Se não for vocee
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Feliz Ano Novo!

A noite mal começara e WangJi retornou a sua sala, quando entrou comunicou a todos que retornariam aos testes. Conversou com BaoShan que solicitou estar ao lado de Wei Ying, após o combinado todos retornaram ao salão da conferência.

Wei Ying olhava o local procurando unicamente pelo homem que criou toda confusão, ao avista-lo estremeceu e desviou o olhar para o cultivador chefe que estava no centro do salão o aguardando sentar no banco.

— Jovem mestre Wei sente-se por favor. – Jin GuangYao apontou-lhe a cadeira, assim que o rapaz sentou lhe passou as instruções. – Não há com que se preocupar jovem mestre Wei, na verdade não sentirá nada apenas lhe será entregue de um em um amuleto que absorvem energia ressentida. – Mostrou a ele um dos papeis especiais. – Não há como ludibriar esse arranjo, afinal foi o próprio Patriarca YiLing que o inventou.

Wei Ying olhou para o papel nas mãos do cultivador chefe, quando ouviu que foi o seu “eu” do passado que criou aquele papel especial seus olhos mostraram um brilho curioso.

Jin GuangYao notou aquela curiosidade no olhar e sorriu gentilmente continuando a instrui-lo no teste.

— Cada um de nós lhe entregaremos um amuleto de papel, basta somente recebe-lo e aguardar alguns segundos, se o amuleto não mudar de cor será passado adiante para o próximo até que todos aqui no recinto possa testa-lo.

—LianFang-Zun, eu entendi.

BaoShan estava ao lado dele e observava silenciosa o início do teste, conforme lhe era apresentado o amuleto de papel em branco para a sua inspeção era entregue para Wei Ying.

WangJi estava do lado aposto ao rapaz e atento a cada vez que o amuleto chegava as mãos do rapaz. Um a um foram se acumulando em uma mesa de frente a eles.

Algumas horas depois quando o último papel chegou às mãos de Wei Ying o mesmo, assim como os demais não apresentaram nenhuma mudança ou indício de energia ressentida.

Jin GuangYao ainda mantinha um leve sorriso gentil quando lhe foi entregue o punhado de amuletos sem nenhuma alteração.

— Senhores lideres de clãs, acredito que o resultado era o esperado, mesmo que em algum momento houvesse energia ressentida no jovem mestre Wei não há como burlar os amuletos. – Jin GuangYao pegou os papeis e olhou-os atento enquanto voltava a falar. – No entanto, mesmo que por hoje não encontremos nenhum vestígio de tal energia herege, ainda assim não há garantias que no futuro o jovem mestre Wei possa a desenvolvê-la.

Com essas palavras o Cultivador chefe atiçou os líderes e claro palavras receosas entre os presentes no salão.

Wei Ying olhou em volta, suspirou baixo e voltou a face para o Cultivador Chefe levantando a mão ainda receoso.

— Eu posso falar?

Todos imediatamente pararam de falar voltando atenção ao rapaz e Jin GuangYao. WangJi baixou a face, mas antes de falar algo sentiu a mão do rapaz segurar o braço dele.

— Lan Zhan, estou bem posso falar em minha defesa. – Olhou novamente para o Cultivador Chefe. – Ao que entendo todos temos direitos a defesa, mesmo errados, certo?

Jin GuangYao inclinou a cabeça concordando e fez um gesto para o rapaz levantar e poder falar.

— Jovem mestre Wei, o que tem a nos dizer?

Wei Ying olhou para a sua vó, notando que a mesma estava com semblante tranquilo foi a confirmação que teve ao decidir falar por si aqueles líderes de clãs.

— Em menos de 24 horas, eu era somente um garoto normal… – Inspirou nervoso, mas decidido a continuar. – Eu penso que mesmo com um passado ruim ao meu entender o que importa é meu eu de agora… – Olhando os demais líderes murmurarem ainda incrédulos, prosseguiu. – Eu só quero viver e que as pessoas que gosto não sejam importunadas ou acusadas de erros do passado, então diante de todos vocês, eu juro que não haverá vinganças ou cultivo de energia ressentida…

No canto extremo do salão, Jiang Cheng olhava para Wei Ying, sua expressão era sombria e vez ou outra rolava o anel Zidian no dedo.

— Promessas nunca foram seu forte, sempre as quebram… – Falou entre os dentes, mesmo que fosse em um tom mais baixo ainda assim ouvido por todos.

Wei Ying engoliu seco e voltou o olhar para o Cultivador Chefe.

— Minha avó diz que a palavra de um homem é a sua honra e deve ser cumprida, posso ser ainda jovem, mas levo eu levo com seriedade e…

— Hahahahahahaha… – Jiang Cheng gargalhou. – Ele pensa que engana a quem?

Wei Ying olhou para o outro um tanto chateado, mesmo que estivesse assustado com aquele homem não se segurou e rapidamente foi para sua direção com uma expressão irritada.

WangJi se alarmou e o seguiu, parando ao lado do rapaz com os olhos fixos em Jiang Cheng.

— Quem eu penso que eu sou? – Wei Ying falou alto com o outro. – Quem você pensa que é? Não me conhece…

Jiang Cheng que já se colocou de pé, ergueu a face se preparando para encarar WangJi. Todos a volta se levantaram alarmados. Jin Ling mesmo com a face sombria para o rapaz parou ao lado do tio temeroso com a presença de WangJi.

— Wei WuXian, acredita mesmo que me engana com esse teatrinho de adolescente reencarnado que não lembra do passado? – Jiang Cheng voltou a gargalhar cruzando os braços ainda girando o anel no dedo. – Pode enganar qualquer um, menos a mim.

— Maluco!

— Seu… – Jiang Cheng bufou.

WangJi entrou na frente do rapaz.

— É isso mesmo, maluco… Wei WuXian morreu, meu nome é Wei Ying. – Wei Ying de trás de WangJi voltou a gritar. – Não ligo para o que você acha, ao meu ver é um mal educado que não respeita nem as pessoas e fica gritando igual a um maluco.

— Cala a boca… – Jiang Cheng se afastou da cadeira voltando a ficar enfurecido.

— Tio!!! – Jin Ling entrou entre o tio e WangJi.

— Líder Jiang, por favor!!! – Jin GuangYao a esse ponto já estava próximo a eles.

— Líder Jiang, permitimos que permanecesse durante os testes com a vossa palavra de que não voltaria a intervir. – Lan XiChen parou ao lado de Jiang Cheng.

WangJi segurou Wei Ying pelo braço e afastou, ambos voltaram para o lado de BaoShan. A mulher imortal ainda se mantinha tranquila apenas observando a situação.

— Wei Ying, se acalme. – WangJi falou ao rapaz.

— Belo espetáculo, bem típico do grande Wei WuXian.

— Ah… Vá se tratar! – Wei Ying bufou e retrucou.

BaoShan cobriu os lábios com o leque e sorriu baixinho.

— Algo sensato foi dito afinal… – A mulher piscou ao neto.

— LianFang-Zun. – Wei Ying virou-se para o cultivador chefe. – Eu não sei fazer nada dessas coisas de cultivo e sinceramente falando acredito que vocês são bons o suficiente para verem que não sou Wei WuXian. – Olhou para todos no salão. – Soube por muitos que HanGuang-Jun é o mais rigoroso cultivador entre todos e também o que todos consideram e respeitam.

Todos murmuravam, concordavam com a posição de alto respeito de WangJi.

— Se minha palavra não basta, ao menos ouçam a de HanGuang-Jun. – Wei Ying olhou no cantos dos olhos para Jiang Cheng. – Era o que tinha para falar.

Jiang Cheng arfou irritado e se afastou de todos, saindo a passos largos do salão sendo seguido por Jin Ling.

Wei Ying juntou as mãos e curvou, voltando a posição ereta virou o rosto para WangJi.

— Eu quero ir embora.

WangJi curvou a cabeça concordando, caminhou a frente de todos e curvou em respeito. Levantou a face e em um tom sutil falou-lhes:

— Líderes e anciões, desde que encontrei o Wei Ying venho analisando sua energia espiritual ao ponto que se encontra não há motivos para alardes.

— HanGuang-Jun, concordamos anteriormente que deve instruir o jovem mestre Wei. – Jin GuangYao inspirou suavemente e voltou a esboçar um sorriso gentil. – Acredito que podemos encerrar os testes, já temos evidencias o suficiente. – Olhou para o rapaz e concluiu. – Jovem mestre Wei esta limpo de qualquer energia ressentida, no entanto… – Virou a face para todos os presentes. – Jovem mestre Wei irá iniciar na cultivação, tendo como mestra BaoShan SanRen e supervisionado por HanGuang-Jun. – Caminhou parando de frente a WangJi. – Faremos novos testes.

WangJi franziu levemente a testa um pouco surpreso.

— HanGuang-Jun, quanto tempo acredita que precisa para que o jovem mestre Wei esteja cultivando e seguindo o caminho correto das leis da cultivação?

Wei Ying olhou para eles confuso, virou o rosto para a sua avó que fez um gesto para ele se acalmar.

— 3 anos.

— Hum, 3 anos é pouco tempo para ele aprender e cultivar. – Jin GuangYao destilou aquelas palavras duvidosas.

— O meu neto é capaz. – BaoShan abaixou o leque e continuou. – O cultivador chefe e os demais líderes de clã devem entender de uma vez que essa é uma nova vida e como tal tem todo direito de vive-la. – A imortal abanou com leque elegantemente quando finalizou suas palavras. – As leis naturais dizem que uma vida é sempre uma vida e Wei WuXian já pagou com a própria existência no passado, afinal ele reencarnou como uma pessoa normal.

Os lideres de clãs ainda murmuravam entre si preferindo não se manifestarem mais, deixando a decisão final para o cultivador chefe.

— BaoShan SanRen e HanGuang-Jun, já que garantem que o jovem mestre Wei esteja pronto em 3 anos, declaro que faremos novos testes quando o rapaz completar 18 anos. – Curvando-se a eles, Jin GuangYao formalizou aquela decisão.

Wei Ying suspirou e sorriu para a avó e depois para WangJi falando com um tom de alívio.

— Eu vou conseguir.

WangJi curvou leve a cabeça concordando.

Os demais líderes levantaram e alguns foram conversar com o cultivador chefe, aquela conferência extraordinária havia se encerrado. Muitos ainda olhavam para Wei Ying com semblante frio e sombrio. Havia ódio marcando seus corações, afinal perderam entes queridos na Cidade sem noite.

WangJi acompanhou Bao Shan e Wei Ying para seu escritório.

ZiXuan soltou o ar do peito aliviado que finalmente havia acabado tudo e se aproximou do rapaz e da avó.

— Queria tapar a sua boca na hora que começou a gritar com aquele líder lá do clã Jiang. – ZiXuan resmungava caminhando ao lado dele e de BaoShan.

— ZiXuan, por favor agora não… – Wei Ying estava tremulo. – Quero sair logo de perto dessa gente, quero ir para casa.

— Nós vamos… – Bao Shan segurou a mão do neto lhe enviando energia espiritual.

ZiXuan suspirou leve e concordou, ele também queria ir embora, aquelas pessoas podiam falar o que fosse de Wei WuXian, porém o que ele sentia era um sentimento pesado e ruim vindo desses líderes ao ponto de deseja ir embora antes de tudo terminar.

— ZiXuan, não vamos demorar, só quero acertar alguns pontos com sr. WangJi.

BaoShan olhava-o quando entraram no escritório de WangJi. Ela sabia que além de Wei Ying ser a reencarnação de Wei WuXian, que tanto ZiXuan como a YanLi eram reencarnação de entres queridos de dois clãs naquele salão. O benefício de eles estarem bem e longe de todo aquele mundo de cultivadores era que não reencarnaram com a mesma face do passado. O único que não teve tal privilégio era Wei Ying.

WangJi e BaoShan conversaram decidindo os dias que Wei Ying ficaria com o imortal, ela assinou o documento que lhe dava a tutela do rapaz e com isso o mesmo poderia frequentar a residência da família Lan com um discípulo do clã.

WangJi estava satisfeito com o desenrolar detudo, sentiu alívio por finalmente estar livre para cuidar eproteger Wei Ying.

Quando finalmente todos aqueles líderes de clãs partiram. WangJi se despediu de seu irmão e tio que partiram em seguida. No escritório, BaoShan e ZiXuan se preparavam para partir, SiZhui se ofereceu junto com JingYi para leva-los de volta ao orfanato.

Wei Ying olhava para a porta ansioso por ver WangJi, que havia saído minutos antes.

— Vó… Digo, mestra BaoShan eu queria ficar um pouco mais…

BaoShan olhava-o um pouco séria, por fim virou aos demais na sala e pediu para deixa-la a sós com o rapaz. Tão logo todos saíram ela o chamou para sentarem e conversarem.

— Wei Ying, quer ficar por causa do Sr. WangJi?

Wei Ying corou a face levemente e sorriu balançando a cabeça confirmando a ela.

— Eu queria conversar e perguntar muitas coisas a Lan Zhan.

— Hum… – A mulher cobriu os lábios com leque e olhando-o com leve brilho nos olhos. – Deixa-me ver se entendi, quer ficar hoje com o Sr. WangJi para lhe saber mais sobre a cultivação…

— Sim… – Wei Ying confirmava alegremente.

— E o fato de você ter essa curiosidade não tem nada haver com o que sente nesse coração, que bate tão forte que posso ouvir daqui certo?

— Errr… – Wei Ying coçou levemente a ponta do nariz sorrindo ainda mais sem jeito.

— Hum… Tudo bem, apesar de hoje não ser o dia acordado com HanGuang-Jun, pode ficar.

Wei Ying ficou tão feliz que não conseguiu se controlar e agradeceu exageradamente a sua avó.

— Muito bem, sente-se, porque tenho só um aviso para lhe dar.

— Sim, vó. – Sentado esperou pelas palavras dela.

— Seja paciente, vai chegar o momento certo, então seja paciente e espere. – Sorrindo a imortal bateu levemente com o leque fechado a ponta do nariz de Wei Ying.

— Seja paciente. – Wei Ying por um momento ficou confuso e olhava-a sem entender aquela mensagem por uns instantes. – Paciente… – Com os olhos abertos por entender o que ela queria dizer, corou tanto que sorriu ainda mais, só que de nervoso. – Serei paciente.

— HanGuang-Jun é conhecido por ter um autocontrole formidável, é por isso que deixarei ficar essa noite. – BaoShan levantou e caminhou para a porta, ao abrir, ambos saíram do escritório e encontraram os demais junto a WangJi. – Sr. WangJi, meu neto pediu para ficar essa noite contigo, algum problema?

WangJi olhou-a e depois para Wei Ying, não era tão difícil de notar o carinho nos olhos do segundo mestre Lan.

— Não há problema.

— ZiXuan vamos para casa estou cansada… – BaoShan caminhou a frente com o outro neto enquanto resmungava. – Não é porque sou imortal que não me canso, aliás a imortalidade é cansativa, não estou certa HanGuang-Jun? – Ela parou de frente ao elevador com um sorriso divertido e completou. – Afinal é tão imortal quanto eu… – Logo que a porta se abriu entrou com leve sorrisinho nos lábios ao notar a face de Wei Ying.

Wei Ying arregalou os olhos ao ouvir sobre a imortalidade de WangJi e olhou-o de cima a baixo.

— Você é imortal? Igual aos caras lá no salão? Igual a vó?

— Hm.

— Eu achei que você… Ok!!! – Wei Ying estava surpreso.

— Vamos para meu apartamento. – Estendeu a mão para o rapaz.

Wei Ying olhou a mão e feliz segurou-a firme.

— Lan Zhan, para o nosso apartamento.

WangJi o levou para o lado oposto onde era o elevador privativo para a cobertura onde morava. Logo que entraram e a porta se fechou, Wei Ying não se segurou e abraçou WangJi. Este retribuiu o abraço afagando carinhosamente as costas do rapaz.

— Lan Zhan, eu… – Wei Ying afastou o rosto e com olhar desejoso inclinou para beijar os lábios de WangJi.

— Wei Ying, espere… – WangJi afastou-o gentilmente. – Vamos conversar…

Wei Ying estava agitado e ansioso, queria sentir novamente os lábios de WangJi como no dia anterior.

— Lan Zhan, eu quero tanto… Quero sentir seus lábios, seu carinho e… – Wei Ying afobou-se empurrando WangJi de encontro a parede do elevador, insistindo no beijo. – Eu sinto sua falta… – Tocou levemente os lábios do outro.

WangJi evitou apesar de relutante em seus olhos haviam um brilho desejoso apesar de tudo, precisava conversar e fazer o rapaz entender que não era o momento certo. Notando o olhar frustrado de seu afeto, inspirou leve até que o som do pin do andar tocou e a porta se abriu.

Segurando-o pela mão, ambos entraram no apartamento e WangJi o fez sentar no sofá.

— Deve estar com fome. – Afastou-se para ir à cozinha.

Wei Ying tinha uma expressão frustrada com aquela pequena rejeição. Por fim recordou das palavras da avó que WangJi tinha um ótimo autocontrole. Bufou e levantou indo até a cozinha, quando parou na porta ficou olhando WangJi aquecer a refeição.

— Lan Zhan, eu quero dizer que…

— Vá sentar a mesa, levo a refeição.

Wei Ying torceu leve o nariz e depois passou leve o dedo, girando o corpo e indo para a mesa na sala, quando sentou ficou olhando de onde estava para WangJi. Pegou seu telefone do bolso e tirou algumas fotos sem que o outro notasse.

— Imortal… Como deve ser viver para sempre? – Olhava para as fotos que tirou na tela do smartphone. – Hum, Lan Zhan viverá para sempre… – Abriu os olhos um pouco espantado ao constatar que ele era uma pessoa normal. – Isso que a vó quis dizer para eu ser paciente… – Murmurava olhando a tela do aparelho, quando um prato pousou a sua frente.

Wei Ying ergueu o rosto e ofegou ao deparar com aqueles par de olhos claros.

— Coma.

— Sim, Lan Zhan. – Sorriu e pegou uma colher e dois pauzinhos. – Ei, Lan Zhan, eu sinto que fiz besteira no elevador…

WangJi sentou e se serviu, voltou a falar com ele.

— Não fale durante as refeições.

— Ah, esqueci desse detalhe… – Wei Ying colocou o telefone do lado do prato e comeu uma porção do cozido de carne de porco. – Suas regras… hahahahaha…

“…”

— Lan Zhan, vou ter que seguir aquelas milhares de regras? – Arregalou os olhos lembrando-se desse detalhe. – Eu não quero ser punido.

“…”

— Eu não vou conseguir hahahahahaha… – Riu nervoso, imaginando qual seriam as punições.

— Você não deve se preocupar, as regras são para os discípulos do clã Lan. – Voltou a comer pequenas porções do ensopado.

— Hum… – Suspirou aliviado. – Que bom.

Wei Ying olhava para WangJi e mesmo que tenha se afobado no elevador, ainda se sentia tentado, porém dessa vez queria saber até onde o outro aguentaria as provocações queria se divertir com ele. Esticou a perna e com o pé passou-o na perna de WangJi por baixo da mesa, fingindo que olhava a tela do seu aparelho, enquanto comia.

WangJi sentiu o toque e olhou-o por uns instantes, sentindo o pé dele roçando sua panturrilha por baixo da perna da calça. A sensação era boa e o fez sentir um arrepio correr todo corpo. Entendendo que era mais uma provocativa, voltou a comer sua refeição, deixando o rapaz se divertir.

— Lan Zhan, sente isso?

“…”

— Se não posso beijar, ao menos posso tocá-lo, certo?

“…”

— Hahahaha, eu posso fazer isso? – Wei Ying levantou o pé e roçou a cocha de WangJi por cima da calça.

“…”

WangJi estreitou os olhos.

— Oh!!! Que olhar é esse? Vai me punir? – Mordeu os lábios e voltou a sorrir divertindo-se com toda aquela brincadeira de provocar o outro. – Ei, Lan Zhan vai me punir ou não? – Notando que o outro ainda o olhava sem demonstrar reação. — Hahahahahahaha, de fato é verdade que HanGuang-Jun é muito disciplinado.

WangJi afastou a cadeira e levantou recolhendo os pratos da refeição que terminou de comer, deu a volta na mesa e parou ao lado de Wei Ying.

— Terminou sua refeição.

— Ah, claro estou satisfeito. – Sorrindo afastou a cadeira e levantou olhando para WangJi se aproximando ainda mais até seus rostos estarem bem próximos. – Como sempre, tudo muito saboroso.

WangJi deu um passo para trás e pegou o prato levando o restante da louça para a cozinha falando com ele.

— Vá para a sala e me espere.

— Vou te ajudar a cuidar da louça. – Quando fez menção de segui-lo foi conduzido para a sala.

— Espere.

WangJi deixou-o e voltou para arrumar a cozinha. Wei Ying voltou a fazer uma careta torcendo o nariz e se largou no sofá pegando o controle ligando a tv em seguida. WangJi retornou minutos depois e viu o rapaz deitado no sofá assistindo a um programa de música.

Wei Ying prontamente se sentou e cruzando as pernas esperou o outro sentar ao seu lado, mas suspirou quando WangJi sentou em uma poltrona ao lado do sofá largo.

— Lan Zhan, senta aqui do meu lado.

WangJi hesitou até que segundos depois levantou e sentou ao lado de Wei Ying.

— Vamos a nossa conversa, Lan Zhan?

— Há muitas informações, aos poucos vou lhe contando.

— Lan Zhan, desde quando é imortal? – Wei Ying estava agitado e começou a despejar um monte de perguntas no outro. – Você sabia que eu era Wei WuXian quando a gente se conheceu? E me diga, por que cortou o seu cabelo? – Olhou para o cabelo curto e estendeu a mão tocando os fios curtos. – Eu achava tão lindo. – Rapidamente passou a mãos nos dele soltando o pequeno rabo de cavalo que tinha feito com a fica vermelha. – Olha, estava deixando o meu crescer para ficar igual ao seu cabelo. – Wei Ying estava visivelmente chateado.

WangJi ouviu as perguntas e suas feições eram suaves quando o outro falou do cabelo, aproximou dele e tocou os fios soltos de Wei Ying recordando dos cabelos de Wei WuXian quando o abraçou no passado.

O gesto de WangJi deixou Wei Ying ainda mais desejoso e murmurando se aproximou mais do outro.

— Lan Zhan, posso te abraçar?

WangJi abriu levemente os braços e inclinou o rosto permitindo.

Wei Ying se lançou naqueles braços e aninhou-se sorvendo o aroma de sândalo que tanto lhe acalmava.

WangJi abraçou-o e fazendo carinho nas costas de Wei Ying, encostou o rosto na testa do rapaz e fechou os olhos, aquele momento era tudo que podia ter. Alguns minutos se passaram, ambos em silêncio se curtiam abraçados.

— Wei Ying.

— Sim, Lan Zhan. – O rapaz tinha a voz suave e seus olhos um brilho apaixonado.

— Vamos deixar o cabelo crescer juntos.

Wei Ying levantou a cabeça e olhou-o sorrindo. Estava novamente agitado voltou a fazer um monte de perguntas.
WangJi ia respondendo, geralmente com frases curtas e sem muita explicação. Wei Ying já havia notado que ele era mais direto em algumas coisas e outras WangJi se calava, então, resolveu limitar as perguntas que sabia que teria respostas que desejava. Em determinado momento, pararam para um banho e se trocarem para roupas mais à vontade e voltaram para a sala continuando a conversa. Já era madrugada quando o sono começou a vencer ambos.

— Lan Zhan, então, você me conheceu antes… – Deitado no ombro de WangJi bocejou. – Me diga, eu era ruim?

— Não, mas o caminho que sequiu era ruim.

Wei Ying se afastou dos braços de WangJi e olhou-o voltando a bocejar.

— Lan Zhan, tem algo que ainda não consigo entender.

— O que é?

— Se eu era um cultivador jovem e poderoso como muitos diziam, até mesmo você disse que eu era muito bom. – Wei Ying esfregou os olhos e virou-se ajeitando-se no sofá. – Se eu era assim tão bom, por que eu seguiria o cultivo demoníaco?

WangJi sentou na beira do sofá e ao ouvir aquela pergunta olhou-o intensamente, levantou por fim e estendeu a mão para ajuda-lo a levantar.

— É uma resposta que não tenho como lhe dar, mas o que percebi na época que a base do cultivo estava danificada. – WangJi andava pelo corredor que levava aos quartos e parou de frente ao que era de Wei Ying, abriu a porta. – Eu queria ter ajudado mais…

Wei Ying olhou para o quarto e depois para WangJi, um sorriso arteiro brotou nos lábios pulou no ombro do outro.

— Lan Zhan quero dormir com você.

— Não.

— Ahhh, Lan Zhan…

“…”

WangJi baixou o corpo, passou o braço pelas pernas erguendo Wei Ying, levou para a cama no quarto reservado para ele e o deitou, cobrindo em seguida.

— Até logo mais, Wei Ying.

— Lan Zhan, deixa? Eu fico quietinho, juro!

“…”

WangJi se afastou e foi para a porta quando apagou a luz ouviu-o resmungar.

— Eu vou invadir mesmo seu quarto logo que deitar…

“…”

Quando a porta do quarto se fechou, Wei Ying tentou se mexer e percebeu que seu corpo havia travado, ralhou alto até perceber que sempre acontecia quando WangJi estava por perto.

— Ahhhhhh LAN ZHAN, VOCÊ USOU ARRANJO EM MIM… – Bufou. – E eu achando que o atropelamento tinha me afetado. – Resmungou até cansar e adormecer.

Alguns dias depois, noite da virada de ano novo do calendário cristão

Alguns dias depois, noite da virada de ano novo do calendário cristão…

— Lan Zhan, quero comer algo. – Wei Ying estava sentado no banco do carona ao lado de WangJi, jogando um jogo em seu smartphone.

— Estamos chegando no orfanato. – WangJi dirigia atento ao trânsito que estava muito lento.

— Lan Zhan, por que não viemos em Bichen? É bem mais rápido… – Wei Ying olhou pela janela do carro o trânsito lento.

“…”

— Sério, Lan Zhan… – Sorriu divertindo-se com a face indiferente do outro até que a música do jogo lhe chamou atenção. – Ah que droga… – Voltou a jogar, enquanto tagarelava. – E estamos aqui presos no trânsito e capaz de passarmos a virada de ano novo no carro hahahahahahaha… – Deu de ombros ainda jogando. – Não ligo, estou com você é o que importa… Ahhhh!!! Parar avatar maldito, me fez perder de novo.

WangJi olhava-o no canto dos olhos, um leve sorriso em seus lábios surgiu quando voltou a face para frente guiando o veículo para a periferia. Poucos minutos depois chegaram ao seu destino, ao saltarem do carro foram recebidos no portão pelas crianças. O grupo estava agitado em volta de Wei Ying.

BaoShan estava na varanda chamando por elas para entrarem e irem se preparar para o jantar de ano novo. YanLi apareceu fazendo sinal para a turma seguir ao banho, acenou para Wei Ying e WangJi, deixando-os para ajudar a vó a preparar os pequenos.

Wei Ying seguiu até a sala e largou a mochila no sofá, quando ZiXuan apareceu carregando uma caixa com alguns fogos de artifícios.

— Que bom que chegaram, vem me ajudar Wei Ying, vamos separar e preparar os fogos no pátio.

— Claro. – Wei Ying olhou Lan Zhan e pegou a sua mão. – Vem Lan Zhan, vai ser divertido. – Arrastou-o até o pátio.

— Ainda bem que não está nevando, podemos acender no pátio sem molhar. – ZiXuan conversava alegremente com ambos. – Wei Ying, aproveitando que estamos aqui, quero lhe contar algo.

Wei Ying amarrava em uma vara um pequeno rojão e olhou-o curioso.

— O que foi, ZiXuan?

— Bom. – ZiXuan tinha a face levemente corada quando tirou do bolso de seu casaco uma pequena caixa de veludo, abriu e mostrou para o rapaz um par de alianças. – Acha que sua irmã vai gostar?

Wei Ying olhou para aquelas alianças e ficou sério uns instantes. Pegou a caixinha de veludo das mãos do outro, olhando até que suspirou e devolveu com um sorriso na face.

