CENA 01 – CONTINUAÇÃO IMEDIATA CAPÍTULO 19.

 

Davi – Esperava tudo, menos você!

Elis – Não sentiu saudades?… Pois eu senti muita! – Sorrindo.

Davi – Eu não senti nenhuma…

Perso – Sentimos muitas saudades de você, não é meu amor.

Davi – Assustado – Meu amor… Como assim?

Perso – Gostou? – Sorrindo.

Davi – Vocês estão juntos?

Elis – Assustado querido?

Davi – Como assim, não estou conseguindo entender!

Perso – Sorrindo – Na dor, encontramos a força! Não é meu amor.

Elis – Tá surpreso?

Davi – Então vocês estão juntos?… É isso mesmo?

Perso – Bingo, você acertou!

Elis – Tá gostando da sua nova casa?

Perso – Espero que goste da estadia. Porque será excelente.

Elis – A comida será maravilhosa.

Delegado – Para quem é acostumado a comer uma boa comida né.

Perso – Espero que você tenha faculdade, se não…

Davi – Se não?… – Questiona sem entender.

Elis – Você vai apodrecer junto com os bandidos. Não sei se você sabe, mais […]

Davi – Assustado – Mais o que?

Elis – Caminha até o Davi e sussurra no ouvido dele – Estuprador tem uma sela especial, só com assassinos e também estupradores. Após seus primeiro dia de sela eu prometo vir aqui te visitar.

Perso – Espero que aguente, pois quando você jogou a culpa em mim junto com aquela assassina da Marion eu passei por isso. Paguei por algo que não fiz. Agora é sua vez.

Davi – Chorando, começa a grita – Seus malditos, desgraçadoooooos.

Perso – Isso é só o começo. – Saem da Sala.

Delegado – Gostou da visita?

Davi – Eu quero meu advogado.

Delegado – Acho que seu advogado será um publico.

Davi – Não, minha mãe tem dinheiro. Isso eu sei quem tem e muito.

Delegado – Sorrindo – Tudo é sua mãe, uma pena os bens dela estarem bloqueados. Uma pena mesmo.

Davi – Você está blefando.

Delegado – Porque estaria?

Davi – Prova então…

Delegado – Guardas o levam. Apresentam os novos amigos dele. Vai ser um prazer lhe ver amanhã. – sorrindo.

Davi – Aos gritos – Não, eu não quero ir… Eu sou inocente.

Delegado – Todos seus novos amigos também são inocentes.

Os guardam pegam Davi pelos braços e levam a força. O mesmo faz de tudo para não ser levado. Mas é conduzido até a sela…

Abrindo a porta, o policial tira a algema de Davi e lhe empurra para dentro e tranca a sela.

Imediatamente Davi olha para os lados, e vê diversos homens, com roupas estranhas, totalmente tatuadas.

Policial – Seja bem vindo a sua casa. – Tranca a sela.

Davi – Gritando – Me tira daqui, eu sou inocente.

TODOS – Também somos inocentes playboy.

Davi – Desesperado – Eu juro que sou inocente… Por favor.

Policial – Aí rapaziada, novo coleguinha de vocês é estuprador viu. Duas mulheres já passaram pela mão dele, e pra foder tudo, pode ser assassino também.

Todos os homens dentro da sela cercam Davi.

Policial – batendo o cassetete na grade da prisão diz: Boa diversão. – sorrindo e sai andando.

Davi – Assustado com todos os homens sem saber o que fazer diz – Eu tenho dinheiro. Eu ajudo cada um de vocês.

Presidiário – Queremos dinheiro não playboy. Só queremos fazer justiça. Estuprador aqui não tem vez tá ligado. – Dá um soco na cara de Davi. – Agora vamos se divertir.

Todos começam a arrancar a roupa de Davi deixando-o totalmente nú. E cometem o estupro coletivo contra o mesmo que no primeiro ato ouve-se o grito de longe.

CAMERA SE AFASTANDO…

DAVI – NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.

 

CENA 02 – CASA DE SUZI/ TARDE/ INT. SALA.

 

Marion – Entrando direto, pois a porta estava aberta – Suzi?…

Ao ouvir a voz de Marion, Suzi deitada se assusta.

Suzi – Você?… O que está fazendo aqui?

Marion – Sentiu minha falta?…

Suzi – desesperada – Sua assassina… Saia da minha casa sua maldita.

Marion – calma mamãe, estou aqui em missão de paz. Quero sua ajuda!

