis e os motoristas… É a realização de um sonho, sabia?

SUZI

(sorri, debochando)

Kombi?… tem horas que eu esqueço onde estou!

Angel vai até a recepção e cola um cartaz, onde anuncia a primeira excursão do hostel pelas cachoeiras da cidade.

ANGEL (CONT.)

Foi o máximo que conseguimos, Suzi. Talvez se você tivesse ido, tinha jogado um charme para o rapaz das vans, e tínhamos conseguido, pelo menos, carros melhores!

JASMIM

O importante é que divulgarmos ainda mais o hostel e ainda temos a oportunidade de mostrar nossa qualidade pra cidade.

Angel muito animada, Jasmim sorri junto com ela. Suzi olha com desprezo para os cartazes.

CORTA PARA

3    INT. POUSADA – RECEPÇÃO – DIA

José Antunes ao telefone, desliga. Pela janela houve mais um alvoroço de pessoas chegando e se aglomerando em frente ao hostel. Olha, com um misto de raiva e tristeza, para sua recepção e a vê vazia.

CORTA PARA

4    INT. HOSTEL – RECEPÇÃO – DIA

Paçoca filho entra, Andy atende novos clientes. Ele espera chegar sua vez. Suzi passa oferecendo água, ele sorri e aceita.

PAÇOCA FILHO

A senhorita é a Suzi, certo?

SUZI

Sim, porquê?

PAÇOCA FILHO

Meu pai me falou a seu respeito e vim conferir. E realmente era tudo que eu procurava!

SUZI

Quem é seu pai, desculpa?

PAÇOCA FILHO

O Prefeito!

SUZI

Ah, sim. O famoso rouba mais faz, né? Ele queria comprar aqui… ainda não desistiu, pelo visto!

PAÇOCA FILHO

Na verdade, eu vim aqui atrás de outra coisa.

SUZI

De uma coisa, que coisa?

PAÇOCA FILHO

De uma pessoa, especificamente.

SUZI

Sim…

PAÇOCA FILHO

(envergonhado, sem jeito)

Bom, é que… bom, enfim… é você. Vim atrás de você… pra talvez, sair… sei lá, se você quiser…

SUZI

Não, obrigado. Fique à vontade, qualquer coisa é só me chamar!

Suzi se despede e quando vai sair, Paçoca Filho segura em seu braço e faz com que os copos caiam, molhando-o e Suzi.

SUZI

Olha o que você fez?

Os turistas se afastam e observam a situação.

ANDY

Calma, Suzi. Vou chamar as meninas pra limpar!

SUZI

Se o senhor veio aqui me convencer de algo, tire seu pônei da chuva, querido… e vou mandar essa conta pro seu pai!

PAÇOCA FILHO

Desculpa, não foi minha intenção.

Paçoca Filho tenta ajudar. Jasmim e Angel chegam com alguns produtos de limpeza, lixo e pano.

JASMIM

Ora, ora, se não é o famoso filho do prefeito!

ANDY

Jasmim, por favor. Limpa e organiza a fila, por favor.

JASMIM

Tá, Andy.

Jasmim e Angel limpam a bagunça. Paçoca filho insiste.

PAÇOCA FILHO

Depois do seu expediente a gente pode conversar?… sei lá, só conversar. Não quero nada além disso.

SUZI

Não, obrigada. Licença, tenho trabalho a fazer.

CORTA PARA

5    INT. PREFEITURA – GABINETE – DIA

Prefeito Paçoca conversa com Mário, que está sentado de frente para a mesa.

MÁRIO

Bom, Prefeito, eu fiz minha parte. Você não conseguiu comprar o laboratório para fazer o exame dar positivo, o problema já não é meu!

PREFEITO PAÇOCA

Tem razão, meu caro. Mas sairia muito mais caro. Além disso, você não fez sua parte, tentando convencer o pessoal a ir na justiça e não em um programa de barraco gratuito.

MÁRIO

Não é culpa minha que você é um péssimo vilão. Eu sou apenas um laranja!

PREFEITO PAÇOCA

Concordo, senhor Mário.

Prefeito Paçoca vai até uma gaveta de sua mesa e retira de lá um envelope bem cheio.

PREFEITO PAÇOCA (CONT.)

Lembre-se sempre disso, meu caro. Laranja não fala!

Joga o envelope para Mário que sorri malignamente.

CORTA PARA

6    INT. HOSTEL – COZINHA – DIA

Brutus faz o almoço, enquanto Suzi chega. Chega na cozinha fungando.

SUZI

Nossa, Brutus. Que cheiro bom! Você está fazendo o quê?

BRUTUS

(envergonhado)

Ah, nada demais. Só estou fazendo algo pra comemorar o sucesso dessa semana.

SUZI

Eu não sei o que é, mas o cheiro está muito bom! Parece cheiro de comida de vó… quer dizer, desculpa, se te ofendi.

BRUTUS

(sorri)

Não, não ofendeu… E foi exatamente com minha avó que aprendi a cozinhar!

SUZI

Entendi. E ela não gostou de você vir pra cá, foi por isso que se mudou?

BRUTUS

Na verdade, não. Ela quer que eu voe alto e tal… quer que eu vá pra cidade e tenha um futuro melhor.

SUZI

Eu entendo. Aqui realmente é difícil crescer… e você iria pra cidade cursar o quê?

BRUTUS

Gostaria de ser Chefe de cozinha. Sempre sonhei em cursar gastronomia e… é um sonho um pouco grande né, mas queria ter meu restaurante… mesmo que fosse pequeno e tal, mas queria um cantinho onde pudesse mostrar meus pratos. Criar, inventar coisas novas e trazer prazer para as pessoas que vão comer… enfim, estou te enchendo com meus pensamentos…

SUZI

Claro que não, gosto de conversar com você!

BRUTUS

Go-go-gosta?

CORTA PARA

7    EXT. HOSTEL – FRENTE – DIA

Todos com roupas apropriadas para trilha, alguns com roupas mais leves. Angel junto com Mike na kombi da frente organizam os hóspedes para entrar. Suzi na kombi de trás, Brutus sai do hostel e vai em sua direção.

ANGEL

Bom, pessoal. Chegando lá, pedimos para não jogarem lixo na mata, nem nas águas. Estamos levando sacos de lixo e pedimos para que haja respeito pela natureza, beleza? Partiu!

Mike ajuda as mulheres a entrar, Angel olha para Mike irritada. Brutus ajuda as senhoras a entrar. Mike tenta fechar a porta duas vezes e não consegue. Angel passa por cima das pessoas e chega na porta, bate apenas uma vez e fecha a porta. Ela sorri para Mike. Todos nos devidos lugares, os carros saem juntos.

CORTA PARA

8    INT. HOSTEL – COZINHA – DIA

Andy almoçando, Jasmim chega.

JASMIM

A comida está bem cheirosa, hein!?

ANDY

Brutus fez pra comemorar a nossa semana de sucesso!… Você quer que eu coloque um pouco pra você?

JASMIM

(sorri)

Não, claro que não. Eu coloco, obrigada.

ANDY

Não quis ir com o pessoal pra excursão?

JASMIM

Sim, até queria. Mas preferi distribuir alguns folhetos e anunciar o hostel. Fico feliz que tudo está andando. Não dá nem pra acreditar que estamos conseguindo lidar com isso. Não temos nenhuma formação, e até que estamos indo bem… Só ouvi comentários bons!

ANDY

Todos são esforçados. Até a Suzi, achei que fosse ser mais relutante em ajudar nas limpezas, mas até nisso ela está ajudando direitinho.

Jasmim pega um pouco de comida e senta. Andy pega um copo, enche de refrigerante e oferece para ela.