— A-Li vai adorar… – Wei Ying tinha um leve aperto no peito. – Vai pedir ela em casamento igual ao ocidente?

ZiXuan sorriu sem jeito e olhou as alianças.

— Não é tradição nossa, mas achei bonito e espero que ela goste… – Fechou a caixinha e colocou no bolso.

Wei Ying olhou para WangJi com um sorriso seco. O imortal curvou leve a cabeça para o rapaz, demonstrando está satisfeito com a postura dele em relação a irmã se casar.

No mesmo dia, mais cedo, ZiXuan ligou para WangJi pedindo ajuda para conversar com Wei Ying e prepara-lo para aquela noite, onde formalizaria o pedido de casamento a YanLi

No mesmo dia, mais cedo, ZiXuan ligou para WangJi pedindo ajuda para conversar com Wei Ying e prepara-lo para aquela noite, onde formalizaria o pedido de casamento a YanLi.

— ZiXuan vai pedir A-Li em casamento?!!! – Wei Ying emburrou e cruzou os braços sentando no sofá da ampla sala do apartamento de WangJi.

— Wei Ying, eles são noivos.

— A-Li é nova, não pode casar. – Wei Ying estava irritado.

“…”

— Não pode Lan Zhan.

“…”

— Ela não pode casar.

“…”

WangJi sentou ao lado dele no sofá e ficou olhando em silêncio.

— Arrrrr…. Está certo, eu estou implicando atoa.

— Hn.

— Lan Zhan, não concorda. – Bufou.

“…”

— E hoje à noite?

— Hn

A noite depois da refeição todos foram para o pátio acenderem os fogos, em meio a comemoração da virada de ano novo, ZiXuan pediu YanLi em casamente. A surpresa foi tamanha que a jovem se assustou com aquela caixinha de veludo, mas a emoção tomou conta de todos quando ela disse sim ao pedido e estendeu a mão para trocarem as alianças e formalizar.

— Vamos nos casar na primavera, que tal? – ZiXuan abraçou a noiva.

— Eu acho justo. – Sorrindo YanLi abraçou apertado o noivo.

Wei Ying estava sentado no banco olhando-os, suspirou e por fim sorriu voltando a olhar o céu que ainda havia fogos que estouravam clareando e colorindo o céu noturno.

WangJi estava ao seu lado e olhou-o por uns segundos até que se aproximou e falou baixo perto de seu ouvido.

— Feliz ano novo!

Wei Ying, virou o rosto para ele e seus lábios abriram em um largo sorriso.

— Feliz ano novo, Lan Zhan!

Continua…

Vamos a informações culturais da China:

 >DAgora vamos a informações culturais da China:

Sobre comemoração do Natal e Ano novo.
A data é amplamente comemorada no Ocidente e é tradicionalmente santificada para os cristãos, porém, sua popularidade ganhou o mundo todo e hoje, embora não seja feriado em países não cristãos, o Natal está presente na rotina de pessoas em todo o globo. É nesse contexto que a China se encontra. O gigante asiático não é um país cristão e o número de cristãos batizados no país representa cerca de 1% da população.

Com a globalização e a maior interação entre as nações, o Natal foi inserindo-se na China através dos estrangeiros que vivem no país, do interesse dos chineses em aproximarem-se dos costumes ocidentais e do fomento ao comércio. Os laços entre os países se estreitaram e as culturas foram influenciando umas às outras. O grande número de estrangeiros que vivem e trabalham na China foi essencial para que esta data fosse incorporada pelos chineses. Por isso, o Natal é principalmente presente nos grandes centros urbanos do país, como, por exemplo, Shanghai, Beijing, e Shenzhen. Por esses fatores, a data é lembrada na China, não com um cunho religioso/cristãos, mas relaciona-se com a onda da globalização e do consumo. O mesmo acontece com o ano novo do calendário ocidental a festividade é utilizada como artifício para movimentar a economia chinesa e fomentar as vendas como um todo.

Atenção: A Widcyber tem a autorização do autor para publicar este conteúdo.

cropped-wid-1.png

NAVEGAR

>
error: Este conteúdo é protegido! A cópia deste conteúdo não é autorizada em virtude da preservação de direitos autorais.
Rolar para o topo