CENA 01 – FIM DE TARDE – PRAIA – EXTERNA.
 
Continuação imediata do capítulo anterior.
Helena: Ai desculpa, moça. Não foi minha intenção. Está tudo bem?
Cigana: Não foi nada. – a cigana olha profundamente para Helena. – moça, eu posso ler a sua mão?
Helena: Não, obrigado. Eu não acredito nessas coisas.
Cigana: Está com medo?
Helena, meio irritada: Não… Não é medo. Só não acredito nessas coisas.
Cigana: Se não tem medo, o que que tem deixar eu ler a sua mão?
Helena, incomodada: Tudo bem… – ela estende a mão para a cigana.
Cigana, deslizando o dedo e olhando fixamente para a palma da mão de Helena: Hum… Vejamos… Olha, que lindo… Você dedica sua vida em prol da arte. Dona de uma galeria.
Helena, irônica: Ah, muito difícil ver isso, já que meu nome e meu rosto vivem estampados em diversos outdoors pela cidade.
Cigana, com um olhar sério: Moça. Algo de muito grave vai acontecer com você.
Helena, assustada: Como assim, algo grave? Mas…
Cigana, a interrompendo: Previna-se moça. Não deixe que tudo aquilo que você conquistou por anos se escape pelo vão de seus dedos. Previna-se!
Helena, meio irritada: Como eu te disse, eu não acredito nessas coisas. Com licença.
Cigana, a segurando pelo braço: Cuidado, moça. Existem pessoas que querem te destruir. Tome muito cuidado.
Helena: Me solta, sua louca. – e sai…
A cigana a persegue com o olho, até a perder de vista.
Close no olhar pensativo de Helena.
 
CENA 02 – NOITE – APARTAMENTO DE OFÉLIA E ARISTIDES – INTERNA
 
Os dois estão assistindo TV.
Ofélia: Sabe, Ari. Tava aqui pensando. Não acho ser uma boa ideia a Helena vender a parte dela na galeria para o Daniel.
Aristides: Mas por que?
Ofélia: Sabe, ela conquistou aquilo com tanta garra, tanto sacrifício. Não, não concordo em ela vender a parte dela naquela galeria.
Aristides: Mas, Ofélia. A nossa filha está ficando doente. Todo dia é um aborrecimento diferente. E isso não é bom pra ela. E outra, ela assim terá tempo para cuidar dos filhos dela. Principalmente do João que vive dando problemas.
Ofélia: Tá, mas se o problema é o João, ou a saúde dela, que seja, por que ela não tira umas férias? Não precisa se desfazer assim das coisas.
Aristides: Ofélia, entenda uma coisa: Ela bem poderia tirar umas férias, sim. Mas depois das férias, os problemas retornariam ainda piores. E ela ficaria mais aborrecida, mas depressiva. E ela precisa ser feliz. Precisa. A quanto tempo que eu não vejo minha filha sendo feliz…
Ofélia: Bom… Pode até ser. Mas que fique bem claro que eu não concordo com isso.
Aristides: E que fique bem claro que, concordando você ou não, ela é adulta já tomou a decisão dela. Goste você ou não. E que eu estou muito feliz com isso. Agora, vamos voltar para o filme.
Os dois assistem. Close no olhar descontente de Ofélia.
 
Amanhece o dia em Esperança. Imagem acelerada do sol nascendo. Foca na fachada do hospital Arcanjo Miguel.
*Trilha Musical – This Moment – Katy Perry
 
CENA 03 – DIA – HOSPITAL ARCANJO MIGUEL – INTERNA.
 
Na recepção do hospital, Olavo está tendo alta.
*Fad Out trilha Musical
 
Médico: Os devidos exames já foram feitos. Quando sair o resultado, entramos em contato.
Joana: Mas por enquanto, meu filho está bem?
Médico: Está sim. Ele reagiu muito bem aos remédios. Agora, é só continuar o tratamento em casa.
Olavo: Ok. Podemos ir embora?
Joana: Credo, Olavo. Nem agradece o doutor. – ao doutor – Doutor, muito obrigado por tudo, fico no aguardo do seu retorno.
Médico: Retorno sim. E, Juízo, rapazinho. Se cuida.
Joana: Bom dia, doutor. Até Mais.
Joana e Olavo vão embora.
 
CENA 04 – DIA – GALERIA ART’ VIDA – INTERNA.
 
Helena e Daniel discutem sobre a próxima exposição, mas Helena está distante.
Daniel: Então, eu estava vendo algumas pinturas que temos no nosso acervo, e separei algumas que seriam bem interessantes na exposição e… – ele percebe que Helena não está prestando atenção. – Helena??? Helena??? Você está bem?
Helena: Han? Ahh! Desculpa, Daniel. Só estou um pouco indisposta.
Daniel: Mas o que houve? Posso ajudar em algo?
Helena: Não, obrigada. Vou ficar bem.
Daniel: Se você quiser podemos conversar depois.
Helena: Não, não. Precisamos resolver logo isso. Mas o que você estava falando, mesmo??
Daniel: Então. Eu estava vendo alguns quadros no nosso acervo e… – fad out e os dois continuam conversando em off.
 
CENA 05 – DIA – APARTAMENTO DE HELENA – INTERNA.
 
Mirella toma café com João Victor, mas nem olha para ele.
João Victor: Mirella, você ainda está chateada comigo?
Mirella: João, esquece esse assunto. Eu não quero mais discutir sobre isso com você. Você já é de maior, e, pelo menos eu acho que você já sabe cuidar da sua vida..
João Victor: Eu sei que tenho cometido muitos erros ultimamente. E um deles foi ter brigado com você. Você me perdoa?
Mirella: Olha Joao, eu amo muito, muito você. E sempre vou me preocupar com você, que isso fique bem claro. E eu te perdoo sim.
Os dois se abraçam.
 
CENA 06 – DIA – GALERIA ART’VIDA – INTERNA:
 
Helena: Sabe o que eu vi na internet e achei muito interessante? Que a gente poderia apresentar um vernissage.
Daniel: Vernissage? Será?
Helena: Sim. Um vernissage, você sabe o que é. Uma pré exposição apenas para convidados.
Daniel: Será que é uma boa ideia?
Helena: Claro que é. Assim, os comentaristas nos expressam suas opiniões e, assim, na exposição oficial, apresentamos o melhor para o grande publico.
Daniel: É. Até que não é má ideia.
Helena: Claro que não. Vai ser ótimo. Você pode até adotar a ideia para suas próximas exposições, quando eu não estiver mais aqui.
Daniel: Vamos analisar melhor a ideia. Mas continuando, esse quadro aqui é muito especial, porque, lembra, quando eu o pintei… – os dois conversam em OFF
.
CENA 07 – TARDE – GALERIA ART’ VIDA – INTERNA
 
Na Sala de Francisco, ele liga para casa.
Francisco, no telefone: Tudo bem, meu amor?… E o Olavo, como está?… Que bom, que bom… Está dando o remédio dele certinho?… Ótimo… E então? O que acha de jantarmos fora hoje? Eu, você e o Olavo?… Claro, a poeira já abaixou, tudo se acalmou, vamos… Merecemos esse momento juntos… Então ta. Saindo daqui, eu só chego em casa, tomo um banho, e saímos. Beijo, meu amor. Tchau.
Ele desliga o telefone.
 
CENA 08 – FIM DE TARDE – GALERIA ART’ VIDA – INTERNA
 
Daniel está fechando a galeria e percebe que a sala de Helena ainda está acesa.
Daniel: Ih, Helena deixou a sala dela acesa. Bom, vou fechar aqui por que… – ele se assusta com Helena que ainda está na sala dela. – Helena, que susto. Já estou fechando a galeria, vamos?
Helena: Eu vou ficar aqui mais um pouco. Pode ir que eu fecho.
Daniel: Bom… Tudo bem entao. Boa noite.
Helena: Boa noite.
Helena está pensativa. Ela se lembra do encontro com a cigana na praia
 
–Flashback–
Cigana, com um olhar sério: Moça. Algo de muito grave vai acontecer com você.
Helena, assustada: Como assim, algo grave? Mas…
Cigana, a interrompendo: Previna-se moça. Não deixe que tudo aquilo que você conquistou por anos se escape pelo vão de seus dedos. Previna-se!
Helena, meio irritada: Como eu te disse, eu não acredito nessas coisas. Com licença.
Cigana, a segurando pelo braço: Cuidado, moça. Existem pessoas que querem te destruir. Tome muito cuidado.
–Fim do Flashback—
 
Helena: Acho melhor me prevenir.
Ela faz um telefonema
Helena, no telefone: Alô, Dr. Luiz?… Isso, Helena Rangel… Eu sei que o seu expediente já terminou, mas o senhor poderia me atender agora aqui na galeria?… Sim… E quanto aos seus honorários, pode deixar que eu pago o triplo, ok?!… Muito obrigada. Aguardo o senhor aqui. – ela desliga o telefone.
 
CENA 09 – NOITE – CASA DA FAMÍLIA BARRETO – INTERNA.
 
Os três estão se preparando para sair.
Francisco: Todos prontos, podemos ir?? Cadê sua mãe, Olavo.
Olavo: A mãe ainda está no quarto se arrumando.
Francisco, gritando: Joana, vamos. A gente vai perder a reserva!
Joana, descendo as escadas do quarto: Pronto, amor. E ai como estou?
Francisco: Está lindíssima, meu amor. Lindíssima. Como sempre!
Joana: Obrigada, querido. E então? Vamos?
Francisco: Vamos mas… – ele passa a mão por cima dos bolsos… – eita, esqueci minha carteira. Vou pegar.
Joana: Não precisa, Querido, eu tenho dinheiro aqui. Vamos.
Francisco: Não. Além do mais, eu tenho que dirigir e não posso sair sem os documentos. É rapidinho. – ele sobe as escadas.
No quarto, ele procura pelos moveis a sua carteira. Até que ele abre uma gaveta e acha o diário de Joana.
Francisco: Mas o que é isso? Ah o caderninho de compras da Joana. – ele hesita, mas começa a ler o caderninho e fica abismado com o que lê.
Joana, entrando no quarto: Francisco, vamos já estamos atrasados e… – ela o vê com o diário e se assusta. – Francisco, o que você está fazendo com o meu caderninho?
Francisco, nervoso: Eu é que te pergunto, Joana. O que significa isso?
Close no olhar desesperado de Joana
*Trilha Musical – tensão
 
A imagem congela e se transforma em um quadro pintado a óleo em uma grande exposição juntamente com os quadros dos capítulos anteriores.
 
FIM DO CAPÍTULO 11

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Publicidade

Inscreva-se no canal ATRAVÉS DO UNIVERSO!

O novo canal do Youtube pertence ao CEO da Widcyber, Wellyngton Vianna.

O conteúdo do canal traz vídeos com temas sobre Ciência, Astronomia e Curiosidades do mundo.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo