Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on tumblr

 

 

Olá galera do Cyber Show, sou Lyvia Peroba. E no nosso Mundo Latino de hoje vamos falar sobre a carreira do cantor meio porto-riquenho e meio mexicano e padrinho do nosso quadro : Luis Miguel.

 

Luis Miguel Gallego Basteri, nasceu em 19 de abril de 1970 em San Juan, Porto Rico. Como sua carreira ainda criança por volta do início dos anos 80 e se consolidando na música nos anos 90 e o tornando um dos cantores mais importantes da música latina, tendo como seus gêneros musicais o pop, jazz, big band, bolero, mariachi, baladas românticas.

Apesar de ter nascido em Porto Rico, Luis Miguel passou grande parte da sua vida no México, no qual conseguiu obter a nacionalidade mexicana. Ganhador de cinco Grammys, quatro prêmios Grammy Latino, entre outros. É um dos mais reconhecidos pela Recording Academy EUA e o mais jovem a vencer o prêmio de cantores latinos, este aos 15 anos de idade para um dueto com a cantora escocesa Sheena Easton no música Me gustas tal como eres. Ele já vendeu mais de 118 milhões de álbuns em sua carreira.

 

Com certeza os noveleiros de plantão já deve ter escutado “La barca” que foi trilha da novela “Deus nos acuda” (Rede Globo) que embalou o romance da inesquecível personagem “Maria Escandalosa” interpretada por Cláudia Raia, e Ricardo Bismark, interpretado por Edson Celulari.

 

 

 

 

E recentemente na reprise de  “Belíssima” (Rede Globo) a música “Usted” onde mais uma vez Luis Miguel é trilha sonora de algum personagem interpretado pela atriz Cláudia Raia, com sua divertidíssima Safira e o mecânico Pascal, interpretado pelo ator Reynaldo Gianecchini.

 

 

 

 

Como também na novela Kubanacan (Rede Globo), o sucesso “La Puerta”.

 

 

https://www.youtube.com/watch?v=LFdHLhd-RFA

 

 

Luis Miguel já vendeu cerca de 75 milhões de discos e conquistou os prêmios mais desejados da indústria da música, como uma estrela na Calçada da Fama (em Hollywood) e nove Grammys. Em 1999, aos 29 anos de idade, converteu-se no artista latino mais visto ao vivo na história da música.

 

 

Cantou o tema do filme da disney “O Corcunda de Notre-Drame“, a música “Sueña“.

 

 

 

 

 

Em 2018 a série da Netflix “Luis Miguel, a série” foi o maior sucesso na América Latina e Estados Unidos, onde se conta em detalhes a vida e a carreira do cantor, sendo o cantor interpretado pelo ator mexicano Diego Boneta (Rebelde) e outras importantes artistas no elenco. O sucesso da série foi tão grande que terá a segunda temporada em 2019.

 

 

 

 

Nosso Mundo Latino termina por aqui e espero que tenham gostado de saber um pouco mais sobre a carreira do cantor Luis Miguel. Até o próximo programa! Besos!

 

Não percam o Top Music aos sábados!

 

Boa noite pra você leitor(a) do Cyber Show. Hoje o De Olho na CyberTV traz o debate da semana. Convidei quatro nomes famosos na área: Francisco Siqueira (Eu, Kadu; Um Homem Singular), Everton Brito (As Mulheres da Minha Vida; Dom de Amar), J.P. Ritter (Caminho Único) e Failon Teixeira (Conta +, Sabrina). Acompanhe agora nossa conversa:


Marcelo: Hoje vamos falar sobre literatura na web: emissoras virtuais, blogs, Recanto das Letras, Wattpad, redes sociais e afins. Vamos começar falando sobre as emissoras virtuais. CyberTV, Megapro, WebMundi, WebTV e tantas outras presentes ou já extintas. Qual é a opinião de vocês sobre a importância das emissoras na formação de escritores e leitores?
Everton: Olá, boa a todos. Marcelo, eu acredito que as emissoras são essenciais na formação de novos escritores, principalmente quando estimulam a escrita com prêmios, com comentários relevantes. Todo autor passa por um processo de construção e a emissora a qual escolhe por iniciar tem papel fundamental em relação ao que ele vai ser daqui pra frente.
Ritter: Acho que como qualquer outra plataforma de divulgação de histórias, tem a importância de ser um fácil acesso e quando digo isso, me refiro por ser gratuito. Ajuda também na formação de novos leitores que podem ver que a leitura não é um bicho de sete cabeças e pode ser prazerosa, um pensamento que alguns não possuem por causa das leituras que são feitas durante o ensino médio com os clássicos da nossa literatura. E isso acaba formando um público para o autor que está começando, seguidores que futuramente vão abrir portas para ele em alguma editora grande.
Francisco: Como premissa, acredito, ser relevante. Com o advento da tecnologia e por conseguinte o surgimento das redes sociais, a possibilidade e oportunidade de um “jovem” escritor se divulgar é sensacional, porém é necessário entender e comprar a ideia de que essas ferramentas são “oficinas”, um espaço para aprendizado e que, em paralelo, é fundamental buscar caminhos para fortalecer o caminho da escrita que pretenda trilhar.
Failon: Boa noite a todos do nosso querido MV!. E aos colegas do debate! rsrs As emissoras virtuais são de suma importância para todo o meio. Mas, para a formação dos autores e leitores elas desempenham um papel fundamental. Por meio de suas obras e comentários. É um ensinamento que cada um obtém. Para que cada um possa evoluir.
Marcelo: Como o escritor da web pode se aperfeiçoar na arte da escrita? O que vocês recomendam?
Ritter: Leitura, saber ouvir e crescer com críticas construtivas. Nunca pensar que é o Deus da arte, só existe um. Acho que não se colocando ou deixando se colocar em um altar e sempre saber que pode aprender e evoluir mais é um caminho.
Everton: Para os novos autores, acredito que baixar roteiros de séries, novelas e lê-lo seria uma boa. Os próprios roteiros do MV são de grande valia. Eu usei muito o roteiro de Anti-Herói (Cristina Ravela) como exemplo. Pedir opiniões e críticas construtivas também pode ajudar bastante.
Failon: Creio que leitura. Todo dia é um ensinamento diferente. E aceitar as críticas construtivas e sabendo elevar certos pontos. Quando estas não tendem a influenciar no desenvolvimento do autor. E ler as obras dos nossos queridos colegas do MV ajudam muito! Como o Everton já falou, o roteiro de Anti-Herói é magnífico! Uma perfeição em detalhes e escrita. Recomendo para todos!
Marcelo: Leitura é fundamental. É ela que vai estimular a imaginação, aperfeiçoar a escrita e organizar as ideias. De pouquinho em pouquinho, se forma todos os dias um autor mais completo.
Francisco: Em primeiro lugar aceitar o fato de que o seu texto não é um manuscrito perdido do Mar Morto. Falo isso depois que passei a frequentar o Wattpad. Muito jovens autores não acatam qualquer interferência no que escreveu, e todos sabemos que a ação de se aperfeiçoar e inesgotável, quiçá até o último texto que se escreva o autor ainda terá algo a acrescentar. Em segundo, ler, ler e ler muito. A maioria dos novos autores tem preguiça de ler, e me refiro a todo tipo de temas, ou algo próximo disso. Por acaso um advogado, para se tornar respeitável e conceituado em sua profissão, poderá ser dar ao luxo de deixar de lado os códigos civis ou criminais, as Leia que permeiam o Estado? Em terceiro, buscar cursos e/ou ferramentas que tendem a aprimorar sua postura e fluidez como autor.
Marcelo: Algo que tem acontecido muito nas emissoras virtuais é justamente a falta de comentários nas postagens dos escritores. E estes ficam sem feedback, a não ser dos colegas de emissoras. A que vocês atribuem isto?
Everton: Vai de cada emissora. O brasileiro é preguiçoso, ele não vai lá e comentar em qualquer coisa, em qualquer web novela. Tem que prender, tem que seduzir, mas a própria emissora, bem como o autor, devem buscar isso.
Francisco: Acredito que é um misto. Muitos leitores esbarram com a condição de um cadastro para expor seu comentário, e decerto nao querem deixar seus registros para isso. Vai saber quais os motivos, mas temos que respeitar… Também existe o fato do receio de se pronunciar e receber algum tipo retaliação do próprio autor. Sabemos que existem “colegas” que não permitem opiniões alheias àquelas que estejam a favor de seu texto.
Failon: Falta de interesse. Um bom feedback é fundamental. Pois o autor sabe sobre à sua obras como ela é vista pelo público que acompanha.
Marcelo: E por outro lado também há leitores que comentam de forma negativa, pejorativa, o que pode desestimular o escritor de continuar seu trabalho.
Failon: Sim. Marcelo. Um fator que está evidente em muitos dos casos aqui no Mundo Virtual. Eu mesmo já passei por situações assim. Mas sempre mantive o foco no trabalho.
Francisco: Entendo que todos possuam um quê de segurança, mas a partir do instante que o autor decida expor o seu texto, deve considerar que estará “disponível” para todos os tipo de críticas e comentários. Muitos sem noção, exagerados, até mesmo ofensivos, mas daí a partir do instante que alçar essa pedra no caminho à uma parede, deve parar e pensar se está escrevendo porque ama o que faz ou apenas para angariar opiniões.
Marcelo: Vocês costumam ler as obras de outros autores das emissoras?
Ritter: Costumo, não de forma tão assídua, porém tenho algumas obras e autores na minha lista de favoritos
Everton: Agora não com tanta frequência como antes, mas eu lia bastante. Acho importante não se limitar apenas ao que você escreve, ou ao que lhe é imposto. Busca ampliar, descobrir…
Failon: Sim. Costumo. Busco saber como é o processo criativo de cada autor. Eu leio um pouco de cada obra.
Marcelo: Como vocês relacionam texto e audiência?
Everton: É um assunto delicado. Existem textos bons com pouca audiência e textos ruins com a audiência lá em cima. Depende da história que você vai contar, em que emissora você vai contar e para qual público você vai contar.
Francisco: Números (audiência) é um parâmetro a ser considerado, uma ferramenta a mais para ponderar o que vem expondo, contudo, acredito, não deva ser o marco divisor de uma obra.
Marcelo: Vejo a questão dos números mais relacionada ao quanto se divulga a obra, do que com a qualidade de uma obra. Aliás a própria qualidade é algo relativo. Um pode achar uma novela ou série muito boa, outro pode achar a mesma obra mediana.
Ritter: um texto confuso ou muito arrastado pode afastar às pessoas da leitura e com isso uma audiência pequena, tive experiência assim com X23 e fico cuidando isso, mas isso também não é uma regra.
Francisco: Everton, essa colocação reflete muito uma das plataformas virtuais mais famosas do mundo. No Brasil, pesquisas apontam que o Wattpad se tornou 90% uma ferramenta direcionada e “dirigida” por adolescentes, cujos temas superficiais e “na moda” são aqueles que se toram os mais lidos… porém sabemos que quantidade e qualidade não andam de mãos dadas.
Failon: Aí é um questão que fica meio dividida. Pois os textos nem sempre se igualam, mas os mesmos atraem audiência baixa e alta. Acho que o tipo de narrativa que cada uma apresenta deva elevar aos resultados.
Marcelo: Falando no Wattpad, ele vem se popularizando muito entre os jovens, que escrevem textos de temáticas clichês a fim de ganhar seguidores e visualizações. O que vocês pensam dessa ferramenta?
Francisco: Também enxergo como não sendo uma regra, Ritter. Me surpreendi com o texto da minha série, “Eu,Kadu”, que além de literária e narrada em 1a pessoa, possui uma fluidez bem diferente da maioria. É um texto mais introspectivo e reflexivo e, graças aos leitores, teve um bom desempenho na Cyber.
Failon: Eu curto muito o Wattpad, porque eu mesmo já cheguei iniciar uma obra pra lá, mas acabou não dando muito o certo. Apareceu outros trabalhos e não deu pra conciliar várias coisas. É uma plataforma com diversas histórias desde o romance ao terror. E vem crescendo muito. Meus colegas do debate Everton, João Paulo e Francisco escrevem pra lá.
Ritter: Acho o Wattpad uma ferramenta ótima quando você consegue se esquivar dessas histórias feitas para serem clichês e ganharem seguidores, quando conseguimos nos livrar dessa primeira camada acabamos encontrando histórias primorosas. Conheci pessoas ótimas e muito talentosas pelo Wattpad.
Francisco: Marcelo, como expus agora a pouco, o Wattpad se tornou uma ferramenta “de e para” adolescentes, isso pesquisas apontam. Não recrimino, mas é algo a se pensar, é muito, pois querendo ou não, essa fase é um tanto complexa e o ser humano tende a se influenciar. Se pararmos para observar, algumas das “grandes obras” da plataforma, quase todas, destacam textos onde a baixa autoestima, a depressão e o sexo são tratados de maneira irresponsável.
Failon: A homossexualidade também, Francisco.
Ritter: É isso, já vi textos que teoricamente seriam uma leitura muito rápida, mas não são porque a fluidez da leitura acabou atrapalhando.
Francisco: Sim. Mas a homossexualidade, além do Wattpad, se tornou algo “padrão” em outras plataformas, onde o gay necessariamente é um ser que precisa viver de sexo a cada minuto do dia, sem um texto embasado que possa justificar e enriquecer outras facetas do personagem.
Ritter: Eu tenho um problema pessoal com esse tipo de enredo.
Francisco: .”Um problema pessoal”?
Ritter: Um problema pessoal digo porque acho legal uma história que aborde sexo, faz parte da vida humana e somos um dos poucos animais que faz por prazer, mas uma história com mais sexo que história ou diálogo eu vejo mais como pornografia e não uma literatura.
Marcelo: O Recanto das Letras é outra plataforma muito conhecida no meio. Alguém já escreveu nele?
Francisco: Já. É uma ferramenta interessante para autores exporem seus trabalhos, mas sem público (leitores) em comparação às demais. Eu enxergo o Recanto como um clube de autores.
Ritter: Eu não conhecia até agora.
Failon: Ainda não escrevi nada no Recanto. Mas conheço vários colegas do meio que escrevem lá. Também foi uma plataforma para o único de várias personalidade de Mundo virtual.
Marcelo: Que características que vocês acham que diferenciam o escritor que ama escrever daquele que quer ser famoso?
Francisco: O “ser famoso”: apostar todas as suas fichas em retorno imediato, “jogar” textos sem a responsabilidade de manter um qualidade. Decidir que não quer (ou não precisa) trilhar os percalços da aprendizagem de um “verdadeiro escritor”.
Ritter: Eu convive com uma pessoa que queria escrever só pelo o dinheiro e o que eu posso dizer sobre isso que, primeiro, Paulo Coelho é exceção. Essa pessoa que não vou falar o nome, não se importava com seus personagens ou com o que estava dizendo na sua história e ele escrevia umas coisas absurdas. E um escritor de “verdade”, eu penso que ele vai ter um apego àquela história e às vezes com a mensagem que ele quer passar.
Francisco: Decerto. E depois do fenômeno (discutível) de 50 tons isso se tornou comum: histórias pífias onde o sexo surge a cada 3 parágrafos e quase sempre de maneira repetitiva.
Marcelo: É o atual clichê do sexo pelo sexo.
Failon: Sim. O verdadeiro escritor escrever com sua alma e não com seu propósito de preencher tabela.
Francisco: Precisamos reconhecer que se textos embasados em sexo, pura e simplesmente, trazendo a tiracolo temas como sadismo, masoquismo e afins, contudo sem profundidade, faz sucesso, atrai público, é porque o leitor não está interessado em conteúdo.
Marcelo: O escritor por vocação sente falta de escrever, tem saudade dos personagens. Sente-se viúvo quando termina a história, não importa se é uma webnovela ou um livro para editora. Mal acabou uma história e já quer contar outra. É da natureza dele.
Ritter: Tenho um problemão que quero contar muitas histórias em pouco tempo.
Marcelo: Acho isso normal. A imaginação trabalhando como metralhadora. E a gente tem a necessidade de colocar tudo no papel.
Ritter: Estou escrevendo no Wattpad, na Ontv, na Pytera com o projeto de heróis brasileiros e às vezes esqueço do mundo e que tenho que estudar.
Failon: Você também escreve poesia, não é?
Francisco: O que mais acontece na sétima arte é isso: roteirista, diretores e atores em um trabalho e já pensando ou se comprometendo com outros.
Failon: Hehe. Eu tenho uns rascunhos no caderno. Mas não sai do papel rsrs
Marcelo: Falem um pouco sobre o trabalho de vocês dentro e fora das webemissoras.
Ritter: Atualmente to na Ontvplay, semana que vem tem a estreia da terceira temporada de Caminho Único, a gente adiantou em alguns messes e em janeiro estreia Sangue & Esplendor, a minha primeira webnovela. Fora do MV, eu to no Wattpad com dois romances em andamento e em um projeto de super-heróis brasileiros em um universo compartilhado.
Francisco: Escrevendo “Eu,Kadu” (informações adicionais) no Wattpad, preparando a temporada 2 para o Cyber; editando e traduzindo “Um homem singular” para o portal latino Glook” e rascunhando uma minissérie para a Cyber, cujo título provisório é “Os pecados de cada um”.
Marcelo: Atualmente escrevo uma nova novela, apresento três programas e estou para exibir um conto de terror na próxima quinta (A Boneca da Maldição, na série 00:00). Tudo isso na CyberTV. E preparo versões em espanhol do conto e da novela O Leão para postar no portal latino Glook.
Failon: Atualmente eu me dedico ao meu programa Conta + pela Cyber, na produção de uma web série intitulada de A Ilha Misteriosa, no comando do Replay pela WebTV.
Marcelo: Vamos deixar um recado para os leitores do Cyber Show.
Francisco: “Nos sigam”.
Ritter: dia 21 tem a estreia da nova temporada de Caminho Único na OnTVPlay. Os dois primeiros episódios têm um plot imperdível sobre um problema quase recorrente nos namoros homossexuais
Failon: Obrigado por nos acompanhar por esta noite. E que leiam o Conta + e as obras da Cyber. Forte abraço!! Quero agradecer aos meus colegas Everton, João Paulo e Francisco e a você, Marcelo, por nós proporcionar este encontro de trocas de idéias.
Marcelo: O debate foi muito bom. O tema é bastante extenso, então temos muito assunto para os próximos debates. Na semana que vem, o tema será diversidade regional nas novelas da TV e da web. Agradeço a presença de vocês em mais um De Olho na CyberTV.
Francisco: Bem, obrigado pela oportunidade de estar aqui e poder participar dessa interação. Um grande abraço a todos .
Marcelo: Que venham as novas temporadas do Kadu e do Caminho Único, e que Conta + e Dom de Amar sigam fazendo sucesso.

Bem, amigo(a), por hoje é só… 🙁

 

 

Só que não! 😀

Ainda há pouco, você viu a resenha de um dos episódios da série 00:00 no Observatório da Escrita. Como nunca é demais comentar sobre as obras da CyberTV, fiquei com muita vontade de fazer mais uma crítica. O capítulo escolhido foi o primeiro da novela Ser Feliz, que estreou no último dia 5.

Helena é a sofrida mocinha em busca da felicidade. Moradora numa favela, ela descobre ser neta do rico empresário Augusto após ser atingida por uma bala perdida e ficar paraplégica. Apesar de gostar muito do amigo Pedro, ela se apaixona pelo fotógrafo Hugo, atual namorado da turbulenta Marina. Enquanto isso, Carolina trava uma guerra contra Augusto pelos bens da família; verdadeira mãe de Helena, Catarina/Patrícia arma um plano de vingança contra o pai, após este tê-la expulsado grávida de casa.

Logo na primeira cena, faço duas observações. Primeira: a sequência começa com uma panorâmica que mostra a favela e, em seguida, a vida cotidiana de seus moradores. Corta para a protagonista matando a saudade dos pais mortos. Uma sugestão um pouco mais eficiente seria escrever as duas situações em cenas separadas – a parte da Helena é específica e pediria gravações distintas do trecho anterior. A segunda está no uso incorreto do “porque”, destacado em vermelho. Numa pergunta, o correto é usá-lo separado:

Por que vocês foram me deixar?

Augusto e Carolina são os vilões principais da trama. Detalhe: são irmãos e têm muita diferença de idade. Na cena 03 acontece uma das muitas discussões e disputas pelo poder da empresa, a Novais Cosméticos. Nota-se aqui a falta de pontuação, especialmente nos vocativos (chamamentos) e nas partículas “” usadas pelos personagens. Por outro lado, é impressionante o aprendizado do autor na escrita desde sua última novela Triângulo Amoroso.

Ser Feliz retrata as dificuldades de quem mora na favela, entre elas a questão da insegurança. Em relação à cena 10, pede-se atenção ao uso das palavras MAIS/MAS. Mais indica adição de coisas; mas indica que se vai falar algo contrário ao dito anteriormente. Por isso o correto seria:

É triste, mas não podemos fazer nada.

Por este excerto já se nota que a personagem Marina é outra peste. Respondona, desbocada e arrogante, ela promete ser a mais odiada de Ser Feliz. Vilã de novela é sempre top. A expressão com nós, falada por Andréa, pode ser trocada por conosco, já que se trata de uma personagem rica e que costuma falar um português mais culto. 😉

Na cena 13, a empreguete Joana ouve a conversa dos patrões e leva uma bronca de Andréa. Seu tom de deboche me faz considerá-la a melhor personagem da novela. Cheguei a comentar pessoalmente com o autor.

No meio do capítulo, Hugo não podia sair à noite com Marina por motivos profissionais. E assim ela resolveu aprontar das duas. Na última cena, ele acaba por aparecer na mansão da moça e convidá-la para sair. O resultado está no suspense na cena a seguir. Para saber como continua, só lendo os episódios seguintes de Ser Feliz. Já foram exibidos seis, até a data de hoje.

Se você gosta de uma trama romântica cheio de maldades e intrigas, está no lugar certo. Ser Feliz tem os ingredientes para agradar aos noveleiros. A trama de 24 capítulos é exibida às segundas, quartas e sextas-feiras às 20h.

Oi gente! Tudo bem? Hoje trago para vocês uma entrevista que fiz com o meu autor preferido de novelas, Silvio de Abreu! Essa entrevista foi feita em 2013 ano em que a novela A Próxima Vítima (minha preferida) estava sendo exibida pelo Canal Viva e eu tinha uma fanpage e um grupo dedicados á trama, nessa época eu tinha contato com o Silvio por e – mail e ele gentilmente atendeu meu pedido e me concedeu uma entrevista falando sobre A Próxima Vítima, não só respondendo as minhas perguntas, mas dos fãs também! Esse ano foi bem especial na minha vida pois além da entrevista Silvio me mandou um autógrafo e foi em 2013 que conheci a Aracy Balabanian de quem sou fã justamente por causa da personagem Filomena Ferreto! Então roda vinheta e curtam a entrevista! (Confira o print tirado do e – mail para provar a autenticidade da entrevista, a Guerra que ele se refere é a novela Guerra Dos Sexos).

 

DÉBORA: Silvio, Filomena Ferreto foi feita para a Aracy? Ou escolheram ela?
SILVIO: FILOMENA FERRETO FOI ESCRITO ESPECIALMENTE PARA ARACY BALABANIAN. DEPOIS DO SUCESSO DE DONA ARMÊNIA, EM RAINHA DA SUCATA E EM DEUS NOS ACUDA, QUERIA VOLTAR A VÊ-LA EM UM
PERSONAGEM MAIS DENSO E DRAMÁTICO COMO TINHA SIDO A SUA MARCA DE ATRIZ EM OUTRAS NOVELAS. ARACY É UMA ATRIZ DE EXTRAORDINÁRIO TALENTO E PERFEITO CONHECIMENTO DO SEU
OFÍCIO, REALIZA COM MAESTRIA QUALQUER PERSONAGEM QUE LHE SEJA CONFIADO, MAS QUANDO O PERSONAGEM É BOM, ELA CONSEGUE SER AINDA MELHOR.

DÉBORA: De onde veio a inspiração para a Família Ferreto? Como foram construídas as
personagens?
SILVIO: NUNCA SEI DIREITO DE ONDE VEM A INSPIRAÇÃO PARA O MEU TRABALHO. PROVAVELMENTE VEIO DE FILMES E PEÇAS DE TEATRO QUE ASSISTI AO LONGO DA MINHA VIDA. POSSO DIZER QUE O
CLIMA DE UMA FAMÍLIA FECHADA EM SEUS CONFLITOS, VEIO DA MINHA PROPRIA FAMÍLIA E DAS LEMBRANÇAS DA MINHA INFÂNCIA. AS PEÇAS DE ARTHUR MILLER, EUGENE O’NEILL, TENNESSE WILLIAMS E NELSON RODRIGUES, TAMBÉM ME AJUDARAM MUITO. JUNTE-SE A ISSO OS FILMES DE DOUGLAS SIRK
E PODE SER QUE TENHAMOS UMA RESPOSTA POSSIVEL.

DÉBORA: Como surgiu a ideia do assassino do horóscopo chinês?
NOVAMENTE O MESMO DILEMA. NÃO SEI DIZER DE ONDE VEIO A INPIRAÇÃO, ACHO QUE DA PROPRIA NECESSIDADE DA HISTÓRIA. LEMBRO-ME QUE QUANDO ESTAVA ELABORANDO A SINOPSE, PROCURAVA ALGUMA IDÉIA QUE JUNTASSE TODAS AS TRAMAS. EU SABIA QUE ERA A VINGANÇA DE ALGUÉM CONTRA AQUELAS PESSOAS, MAS COMO?… POR QUÊ?… UM DIA ACORDEI COM TUDO PRONTO NA MINHA CABEÇA, INCLUSIVE COM A IDÉIA DE HOROSCOPO CHINÊS.

DÉBORA: O capítulo que não foi ao ar ainda existe? Por que não foi ao ar?
SILVIO: A NOVELA COMEÇAVA QUANDO ANA CHEGAVA A SÃO PAULO, CONHECIA PRIMEIRO O JUCA, DEPOIS O MARCELO, SE APAIXONAVA POR ELE QUE SE CASA COM A FRANCESCA, VAI MORAR NA CASA
DELAS, VOLTA PARA ANA, ETC… MAS, DEPOIS DE EDITADO, ACHEI QUE TODA ESSA EXPLICAÇÃO ERA DESNECESSÁRIA, UMA VEZ QUE DURANTE A NOVELA O PUBLICO IA FICAR SABENDO E QUE O EXCESSO DE INFORMAÇÃO EM UM PRIMEIRO CAPÍTULO PODERIA TIRAR A EMOÇÃO QUE É NECESSÁRIA PARA PRENDER O PÚBLICO. ENTÃO, MESMO DEPOIS DE TUDO GRAVADO, JORGE FERNANDO E EU RESOLVEMOS COMEÇAR A HISTÓRIA JÁ NOS DIAS DE HOJE. NÃO SEI SE TUDO ISSO AINDA ESTÁ CONSERVADO NOS ARQUIVOS DA
GLOBO.

DÉBORA: Existe alguma coisa, um objeto, roteiro da novela?
SILVIO: EXISTEM DUAS SINOPSES, UMA QUE FOI DISTRIBUIDA PARA A IMPRENSA E OUTRA QUE ERA SECRETA E SÓ EU USAVA E OS CAPÍTULOS ESCRITOS. OS OBJETOS DE CENA DEVEM AINDA EXISTIR NO ACERVO DO PROJAC.

DÉBORA: Pergunta feita por Vagner Abel: Existe algum plano de um remake para A Próxima Vitima como aconteceu com Guerra dos Sexos?
SILVIO: NÃO, NÃO EXISTE.

DÉBORA: Em algum momento pensou em escrever uma segunda parte da trama baseado no gancho deixado pelo ultimo capitulo com a ultima cena?
SILVIO: O GANCHO QUE FICOU NO ÚLTIMO CAPÍTULO FOI UM ARTIFÍCIO PARA QUE A NOVELA NÃO MORRESSE ALI, PARA QUE SE COMENTASSE SOBRE ELA POR MAIS TEMPO. NUNCA IMAGINEI FAZER UMA CONTINUAÇÃO PORQUE A HISTÓRIA SE FECHOU QUANDO OS MISTÉRIOS FORAM DESVENDADOS. A PRÓXIMA VITIMA NÃO ERA SOBRE AS INVESTIGAÇÕES DO DETETIVE INTERPRETADO POR PAULO BETTI, ERA SOBRE UMA TRAMA DE ASSASSINATO QUE ENVOLVIA UMA FAMÍLIA.

DÉBORA: Pergunta feita por  Gustavo De Azevedo Santos: Quando o senhor terminou de escrever A Próxima Vítima, o senhor pensou em um remake baseado no gancho deixado pela última cena do último capítulo?
SILVIO: NÃO, NÃO PENSEI NEM EM REMAKE NEM EM CONTINUAÇÃO.

DÉBORA: Pergunta feita por Thomas Henrique: Eu gostaria de saber se é verdade que gravaram mais de 2 finais.
SILVIO: NÃO É VERDADE. FOI GRAVADO SÓ DOIS FINAIS, O SEGUNDO FOI FEITO POR UMA EXIGÊNCIA DE MERCADO PORQUE A NOVELA ERA UM ENORME SUCESSO EM PORTUGAL E TEMIA-SE QUE A REVELAÇÃO DO ASSASSINO, AQUI NO BRASIL TRÊS MESES ANTES DA NOVELA TERMINAR POR LÁ, FOSSE PREJUDICAR A AUDIÊNCIA. A SINOPSE SECRETA DE A PROXIMA VITIMA, À QUAL SÓ EU TINHA ACESSO, TEM UMA ESTRUTURA MUITO RÍGIDA COMO TRAMA. QUALQUER OUTRO DESFECHO ME OBRIGARIA E MEXER EM VÁRIOS PONTOS DA NARRATIVA, COMO TIVE QUE FAZER EM QUASE 50 CAPÍTULOS PARA QUE O FINAL DE PORTUGAL FICASSE COERENTE, COMO FOI O DAQUI.

DÉBORA: Pergunta feita por Eduardo Gouvea: Acho que a pergunta que o Brasil quer saber é: afinal, quantos finais da novela foram escritos e gravados. Há quem diga que foram cinco escritos e três gravados. E, logicamente, perguntar quem seria o terceiro (ou quarto, quinto…) assassino. A Globo jamais vai exibir esses finais alternativos mesmo (se é que realmente existem), além do que já exibiu no “Vale a Pena Ver De Novo”.
SILVIO: SÓ FORAM GRAVADOS DOIS FINAIS E OS DOIS JÁ FORAM EXIBIDOS. UM NO HORARIO NORMAL DA NOVELA E O OUTRO NO VALE A PENA VER DE NOVO.

DÉBORA: Pergunta feita por Giovanni Justino: É verdade que o senhor escrever 5 finais alternativos para a novela e que você e o querido Jorge Fernando decidiram gravar apenas três?
SILVIO: NÃO, ISSO TUDO É BOATO. ESCREVI UM ÚNICO FINAL E DEPOIS ME FOI SOLICITADO OUTRO PARA A EXIBIÇÃO EM PORTUGAL. SÓ FORAM ESCRITOS E GRAVADOS ESSES DOIS.

DÉBORA: Qual foi seu desafio mais difícil na realização da novela?
SILVIO: FUGIR DA IMPRENSA. NÃO QUERIA QUE OS MISTÉRIOS FOSSEM REVELADOS PARA NÃO ESTRAGAR O PRAZER O TELESPECTADOR EM SEGUIR A HISTÓRIA POLICIAL. MAS A IMPRENSA BRASILEIRA RESPEITA MUITO OS FILMES, NUNCA CONTA OS SEUS MISTÉRIOS, MAS NÃO TEM O MENOR APREÇO, NEM RESPEITO, ÀS NOVELAS, ACHANDO-SE NO DIREITO DE DIVULGAR INFORMAÇÕES QUE DEVERIAM SER MANTIDAS EM SEGREDO. NÃO TENHO, NEM NUNCA TIVE NADA CONTRA A IMPRENSA E ACHO QUE ELA É IMPRESCINDÍVEL PARA O SUCESSO DE UMA NOVELA, MAS GOSTARIA QUE ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES E DECISIVOS
DE UMA TRAMA, PRINCIPALMENTE DE UMA TRAMA POLICIAL, FOSSEM RESPEITADOS. ISSO ME OBRIGOU A ESCREVER MUITOS CAPÍTULOS FALSOS, A REESCREVER CAPÍTULOS QUE JÁ TINHAM SIDO ENTREGUES E A MUDAR MUITOS FINAIS QUE NÃO FORAM APROVEITADOS, O QUE AUMENTOU DEMAIS O MEU TRABALHO.

DÉBORA: Se o senhor pudesse mudar alguma coisa nela hoje, o que mudaria?
SILVIO: DE MINHA PARTE, DA PARTE DA DIREÇÃO DE JORGE FERNANDO E DA ESCALAÇÃO E DESEMPENHO DO ELENCO, NÃO MUDARIA NADA. COM RELAÇÃO À DIVULGAÇÃO DA NOVELA NA IMPRENSA, QUERIA QUE
HOUVESSE ALGUMA LEI QUE PROIBISSE A DIVULGAÇÃO DE QUEM SERIAM AS VÍTIMAS, PORQUE ISSO TERIA AUMENTADO O PRAZER DO PÚBLICO NO DECORRER DA NOVELA.

DÉBORA: Eles falaram muito em um remake eu particularmente não acho uma boa ideia… Exatamente por não haver outro elenco melhor para ser a família Ferreto, foram eles que marcaram época.
SILVIO: NÃO SE PREOCUPE, NÃO VAI HAVER NENHUM REMAKE, MAS ISSO NÃO QUER DIZER QUE EU NÃO VÁ FAZER ALGUMA OUTRA TRAMA ESSENCIALMENTE POLICIAL COMO FOI A PROXIMA VÍTIMA.

 

DÉBORA: Qual mensagem você deixaria para os fãs que estão na página?
SILVIO: DE EMOÇÃO, PORQUE É MUITO BOM SABER QUE UM TRABALHO FEITO HÁ TANTO TEMPO AINDA DESPERTA O INTERESSE DE MUITAS PESSOAS E DE AGRADECIMENTO PELO CARINHO, QUE TODOS TÊM PELA HISTÓRIA E PELOS PERSONAGENS DA NOVELA.
Abraços,
Silvio

E o Bate Papo com Débora Costa vai ficando por aqui! Espero que tenham amado como eu amei!

Até o próximo Domingo! Deus abençoe! Beijinhos!

 

 

LEIA MAIS DESTE CONTEÚDO:

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

  • Adorei o programa e a resenha de Ser Feliz! ? Próximo Domingo o Mundo das Novelas está de volta! ?

    • Que bom que gostou, Henzo! Eu também adorei fazer a resenha e ler os quadros das minhas duas colegas. Já estou curioso pra saber o que você trará no próximo Mundo das Novelas. 😉

  • Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

    Você também poderá gostar de ler:

    Você também poderá gostar de ler:

    >
    Rolar para o topo