JASMIM

Obrigada. E você, Andy? Tá gostando de mandar?

Andy engasga, tosse, pega o copo e toma água.

ANDY

Mandar? Por que disse isso? Eu só estou tentando organizar o pessoal pra cada um ajudar em alguma coisa.

JASMIM

Então, isso é mandar, querido!

ANDY

(um leve sorriso)

E você está gostando de ser mandada?

JASMIM

Já estou acostumada em ter péssimos chefes!

ANDY

Não sou tão ruim assim. Veja essa semana, atendi muitos clientes…

JASMIM

Atendemos, né, Andy. Você não conseguiria fazer nada sozinho.

ANDY

Tem razão. Não daria mesmo pra fazer a reforma e ainda receber as pessoas em menos de uma semana.

JASMIM

Passei agora a pouco na frente da pousada do José Antunes e está bem vazia.

ANDY

Bom, na vida nós plantamos aquilo que colhemos… opa, quer dizer… colhemos aquilo que plantamos…

JASMIM

(gargalha)

Você não é muito bom com ditados, não é, Andy?

ANDY

(sorri também)

Não mesmo.

JASMIM

Ainda acha que ele vai tentar comprar esse lugar?

ANDY

É um senhor muito inteligente, e nós somos seis. Se ele conseguir de alguma forma influenciar um de nós, ele é capaz de conseguir desestabilizar tudo que construímos até hoje… e quem sabe, até vender o hostel.

JASMIM

O que ele tem de inteligente, ele tem de calvície!

ANDY

Ele também é muito prepotente. É uma cidade rica em turismo e ainda acha que é a última bolacha do pacote.

JASMIM

Biscoito, Andy.

ANDY

O ditado é assim, não?

JASMIM

É, mas o certo é biscoito!

ANDY

Prefiro bolacha. Nem todo biscoito tem cara de biscoito. Já tem alguns que tem cara de bolacha.

JASMIM

Verdade, igual o filho do prefeito, né? Nossa, ele não tem cara de paçoca. Não mesmo, agora de bolacha…

ANDY

Ele deu em cima da Suzi hoje.

JASMIM

Não é menino, e eu perdi o babado. Você ainda fica daquele jeito todo sério, não dá nem pra se divertir com a situação.

ANDY

Jasmim, nós estávamos recebendo novos hóspedes, queria que eu fizesse o quê? Além disso, ele é filho do prefeito, não podemos brincar de mais, se não o povo vai achar que o nome da cidade condiz exatamente no que ela é.

JASMIM

Propina Grande! Nome excelente pra turismo. Quando começarmos a receber deputados federais, senadores e governadores, aí sim, ficarei preocupada!

ANDY (CONT.)

Aí será um turismo com foro privilegiado…

JASMIM (CONT.)

Camas cobertas com seda, o chão com tapete vermelho…

ANDY (CONT.)

Não temos shopping, mas pra eles até aeroporto vão inaugurar rápido.

JASMIM (CONT.)

Jatinho particular não é pra qualquer um!

Os dois sorriem.

JASMIM

Tem esse desejo, Andy? Já pensou alguma vez em ir pra política? Você, às vezes, me parece alguém que poderia estar lá. Mesmo que não roubando, mas, sei lá, você tem cara.

ANDY

Nunca vim pra cá atrás de política! Nunca nem passou pela minha cabeça. Mas sempre quis ter meu negócio próprio… Fiquei sabendo que estavam construindo uma fábrica aqui na minha cidade natal e resolvi vir atrás de algo. Onde morava estava muito difícil arrumar um trabalho. Até tinha, mas não era da forma que queria… E a Angel também estava atrás de algo. Pra carreira dela, em lugar que existe pouco turismo é complicado a pessoa crescer. Então, ela pesquisou e viu que aqui tinha um turismo forte.

JASMIM

Entendi. Que bom que ela está realizando o sonho dela.

ANDY

Sim, e quase o meu também. Nós temos um bom negócio nas mãos. Mas me preocupa, às vezes, algumas atitudes nossas.

JASMIM

Nem todos tem sua maturidade, Andy. Além disso é um negócio coletivo, temos que nos ajudar, passar o que conhecemos para o restante.

ANDY

É verdade. Mas e você, atriz desempregada… o que fazes tranquila cuidando de um hostel a quilômetros da civilização televisiva e teatral?

JASMIM

(sorri)

Desintoxicando um pouco. Trabalhei com muitas pessoas ruins. É um ambiente difícil. Existe muito ego, as pessoas se acham demais, então, é complicado conviver.

ANDY

E você não acha que tem esse ego também, assim, acima da classe operária?

JASMIM

(sorri)

Claro que não, Andy. Tanto que convivo melhor com vocês do que com algumas pessoas da minha área. Se não fosse meu sonho de infância, eu desistia de tudo, sabia? Mas não sei, existe algo aqui dentro, sabe. Algo que diz que uma hora vai dar certo, que estou chegando lá… que falta pouco, entende? Esse sentimento não me abandona desde quando era bem pequena, então é o que me impulsiona.

ANDY

Então, mesmo sendo dona de um hostel, isso ainda não mudou seus planos?

JASMIM

Não. Como disse, me parece algo passageiro, algo que tenho que passar agora. Tenho levado como um tempo pra refletir e claro, procurar algo para o futuro.

ANDY

Do tempo que estamos aqui, nunca pensou em construir uma família por aqui e viver do que o hostel tem dado?

JASMIM

Não… você já?

ANDY

É um bom lugar para criar filhos… e mesmo que seja pouco, o hostel parece ter um futuro muito bom aqui.

JASMIM

Entendi. Pode até ser um bom lugar, mas não é um lugar para alguém crescer profissionalmente e ganhar destaque nacional!

Andy pega seu prato, coloca o prato dela em cima do seu e leva para a pia.

JASMIM

Pode deixar que eu lavo, Andy.

ANDY

Não, por favor. Eu lavo, pode deixar.

JASMIM

(sorri envergonhada)

Obrigada!

CORTA PARA

9    EXT. RODOVIA – DIA

As kombis vão devagar soltando fumaça pela estrada. Todos reclamam do calor, falam ao mesmo tempo.

ANGEL

Calma, pessoal. Estamos chegando, falta pouco!

Mike passa o braço na testa. Limpa na blusa de Angel.

ANGEL

Aí, que nojo, garoto!

Ela limpa a testa dela na roupa dele.

MIKE

Ah, não!

CORTA PARA

10    EXT. ESTRADA DE TERRA – DIA

A kombi está atolada. Angel preocupada, todos fora da kombi. Mike e Brutus tentam empurrar a kombi junto com alguns homens. Suzi desce da kombi com nojo do lugar. Todos os homens vão para frente, ficando só Mike e Brutus atrás. A kombi desatola fazendo com que Mike e Brutus caiam na poça de lama. Todos sorriem, Angel decepcionada com o contratempo. Suzi trás para Mike e Brutus duas toalhas brancas, entrega com receio para os dois. Mike e Brutus limpam os rostos.

CORTA PARA

11    EXT. TRILHA – CACHOEIRAS – DIA

Alguns hóspedes banham na cachoeira. Outros pegam sol, alguns jogam cartas, e outros brincam com uma bola gigante. Suzi de protetor solar, repelente, um guarda-sol e um chapéu com abas enormes. Angel e Mike fazem piada de Suzi. Brutus esvazia as kombis e amarra os sacos de lixo.

SUZI

Que foi, nunca me viram, não?

MIKE

Já te vi muito mal maquiado, mas como palhaça é a primeira vez!

ANGEL

Você exagerou no look, amiga.

SUZI

Não posso ser mordida por bicho nenhum. E também não posso pegar muito sol!

ANGEL

Já está quase sem sol, amiga. Vai aproveitar um pouco, banha na cachoeira. É muito bom!

SUZI

Eu? Naquele chuveiro coletivo? Nem morta!

MIKE

Lá no hostel você não tem um banheiro só pra você, burguesinha!

SUZI

Mas lá eu não tomo banho coletivo, na mesma água… nossa, que nojo!

BRUTUS

Já arrumei os lixos, espero que as pessoas tenham consciência. Esse tem que ser o primeiro de muitos passeios.

ANGEL

Obrigada, Brutus. Pois é, espero mesmo.

Suzi abre um picolé e joga o plástico no chão.

ANGEL

Suzi, a gente acabou de falar sobre isso.

SUZI

Ah, gente, desculpa. Eu achei que a natureza decompunha esse lixo, melhor do que enterrar.

ANGEL

Muito pelo contrário, Suzi. Alguns matérias levam anos, até mesmo séculos para se decompor no meio natural.

SUZI

Desculpa, desculpa… Brutus, joga no lixo pra mim, por favor.

Brutus pega o plástico da mão de Suzi.

MIKE

(tossindo)

Cof, cof, folgada… cof, cof.

SUZI

Eu ouvi isso, Mike.

MIKE

Fica abusando do cara, só porque gosta de você!

SUZI

Nossa gente, desencana. Ele não gosta não.

ANGEL

Você ainda dúvida, Suzi?

Suzi pensa sobre o que eles disseram. Olha para Brutus, envergonha, vira e volta a passar o protetor nos braços.

Passa-se um tempo, os amigos observam e ficam atentos aos hóspedes. Algumas pessoas dormem, outras conversam. Algumas já estão lanchando. Brutus come uma fruta ao lado de Angel, Mike brinca na cachoeira com algumas crianças. Suzi, deitada, com óculos de abelha escuro. Mike vem correndo e acaba molhando a Suzi.

SUZI

Oh, garoto. Você não teve infância, não?

ANGEL

Então, Brutus, como está sua vida depois dessa mudança toda… Sua avó foi pra outra cidade, e agora você cuida de um hostel, o que tá achando de tudo isso?

MIKE

Tá dando uma de jornalista é, Angel?

ANGEL

Ah, Mike, não enche. A gente nunca tem tempo pra conversar… aqui é uma boa.

BRUTUS

Tenho achado tudo bem diferente. Minha avó costuma dizer que se estamos felizes é porque estamos no caminho certo. Então, acho que estou caminhando para um lado bom.

ANGEL

E você, Suzi? O que tá achando da mudança da sua vida?… e põem mudança nisso, da água para o vinho.

SUZI

(deitada, de olhos fechados)

Ah, sério, tenho mesmo que responder?

ANGEL

Ah, gente, qual é? Vocês parecem velhos ranzinzas… vamos conversar!

SUZI (CONT.)

Bom, to achando tudo muito estranho. Nada é pra mim, entende. Na casa do meu pai, todos e tudo girava em torno do que eu queria, do que era melhor pra mim. Agora, sou mandada pelo chefe dos brinquedos e tenho que obedecer. Como pode isso? Eu to limpando privada, não dá pra acreditar! Agora, você tá achando que vou dizer que minha vida melhorou? Nunca! Nunca, mesmo! Não é porque a sua está boa e que está realizando um sonho, que nos estamos na mesma vibe não, amada. Desculpa!

ANGEL

Realmente estou começando a viver meu sonho. Mas se houve essa união, deve haver um motivo…

MIKE

Ah, lá vamos nós para sessão de terapia!

ANGEL (CONT.)

Não temos essa oportunidade à toa, gente… Bom, se a vida de vocês não está boa, então o que tornaria ela melhor?

BRUTUS

Bom, comentei mais cedo com a Suzi. Tenho o sonho de ser um chefe de cozinha. E ainda tenho um sonho ainda maior, que é ser dono de um restaurante. Mas não é qualquer restaurante, é um restaurante com minha cara, sabe. Com pratos que eu inventei, com um cardápio bem variado…

MIKE

Poderiam servir algo inovador… espetinho de gato!

BRUTUS

Eu também poderia servir playboy à milanesa.

SUZI

Eu acho que minha vida ficaria melhor se tivéssemos um shopping aqui na cidade!

MIKE

Que sonho pequeno, Suzi. Vai lá no filhinho do Prefeito e pede pra ele. Quem sabe não constrói na velocidade que você dispensou ele mais cedo.

SUZI

Que inconveniente você, né, garoto.

BRUTUS

(meio pensativo, entristecido)

Você conversou com o Paçoca Filho hoje?

SUZI

Não… quer dizer, sim… Ele só foi me atrapalhar. Ainda quebrei copo na frente dos clientes, foi terrível.

BRUTUS

E ele tinha algum assunto específico com você? Foi sobre o hostel?

SUZI

Não, disse pra ele desencanar que não daria atenção… Ele disse alguma coisa sobre sair, mas não dei muita atenção.

MIKE

Ta com ciúme, brother?

BRUTUS

Na-não. É porque estão com essa estratégia de atingir a gente individualmente pra fecharem o hostel.

ANGEL

Bom, gente, olha a hora. Acho melhor nos voltarmos para o hostel antes que fique tarde demais.

Angel levanta e começa a falar com os hóspedes para voltarem para as kombis.

ANGEL(CONT.)

Vamos pessoal, foi muito bom, mas temos horário!

CORTA PARA

12    INT. HOSTEL – RECEPÇÃO – FINAL DE TARDE

Todos os hóspedes entram, alguns com aspecto de cansados, outros muito felizes e conversando. Os quatro amigos entram. Andy, na recepção e Jasmim ao seu lado. Os dois riem alto.

ANGEL

Boa noite, senhores!

JASMIM

Oi, Angel. Como foi o passeio?

SUZI

Horroroso… não me chame mais, Angel. Prefiro lavar louça do que ir pra lá… quer dizer, prefiro não… esquece o que eu disse!

ANGEL

Foi muito bom, podia ter ido Jasmim. Ficamos bem à vontade, e os hóspedes amaram a cachoeira de hoje. Era um lugar lindo…

BRUTUS

Muito bom mesmo!

MIKE

Estou só o resto. Boa noite, pessoal. Vou banhar e ir pra cama.

ANDY

O baladeiro não vai sair hoje?

MIKE

Estou a fim de uma balada com as cobertas hoje.

ANGEL

Boa noite, Mike… Andy, sabia que ele foi um ótimo animador pra nossa plateia mirim? Você precisava ver a meninada mergulhando ele na cachoeira!

MIKE

Ah, estou cansado demais pra discutir!

JASMIM

Quer dizer então que a criançada estava brincando de avestruz com nosso amigo Mike?

Todos os seis riem.

CORTA PARA

13    INT. HOSTEL – FRENTE – DIA (SONHO)

José Antunes tem dificuldades para andar. Chega até a frente e dá uma gargalhada. Uma placa anuncia o fechamento e venda do imóvel. O hostel não tem a mesma aparência, está abandonado. Paredes sujas, mato alto, árvores entrando nas janelas quebradas.

CORTA PARA

14    INT. POUSADA – QUARTO DE JOSÉ ANTUNES

Pequeno, o espaço de uma mesinha onde uma vitrola emite o som do risco da agulha ao girar o disco. José Antunes deitado, sorri ainda dormindo.

FADE OUT:

FIM

 

“Esta é uma obra de ficção baseada na livre criação artística e sem compromisso com a realidade.”

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

LEIA MAIS DESTE CONTEÚDO:

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

>
Rolar para o topo