Suzi – Sorrindo – Ajuda?… Não acredito em você!

Marion – O que eu te fiz? Só porque nunca quis lhe dar dinheiro. Você sabe que rico não tem obrigação de ajudar os pobres. – sorrindo.

Suzi – Nunca foi por dinheiro, esse seu dinheiro é sujo. Você é um poço de lama Marion.

Marion – Nervosa – Sabe qual o seu problema sua velha maldita… É não ter amor e ser amargurada desse jeito.

Suzi – Pelo menos eu não sou uma assassina.

Marion – E quem disse que eu sou?

Suzi – Sai da minha casa agora se não eu chamo o policia!

Marion – Aos gritos – Então chama velha, eu quero ver se você é capaz mesmo.

Suzi – Eu chamo sim, porque você é uma doente. Matou a família toda.

Marion – Toda não, porque o velho morreu sozinho e você está viva.

Suzi – Você matou os seus irmãos. Você é uma doente.

Marion – Senta-se no sofá – Péssima a sua estadia viu… não me ofereceu um copo d’água.

Suzi – Eu quero que você vá embora da minha casa agora. Estou pedindo com educação.

Marion – Nervosa – Eu não vou sair!

Suzi – Você vai me matar é muito desgosto. – Começa a chorar.

Marion – Tá chorando por que velha?… Eu não te fiz nada!

Suzi – Você sempre fez. Minha vida foi um inferno. Até hoje nunca achei o corpo do meu filho. Tenho certeza que foi você, assassina.

Marion – Sorrindo – É o problema saber demais… Sempre disse pra ele não se meter em minha vida. Mais…

Suzi – Você assume que matou seu irmão.

Marion – GRITANDO – MATEI VELHA, MATEI ELE E TAMBÉM MATEI A BRUXA DA SUA FILHA.

Suzi – Pasma e assustada com o que ouve fica totalmente sem reação, e sussurra – Assassina…

Marion – Eu vou viu velha, e sim se você acha isso eu sou uma assassina, também matei meu amado Marido. Joguei-o da escada.

Suzi – Chorando – Você é doente!

Marion – Coloca a mão na bolsa e tira uma arma – VOCÊ É A PRÓXIMA VELHA MALDITA. – Aponta a arma para Suzi.

De repente, entra Perso correndo, e pega na mão de Marion, que no impacto dispara um tiro para o teto. Os dois continuar a lutar com a arma em mãos.

Suzi – Desesperada – Cuidado Perso, ela é doente.

Marion – Lutando com Perso – Fica olho a olho com ele e diz:- Chegou sua vez.

DIPARO DE TIRO – CLOSE ROSTO DE MARION E PERSO.

Suzi – Nããoooooooooooooooooooooooooo. – Cai de joelhos.

PERSO LEVOU UM TIRO.

Marion – Levanta e olha para seu filho no chão sangrando e sai correndo com a arma em mãos. – Eu matei o Davi, meu deus eu matei meu filho. – Entra no carro e sai cantando pneu.

Suzi – chorando continua a gritar – Socorroooo! Por favor, alguém me ajuda!

Elis – Entra correndo e ao chegar na porta vê seu Marido jogado no chão desacordado entra em desespero – Meu deus, quem fez isso com ele?

Suzi – Marion minha filha, foi àquela assassina.

Elis – Ele tem que ir pro hospital agora. Ajuda-me a por ele no carro.

 

CENA 03 – HOSPITAL/ TARDE/ ENTRADA/ ENTRE EXT. E INT./ RECEPÇÃO.

 

Elis – Para o carro na porta e desce desesperada aos gritos – Socorro pelo amor de deus, tem um homem baleado em meu carro.

Vem os enfermeiros com a maca, e imediatamente tira Perso do carro, levando-o para sala de cirurgia. Todos se agitam.

Enfermeira – Senhora, por favor.

Elis – Chorando – Pelo amor de deus ajude meu marido.

Enfermeira – Iremos ajudar sim, mais, por favor, senhora, mantenha a calma.

Elis – sofrendo muito – Ele foi baleado, Eu amo ele.

Enfermeira – Mas o que aconteceu, briga de bar? Transito?

Elis – Foi a própria mãe!

Enfermeira – Se assusta – A mãe?

Elis – Sim, ela é uma safada. Queria matar o próprio filho.

Enfermeira – Então é caso de policia.

