FAMÍLIA POR ACASO

EPISÓDIO 04

EPISÓDIO ESCRITO POR:

LEONARDO ANTUNES

EPISÓDIO DE HOJE:

“APRENDA COM O PAPAI, MARTA!”

CENA 01. CASA DOS PAIS DE DAFNE. SALA. INTERIOR. DIA.

Continuação imediata da última cena do episódio anterior.

MARTA              — Anda! Eu estou à espera de uma resposta!

SÉRGIO              — Marta, você não entende. Eu quero ver a nossa filha feliz! Se ela não está se sentindo bem nessa casa, pra que continuar forçando a coitadinha a viver aqui contra a vontade dela?

MARTA              — Do jeito que você fala até parece que eu não quero a felicidade da nossa filha!

DAFNE               — Não! Você não quer! O que você quer é que eu continue morando aqui nessa casa e sendo infeliz!

MARTA              — Claro que eu quero o seu bem, garota! Mas acontece que sair de casa pra morar com aquele povinho não é a solução! Será que é só eu que enxergo que isso nunca vai dar certo?

Dafne bate o pé e vai para o quarto. Os dois se olham sérios. Instantes. Tensão.

CORTA PARA:

 

CENA 02. CASA DOS PAIS DE DAFNE. QUARTO DAFNE. INTERIOR. DIA.

Dafne entra, bate à porta violentamente e se joga na cama aonde fica se debatendo e dando socos no colchão.

DAFNE               — (P/si) Que ódio! Que ódio! Eu odeio viver nessa casa!

CORTA PARA:

 

CENA 03. BAR DO BAIRRO. SALÃO. INTERIOR. DIA.

Bar lotado de homens. Há poucas mulheres ali. Todos assistindo futebol. Edu nem aí pro futebol e mexendo em seu cel. Vitor ali apreensivo com o jogo.

VITOR                 — Vai cara! Faz o gol!

O jogador erra o gol e os homens ficam ali reclamando.

VITOR                 — O que você tanto faz nesse celular aí?

EDUARDO          — Tô aqui vendo umas coisas! Aqui vai uma curiosidade/

VITOR                 — (Corta) Poupe-me dos relatos da sua nerdice!

Atenção Sonoplastia: Entra aqui o som do tinder.

Eduardo fica ali cheio de vergonha.

VITOR                 — Eu conheço esse barulho, hein! Tá usando o tinder, nerd?

EDUARDO          — Tô! Agora será que dá pra você falar mais baixo?

VITOR                 — Relaxa, cara. Apesar do tinder ser um aplicativo um pouco antigo. Usar ele é a coisa mais normal do mundo! Eu vou te dar umas dicas. Peguei três mulheres nesse aplicativo!

Vitor ver uma morena bonita, alta passando.

EDUARDO          — Qual a dica que você vai me dar, Vitor?

Ele ali babando na morena que vai conversar com um grupo e mulheres lindas.

EDUARDO          — (Chama) Vitor!

Ele de costas pra Eduardo coloca a mão na cara dele e arremata.

VITOR                 — Depois a gente conversa! Agora deixa eu conhecer a morena mais linda desse mundo!

Ele se ajeita e vai conversar com as mulheres lindas.

EDUARDO          — (P/si) Pronto! Agora fiquei eu aqui sem as dicas de um pegador como o Vitor. (Olha pro cel.) Não sei o que responder.

Ele fica ali pensativo.

CORTA PARA:

 

CENA 04. CASA DOS PAIS DE DAFNE. SALA. INTERIOR. DIA.

Continuação não imediata da cena 01. Clima tenso. Os dois ainda ali. Mas um de costas para o outro.

SÉRGIO              — Marta, eu quero que você pelo menos tente entender os motivos que me levaram a fazer isso!

MARTA              — Eu não entendo! Eu não entendo porque você colocar a nossa filha pra morar com um bando de jovens desmiolados! Coloca a mão na consciência, Sérgio! Isso nunca vai dar certo!

SÉRGIO              — Eu também acho que não vai dar certo!

MARTA              — Então por que você tá arrumando casa pra eles?

SÉRGIO              — Meu amor, tenta entender que a gente não pode manter a Dafne aqui dentro! Se ela quer sair de casa e viver com os amiguinhos dela, deixa ela sair!

MARTA              — Sérgio, eu não tô conseguindo entender essa sua linha de raciocínio!

SÉRGIO              — Meu amor. Pensa que as vezes nós temos que passar uma coisa muito ruim pra tomarmos a direção certa na vida!

Fecha em Marta ali apreensiva.

CORTA PARA:

 

CENA 05. RUA DE TERRA DO BAIRRO. EXTERIOR. DIA.

Rua deserta. Laís ali caminhando mexendo no cel.

LAÍS                    — (P/si, intrigada) Ué! Por que será o gatinho não respondeu? Será que ele não gostou da minha foto? Mas que pergunta, né, Laís! Com uma foto dessas, é obvio que ele vai gostar! Qualquer um gostaria de ter uma gostosa como essa pra chamar de “sua”!

CAM detalha a tela do cel. De Laís com a foto de uma mulher super bonita e detalhe… magra. Ela continua a caminhar.

CORTA PARA:

 

CENA 06. BAR DO BAIRRO. SALÃO. INTERIOR. DIA.

Bar lotado. Vitor ali conversando com as mulheres. Eduardo ali aflito olhando pro cel.

EDUARDO          — (P/si, aflito) E agora, meu Deus? O que eu escrevo pra ela?

Corta para um outro ponto do bar: Vitor ali conversando com quatro mulheres lindas.

MULHER            — (Impressionada) Não brinca! Então você é um jogador de futebol?

VITOR                 — Sou!

MULHER 2          — Então como é que a gente nunca ouviu falar de você?

VITOR                 — É que eu ainda jogo num time pequeno. Mas tô pra assinar contrato com um dos maiores times do Rio de Janeiro.

MULHER 3          — Ah é? (Tira do decote um número) Então liga pra mim quando você estiver jogando na série A!

Ela coloca o papel no nariz dele que fica ali maravilhado.

VITOR                 — Pode deixar que eu vou ligar pra todas irem tomar banho na piscina da minha mansão!

CORTA PARA:

 

CENA 07. CASA DOS PAIS DE DAFNE. SALA. INTERIOR. DIA.

Continuação imediata da cena 03.

MARTA              — Aonde é que você tá querendo chegar com isso, Sérgio?

SÉRGIO              — A Dafne indo morar com os amiguinhos dela, ela vai perceber o quanto é difícil ser adulto e morar sozinha.

MARTA              — (Entende) Ah… Agora eu tô entendendo qual é a sua real intenção deixando ela sair de casa.

SÉRGIO              — Tá vendo só? Às vezes eu tenho que tomar as minhas próprias decisões estratégias pra você me entender.

MARTA              — É… Devo admitir que essa foi uma ideia excelente! Ela vai quebrar a cara e vai voltar pra casa!

CORTA PARA:

 

CENA 08. BAR DO BAIRRO. SALÃO. INTERIOR. DIA.

Bar lotado. Eduardo ali ainda aflito, pensativo. CAM vai passando por todos os figurantes ali. E para em Vitor conversando com as quatro mulheres lindas.

VITOR                 — Me diz uma coisa aqui… Quatro mulheres tão lindas quanto vocês estão fazendo o que por aqui sozinhas?

MULHER            — Meu amor, você nem imagina! (Chama) Montanha!

Um homem alto, forte, todo musculoso se aproxima e Vitor arregala os olhos.

MULHER            — Ele quer saber o que a gente está fazendo aqui sozinhas?

MONTANHA      — (Tom) Ah… Ele quer saber, é?

Montanha pega Vitor pela blusa.

VITOR                 — (Medo) Que isso cara? Pra que violência quando a gente pode resolver isso numa conversa?

MONTANHA      — (Tom) Tá achando que vai mexer com as minhas meninas e vai ficar assim?

VITOR                 — (Medo) Ai mamãe me salva!

Eduardo intervém.

EDUARDO          — Montanha?

Ele se vira e arremata.

MONTANHA      — Eduardo? Quanto tempo cara!

EDUARDO          — Pois é. A gente não se ver desde quando eu fui lá na tua casa ver a tua máquina. Como ela está?

MONTANHA      — Travando, mas ainda dá pra usar.

VITOR                 — (Com dificuldade) Tá me sufocando!

MONTANHA      — (Tom) É o que? Eu não ouvi direito!

VITOR                 — Ele tá comigo, cara!

MONTANHA      — Isso aqui é seu colega?

VITOR                 — Colega não! Eu diria um conhecido!

MONTANHA      — Ah tá! (Solta Vitor) Agradeça o seu conhecido, senão eu ia acabar com a tua raça!

Montanha pega suas quatro mulheres e sai do bar. Vitor fica ali se recompondo.

VITOR                 — De onde é que você conhece esse cara?

EDUARDO          — Há muitas coisas sobre mim que vocês nem imaginam!

Vitor fica ali com a mão no pescoço.

CORTA PARA:

 

CENA 09. CASA DOS PAIS DE DAFNE. QUARTO DAFNE. INTERIOR. DIA.

Dafne ali deitada na cama. Ela olha pra mesinha de computador e arremata.

DAFNE               — (P/si) Eu ainda tenho você, é?

Ela se levanta e vai até a mesinha, aonde pega o diário.

DAFNE               — (P/si) Faz tanto tempo que eu não escrevo! Mas eu tô precisando de uma sessão com você doutor terapeuta diário.

Ela pega uma caneta e se senta ali a mesa aonde começa a escrever.

DAFNE               — (OFF) Querido diário! Faz tanto tempo desde a última vez que escrevi em você. Mas agora tá acontecendo cada coisa em minha vida que eu vou voltar a ter sessões com você, meu preferido terapeuta…

Ela continua ali escrevendo…

CORTA PARA:

 

CENA 10. RUA DE TERRA. EXTERIOR. ANOITECENDO.

Rua deserta. Eduardo ali caminhando com o cel. na mão.

EDUARDO          — (P/si) O que eu respondo pra ela, gente?

Ele pensa por um instante.

EDUARDO          — (P/si) Já sei! (Digitando) Deixa eu colocar o meu cabo na sua porta USB? (P/si) Enviar!

CORTA RÁPIDO PARA:

 

CENA 11. CAMPINHO. EXTERIOR. ANOITECENDO.

Campinho vazio. Laís ali caminhando.

Atenção Sonoplastia: Entra aqui o som do tinder.

LAÍS                    — (P/si) Deve ser o meu paquera.

Ela pega o cel. e lê a mensagem.

LAÍS                    — (Lendo) Deixa eu colocar o meu cabo na sua porta USB? (P/si) Nossa! Mas que cantada mais nerd! Bloqueia! Não faz o meu tipo!

Ela vai caminhando e mexendo no cel.

CORTA PARA:

 

CENA 12. CASA DOS PAIS DE DAFNE. COZINHA. INTERIOR. NOITE.

Marta ali batendo uma massa de bolo. Sérgio vem da sala e tira um copo d’água na geladeira.

MARTA              — Tô até agora pasma com você, meu amor!

SÉRGIO              — Por quê?

MARTA              — Porque você conseguiu bolar um excelente plano como aquele.

SÉRGIO              — Pois é, meu amor. Eu também sei pensar e sei tomar algumas decisões. Aprenda com o papai aqui, Marta!

MARTA              — Também não começa se exibir, né!

SÉRGIO              — (Se aproxima dela) Começo sim! Que tal se mais tarde a gente se exibir na nossa cama?

Ele fica ali beijando o pescoço dela.

MARTA              — Até que não seria uma má ideia.

Os dois ficam ali agarradinhos.

CORTA PARA:

 

CENA 13. CASA DOS PAIS DE DAFNE. QUARTO DAFNE. INTERIOR. NOITE.

Dafne ali sentada escrevendo do diário.

DAFNE               — (OFF) E foi assim que tudo aconteceu querido diário!

Ela deixa o diário ali e se levanta.

DAFNE               — (P/si) É… Me sinto até mais leve! Estava mesmo precisando disso!

CAM detalha o diário e…

CORTA PARA:

 

FIM DO QUARTO EPISÓDIO

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo