Xian olhava para o homem a sua frente sem conseguir pronunciar nenhuma palavra, ele não percebeu que as lágrimas corriam soltas pela face enquanto estava estático. Era assim que se sentia desde que soube do acidente a 13 anos, Xian morreu naquele dia sobrevivendo até então, anestesiado.

Zhan chegou a prender a respiração com a reação de seu chefe, ao ouvir o nome seu corpo estremeceu compadecendo ao ver aquele homem quieto que sempre pensava no trabalho começar a chorar. Sim, ele o conhecia e algo dentro de si gritava de que era mais do que só um conhecido.

Ambos se olhavam alheios a tudo em volta, até um carro buzinar alto e trazê-los a realidade. Xian tocou a face e rapidamente passou a mão para enxugar as lágrimas sentindo-se envergonhado por tamanha demonstração de fraqueza.

— Xian.

Xian ergueu os olhos e se deparou com os olhos dourados de seu amado Wang, ele o encarava com tamanha compreensão que ofegou para buscar uma tentativa inútil de se recompor.

— Z-Zhan… D-desculpa…

— Xian, não está bem, vem… – Zhan pegou seu pulso e acenou para Jorge no carro para seguir e ir buscar MianMian.

Voltando para o prédio ambos seguiram até o elevador, Xian não conseguia falar somente encarava o nada perdido e confuso. Zhan ainda segurava seu pulso, havia um aperto carinhoso da mão de seu assistente, logo que saíram Zhan pediu que lhe aguardar no corredor.

Entrou no seu apartamento e poucos minutos depois retornou com um molho de chave a mão, novamente pegou Xian pelo braço e seguiram para o andar acima chegando em outro apartamento. No lugar, Zhan rapidamente foi a outra extremidade entrando em um corredor e voltou com copo com água.

— Beba.

Xian estava tão nervoso que ao levantar o copo sua mão quase deixo-o cair, Zhan rapidamente segurou sua mão em volta do copo e ajudou seu chefe a tomar pequenos goles.

— Sente-se melhor? – Os olhos dourados demonstravam uma mistura de preocupação e ansiedade.

Xian devolveu o copo e um tanto relutante conseguiu levantar o olhar a Zhan, encarou por alguns segundos até desviar novamente se desculpando em um tom sussurrante.

— Eu não quero forçá-lo a nada, mas…

— Eu o conheço.

Os olhos de Zhan chegaram a brilhar se abrindo sutilmente, sua ansiedade em saber mais o deixou um tanto agitado por dentro.

— Seu nome é Lan Wang.

— E suponho que saiba o que aconteceu comigo…

— Bom, tecnicamente você foi dado como morto em um acidente aéreo há 13 anos atrás… – Xian falava baixo com ele, seus olhos estavam perdidos olhando o nada.

Zhan fechou os olhos inspirou fundo e falou com ele.

— Eu estava naquele voo… – Zhan voltou a segurar o braço de Xian o fazendo sentar no sofá. – Eu cheguei aqui de navio, disseram que me resgataram no mar e estava quase morto…

Xian olhou-o no canto dos olhos, mesmo ouvindo as explicações, sua mente ainda não estava processando tudo com clareza.

— Seu irmão fez a cerimonial fúnebre para sua mãe e uma simbólica para você…

— Eu tenho um irmão? – Zhan começou a fazer perguntas demonstrando inquietação. – E minha família?

— Zhan, a última vez que vi sua família foi no seu cerimonial, não tive mais contato.

— Entendo.

Xian olhou-o e ofegou fechando os olhos para conseguir processar tudo que estava ouvindo, alguns segundos depois ele falou mais calmo sem tremer a voz.

— Você não se lembra de nada?

— Não, eu sofri um traumatismo craniano e depois da cirurgia os médicos disseram que teriam sequelas… – Zhan suspirou sutilmente. – Por sorte nada que fosse tão grave ao ponto de perder autonomia, mas eu não lembro de nada desde que acordei no hospital, nome, rostos, lugares… Em branco… – Voltou a ofegar baixo um tanto emotivo.

Xian compreendia o motivo que ele não o reconheceu, como poderia? Afinal, seu amado Wang perdera a memória no acidente. Estava perdido naqueles pensamentos quando Zhan voltou a perguntar.

— Como nos conhecemos? Somos parentes?

— Não… a-amig…os… – A palavra saiu de seus lábios tão sofrida que chegou a gaguejar.

— Amigos? – Zhan desconfiou e repetindo as palavras em questionamento. – Amigos?

— Sim, amigos de infância… Eu, Cheng, YanLi, Sang, Xuan, Qing e você, formávamos um grupo da escola e crescemos na mesma rua. – Xian afastou o olhar e voltou a pegar o copo de água de cima da mesinha de centro tomando mais alguns goles, sentia a garganta seca já que o clima noturno ainda era abafado.

— Hm…

— Minha nossa, seu irmão vai surtar… – Xian soltou um leve sorriso amargo. – Ele te amava muito.

Zhan olhou para Xian ouvindo sobre o irmão que nem fazia ideia de como era, mas seu coração se aqueceu esperançoso.

— Como ele se chama?

— Lan Huan.

— Você tem como localizá-lo?

— Cheng pode ver para você, seu irmão é advogado uma vez trabalhou para nossa empresa.

— Ótimo, eu ficarei eternamente grato.

O silêncio se instalou entre ambos e alguns minutos depois Xian quis se levantar falando a ele.

— Eu vou agora Zhan, MianMian vai chegar em casa e possivelmente vai se deitar na cama sem tomar um banho… – Xian não olhava para ele e caminhou para a porta.

— Xian, espere. – Zhan parou ao lado dele perto da porta. – Eu vou levá-lo.

— Não precisa se incomodar… – Xian ofegou ao encarar aqueles olhos dourados.

Zhan se aproximou mais de Xian ao ponto de ambos estarem quase face a face e por fim falou em um tom suave, porém decidido.

— Xian, a sua reação… Não somos só amigos de infância…?

Xian sentiu arrepios com aquela aproximação, havia um magnetismo entre eles que lhe fez estremecer e ao ouvir aquela pergunta arregalou os olhos se afastando de súbito falando sem parar, totalmente desconcertado.

— Amigos sim, somos amigos de infância…

— É… E por que eu estou achando que somos mais…?

Xian fechou os olhos interrompendo-o dessa vez com um tom irritado.

— Que droga, Zhan me dá uma folga. – Levou a mão a testa e voltou a tagarelar. – Eu acabei de confirmar que meu… meu melhor amigo não morreu e ainda estou processando isso…

— Melhor amigo?!

— É, éramos melhores amigos… Inseparáveis… Onde Wang estava, Xian estava… E onde Xian estava, Wang estava… – Xian murmurou ainda zonzo. – Era o que nossos amigos diziam…

Zhan ficou olhando-o com certo carinho falando por fim.

— Queria lembrar…

Xian encarava os olhos claros se arrepiando com o tom de carinho na voz de Zhan, virou o rosto voltando para a porta.

— Eu vou para casa.

— Hm.

Xian sorriu baixinho, quando saíram do apartamento.

— O que foi?

— Nada demais, só que você não perdeu essa mania de tudo responde com “hm”.

Zhan parou e ficou olhando para seu chefe que acabara de descobrir ser seu melhor amigo, notando o quanto ele ficava mais bonito sorrindo.

— Xian deveria sorrir mais.

Xian parou em frente a porta do elevador e olhou para ele corando levemente a face, virou o rosto e a porta do elevador se abriu.

— Sr. Jorge já estar vindo me buscar, coitado, fazendo ele andar para todo lugar em plena folga.

— Você não quis aceitar que eu te leve. – Zhan falou olhando para o chão dando um leve toquinho no assoalho em um gesto totalmente ingênuo.

Xian não respondeu e tocou o botão do térreo, falando antes da porta fechar.

— Falarei com Cheng e lhe ajudaremos a entrar em contato com sua família.

Zhan concordou e ficou olhando a porta se fechar e o seu chefe sumir de seu campo de visão. Inspirou e caminhou para o apartamento que era de sua noiva, o fechou e em seguida voltou para o seu onde acontecia a festa.

— …Melhores amigos de infância… – Murmurou por fim, ao entrar em casa.

✽ • ✽

— Atrasado.

— Errr… Wang-gege… Você por aqui? Errr… Não deveria estar na aula? He he he…

“…”

Xian estava sobre o portão dos fundos do colégio em que estudava, acreditava que seria melhor lugar que conseguiria entrar despercebido. O que ele já deveria saber era que Wang como monitor da turma não iria ser enganado. Pulando para o lado de dentro ajeitou seu uniforme bagunçado e parou ao lado dele com largo sorriso arteiro.

— Hahahaha eu juro que coloquei o despertador para tocar às 6 horas. – Xian levantou os três dedos para o alto em juramento.

“…”

— Algum mistério indecifrável fez o despertador não tocar…

“…”

— Wang-gege, eu juro o despertador não tocou. – Sorriu baixinho.

Wang mantinha a face séria olhando-o de cima a baixo, inspirando baixo, agarrando seu pulso e o arrastou para o prédio da escola.

— Ainda está com a mesma roupa de ontem.

— Wang-gege, está machucando meu pulso, seja mais carinhoso com seu XianXian.

“…”

Xian resmungava alto por todo trajeto chamando atenção de alguns alunos que passavam e riam da cena. Não era nenhuma novidade o arteiro rapaz ser arrastado pelo colégio pelo monitor de sua turma toda vez que ele aprontava algo e era indisciplinado.

— Quando terminar a aula, vai limpar e varrer as salas do andar B2.

— Ahhhhh… Wang-gege, nãoooo… – Xian resmungava terminando de se ajeitar para entrar na sala. – Eu combinei futebol com Cheng e Sang depois da aula.

Wang olhou-o ainda mais furioso e antes deles entrarem na sala falou pausadamente.

— Você… combinou… futebol… depois… da… aula?

Xian se encolheu demonstrando receio pela irritação dele.

— Sim. – Sorriu baixinho.

“…”

Os olhos de Wang chegaram a oscilarem e ao virar-se falou para ele:

— Vai limpar as salas do corredor B3 também. – Entrando na sala de aula.

— O QUE???!!! – Xian seguiu atrás dele e tão logo entraram curvou, se desculpando com o professor.

A aula já estava preste a terminar e Xian resmungava falando com Cheng e Sang.

— Que droga, tenho que limpar dez salas, não vou ter tempo para chegar na loja.

— Que manda dormir demais. – Cheng zombou dele.

— Xian, como vai fazer? – Sang estava cochichando. – Wang está furioso, ele nem falou com você.

— Eu disse a ele que íamos jogar futebol depois da aula. – Xian olhava Wang que estava sentado na primeira carteira na frente. – Vai ser surpresa e vocês vão comigo.

— Eu não tenho nada para fazer mesmo. – Cheng deu de ombros.

— Ele vai ter um troço quando ver a surpresa hahahahaha… – Xian esfregou as mãos estava ansioso para terminar o horário da aula.

Cheng rolou os olhos e provocou.

— Se ele não te esganar antes… Hehehehe…

— Cala a boca, meu Gege é muito bom para mim.

— Dois idiotas. – Cheng continuou olhando as redes sociais na tela de seu telefone.

O sinal tocou e todos saiam, Xian foi pegar o material de limpeza e acenou para os amigos.

— Esperem por mim. – Virou-se e foi limpar as salas.

Algum tempo depois apareceu no corredor e olhou para Cheng e Sang que estavam sentados na escadaria do andar.

— Já acabou? – Sang questionou olhando para ele.

— Não, ainda tem o corredor B3. – Bufou e arrastou o carrinho com os materiais de limpeza.

Cheng sorriu baixinho zombando dele.

— Na próxima vez chega cedo na escola…

— Vem me acordar, engraçadinho…

Xian entrou na primeira sala e estranhou.

— E… Está limpa? – Confuso saiu e foi em todas as demais salas. – Todas limpas hehehehe… Uma boa alma desavisada as limpou. – Voltou empurrando o carrinho e parou perto da escada. – As salas estão todas limpas.

— Jura? – Sang levantou e ajeitou a roupa.

— É um sortudo. – Cheng se levantou nem acreditando. – Todas limpas?

— Alguém limpou. – Começou a empurrar o carrinho de limpeza. — Vamos, eu vou guardar o carrinho para irmos embora antes que me vejam para mandar fazer algo.

Xian correu para guardar tudo e logo depois o trio rumou para o centro comercial, eles iriam a uma loja para pegar o presente para Wang, ele havia encomendado alguns dias atrás um par de alianças de compromisso para presentear seu namorado.  Era o dia que estavam completando um ano se descobriram apaixonados.

✽ • ✽

Xian passou o domingo trancado em seu quarto, depois de contar tudo a Cheng e pedir que ele entre em contato com Lan Huan, resolveu se isolar. E vez ou outra brincava com MianMian, mas na maior parte do dia ficou no silêncio com seus sentimentos.

Ele recordava de cada momento que vivera com seu Wang, mas ao lembrar que aquele homem que no passado lhe amava não tinha nenhuma lembrança de suas vidas juntos fez o seu peito arder com o coração machucado.

Estava feliz e triste, como havia dito a Cheng, não tinha como ele falar de toda a verdade a Zhan, afinal ele construiu uma nova vida e estava noivo. A moça era bonita e parecia ser boa com o Zhan. Não havia como dizer que eram namorados na adolescência e principalmente que na despedida ele gritou com Wang dizendo que o odiava.

“— Xian deveria sorrir mais…”

Xian sentiu um nó se formar na garganta lembrando das palavras de Zhan.

— Eu só sorriria para você… – Sussurrou enquanto via o sol se pôr da janela de seu quarto.

A manhã seguinte fora agitada, Zhan falou em vídeo chamada com seu irmão e ambos se emocionaram por aquele reencontro. Huan estava eufórico e prometeu a Zhan que iria ao Brasil na próxima semana para revê-lo.

Xian estava feliz por poder de alguma forma ter unido os irmãos e que seria bom para Zhan com a chegada do irmão em ajudar a se lembrar de seu passado.

Cheng várias vezes tentava consolar Xian, ele sabia que a relação de empregado e patrão entre os dois seria um tanto complicada, ao menos para seu amigo. No entanto, este afirmava o tempo todo que dava conta e que a empresa estava acima de questões pessoais.

Cheng estava tenso e preocupado, algumas vezes sentia falta do Xian bagunceiro e agitado. Aquele que viu se tornar um grande empresário, era triste e não sorria mais.

Continua…

Próximo episódio 2a. f  21/06 às 20 h.

 

 

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

LEIA MAIS DESTE CONTEÚDO:

  • Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

    >
    Rolar para o topo