Suzi – Sim, eu vi tudo. E instalei câmeras em casa. Filmaram tudo. Eu tenho como provar que foi ela…

Enfermeira – Vou chamar o policia agora. Enquanto isso aguarde. Pelo que ví, o projetil não o levará a óbito.

Elis – Chorando – Deus te ouça.

Juliana – chegando no hospital – Irmã…

Elis – as duas se abraçam bem forte e choram juntas – Eu amo muito ele irmã…

 

CENA 04 – DELEGACIA/ SALA DO DELEGADO/ INT./ COMEÇO DE NOITE.

 

Delegado – Trazem o detento…

Entra Davi, sento segurado nos braços pelos policiais.

Davi – chorando – Me tire daqui…

Delegado – Como foi passar sua primeira noite na sua nova casa?

Davi – Eu estou todo machucado e você zombando de mim.

Delegado – Mas não era isso que você fazia com as moças, aos machucavam, batia nelas e estuprava sem dó.

Davi – Eu me arrependi. Chama a minha mãe, por favor.

Delegado – Sorrindo – Acabamos de receber uma denuncia de tiro com sua mãe envolvida. Uma coisa eu te garanto. Se depender dela você morrerá aqui.

Davi – Eu não quero voltar mais para aquele lugar!!

Delegado – Bom, aí é uma escolha sua… Se desejar eu transfiro você de sela. Mas uma coisa eu te garanto. Seus novos amigos de sela vão se divertir também.

Davi – chorando – Pelo amor de deus não!!!

Delegado – Dói né… É isso que você faz com as mulheres… Elas se sentem igual à você agora. Um lixo de pessoa!

Davi – Mas eu não merecia isso… – chorando.

Delegado – Todo castigo pra você é pouco! Volte agora para sela. Os que não tiveram tempo de se divertir ontem vão querer hoje!

Os policiais pegam Davi pelos braços que gritava muito, pedindo socorre e piedade. Pois o estado do mesmo era critico. Havia muitos machucados e sangramentos.

Policial – Porque você é seco com este rapaz?

Delegado – Estou errado?… Ele plantou, agora colha.

 

CENA 05 – BANCO DA CIDADE/ INT.

 

Gerente – Exaltado – Eu já disse, não posso fazer milagres.

Marion – Aos gritos – Mas deveria, eu pago essa espelunca mensalmente. E pago muito bem. Agora que preciso do meu dinheiro não posso!

Gerente – A questão não é está senhora Marion… Você tem que entender.

Marion – Joga tudo da mesa do gerente no chão e aponta o dedo na cara dele – Você quem tem que entender tá me ouvindo. Eu preciso deste dinheiro e eu vou ter… Se for preciso eu explodo essa joça.

Gerente – Assustado e sem reação, aperta o botão de segurança de baixo da mesa e o alarme dispara – Eu não posso fazer nada por você.

Marion – Levanta e sair correndo do banco aos gritos de – DESGRAÇADOOOOOOO!

 

CENA 06 – CASA DE CARATINA/ SALA/ NOITE/ INT.

 

Catarina – Sabe do que estava tentando lembrar, era a senha do cofre de Marion.

Adma – Vamos descobrir. Preciso deste dinheiro. Minha filha não pode ficar desamparada agora que o traste do Davi está preso.

Catarina – Não pode mesmo. Aproveitando, você não vai visitar ele não?

Adma – Em breve minha mãe. Primeiro quero ver ele na pior. Depois… eu penso.

Catarina – Puxou a mãe mesmo.

As duas dão risada.

 

CENA 07 – DELEGACIA/ INT./ SALA DE SEGURANÇA E RECONHECIMENTO.

 

Mohamed Said, chamado pelo delegado vai até a delegacia para ver um vídeo. E é surpreendido quando começa a ver. De boca aberta, e se assusta imediatamente diz…

 

Mohamed Said – Então quem matou o Marcelo foi…

 

[CONTINUA NO ÚLTIMO CAPÍTIULO]

 

 

Nesta QUARTA-FEIRA – Capítulo especial de DOIS DESTINOS – O FIM. 

Vai ser revelado: QUEM MATOU RUTH E MARCELO…

QUAL SERÁ O FIM DOS PERSONAGENS…

AGUARDE ESTÁ FANTÁSTICO.

 

 

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Publicidade

Inscreva-se no canal ATRAVÉS DO UNIVERSO!

O novo canal do Youtube pertence ao CEO da Widcyber, Wellyngton Vianna.

O conteúdo do canal traz vídeos com temas sobre Ciência, Astronomia e Curiosidades do mundo.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo