“Do Seu Lado”

 

[CENA 01 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ NOITE]
(Eduardo e Larissa continuam se beijando, ela o empurra de leve, se afasta)
LARISSA – Para continuar, você terá que pagar.
EDUARDO – (ri) Quem sabe uma próxima. (se aproxima dela) Mas garanto que não será paga! (Larissa solta um leve sorriso, desvia dele novamente) Infelizmente tenho que ir. Tenho que trabalhar cedo amanhã, e tenho que levar o Otávio para a casa dele ainda.
LARISSA – Melhor levá-lo mesmo, porque a Ione tá quase para levar o garoto para o quarto. (Eduardo ri e caminha em direção a eles, Larissa vai logo atrás)
EDUARDO – Vamos embora, Otávio?
IONE – (abraçada com Otávio) Mas já? Agora que a gente começou a se entender. (fazendo carinho no ouvido dele, isso o deixa envergonhado)
EDUARDO – Sinto muito, mas tenho que trabalhar amanhã cedo.
OTÁVIO – (levanta-se do banquinho, ainda envergonhado) Vamos.
IONE – (indo até direção a ele) Você promete voltar aqui mais vezes?
OTÁVIO – A gente ver!
IONE – (fica ao lado dele, cochicha em seu ouvido, que o deixa arrepiado) Ficarei te esperando então… gatinho!
OTÁVIO – (solta um leve sorriso, se aproxima de Eduardo) Ok. Vamos, Edu?
EDUARDO – Vamos. (olha para Larissa) Até. Boa noite meninas!
IONE – Boa noite! (Eduardo e Otávio vão embora, Larissa e Ione os observam, em seguida cada uma senta-se em um dos banquinhos)

[CENA 02 – CASA DE OTÁVIO/ SALA/ NOITE]
(Eduardo deixa Otávio em casa, os dois estão na porta se despedindo)
EDUARDO – Bem, está entregue!
OTÁVIO – Obrigado por está noite. Nunca pensei que me divertiria tanto assim.
EDUARDO – Eu estava vendo você e a Ione conversando e sorrindo. O papo parece que estava bom. (Otávio sorri, envergonha-se)
OTÁVIO – Quando você estiver pronto para mudar, você me avisa.
EDUARDO – Pode deixar. Boa noite, cara.
OTÁVIO – Boa noite. (Eduardo caminha até sua moto, monta e vai embora. Otávio fica na porta até não ouvir mais o som da moto do amigo. Entra em casa, fecha a porta, caminha até o sofá, senta-se e lembra do que aconteceu minutos atrás no cabaré, sorri)

Amanhecendo…

[CENA 03 – COLÉGIO ESTADUAL OLIVEIRA SANTOS/ PÁTIO/ DIA]
(Ana e Alan estão sentados em um dos bancos)
ALAN – Você e seu tio viajam na semana que vem, então?
ANA – Sim. Assim que a semana se provas passar, e a gente entrar de férias eu viajarei com ele. (percebe que Alan ficou um pouco triste) Mas serão só algumas semanas em Madrid. E eu também prometo que vamos ficar conversando por mensagens todos os dias.
ALAN – Meu medo não esse.
ANA – E qual é então?
ALAN – Seu tio me parece ser um cara bastante rico. Tenho medo de que nesse tempo que você irá passar com ele, isso te influencie de alguma forma e você não queira mais voltar.
ANA – Isso jamais vai acontecer. Pode acreditar, só estou fazendo essa viagem para proteger meu pai. (Alan quer acreditar no que ela disse, porém, algo lá no fundo estava dizendo outra coisa)

[CENA 04 – CASA DELLE ROSE/ Q. DE LARISSA/ DIA]
(Larissa está deitada em sua cama, lembra do beijo que Eduardo deu nela na noite anterior. Após a lembrança, ela solta um leve sorriso, Nathaniel entra no quarto neste momento)
NATHANIEL – Bom dia! Deitada ainda? (indo até a cama)
LARISSA – Bom dia, Nathan. Já vou me levantar. (senta-se na cama, Nathaniel senta-se ao lado dela)
NATHANIEL – Então?
LARISSA – O que?
NATHANIEL – Consegui dormir depois do beijão que o Eduardo te deu ontem?
LARISSA – (envergonha-se, levanta da cama em seguida) Nathan!
NATHANIEL – (levanta-se, indo em direção a ela) Ué, se eu tivesse recebido um beijo daquele, eu mesmo não teria conseguido dormir. Só sonhando com mais beijos e beijos… (ri)
LARISSA – Para a sua informação eu consegui dormir sim, viu?! E aquele beijo não significou nada para mim.
NATHANIEL – Tem certeza?
LARISSA – Absoluta. Eu não sinto nada pelo o Eduardo. Sem contar, que ele certamente deve sentir nada por mim também. Esse interesse é somente porque eu sou parecida com a ex namorada dele, a prima do Dácio.
NATHANIEL – Eu não sei não. Para mim, o que ele deve sentir por você é sincero.
LARISSA – Eu não nasci ontem, Nathan. Eu não vou me deixar ser enganada por mais homem nenhum. (sai do quarto, Nathaniel logo atrás dela)

[CENA 05 – COLÉGIO ESTADUAL OLIVEIRA SANTOS/ PÁTIO/ DIA]
(Pedro e Ramon estão conversando em um dos bancos)
RAMON – Você ainda não escolheu a música?
PEDRO – Ainda não. Eu e Samuka ficamos até tarde ontem à noite procurando, mas as que ele encontrava, eram difíceis para eu decorar até a última etapa da seleção.
RAMON – Uau, primeira vez que estou vendo você encontrando dificuldade com músicas.
PEDRO – Se fosse por mim eu iria cantar alguma do meu repertório mesmo, tipo outra do Bruno Mars… mas o Samuka acredita que se for uma música de musicais famosos tenho mais chance.
RAMON – Por isso está dificuldade toda.
PEDRO – Sim. Ele até chamou um amigo dele que estuda na universidade também, que ficou de procurar a música ideal para mim.
RAMON – Você tá bem encaminhado então. Dois caras que já estão lá dentro, devem conhecer todo o processo e te dar dicas infalíveis. (repara em Andréa que passa por eles de cabeça baixa, com o fone de ouvido)
PEDRO – Tudo bem com ela?
RAMON – Tá. Tá, sim. Isso tudo é vitimismo da parte dela mesmo.
PEDRO – Vocês não estão se falando?
RAMON – Na verdade estou deixando ela colocar as ideias dela no lugar. Depois que ela perdeu para você, ela veio se sentindo um lixo. Como se ela não fosse tão talentosa quanto ela imagina.
PEDRO – (olha para Andréa que sentou no último banco do pátio) Se ela acreditasse mais nela, ao invés de tentar trapacear os amigos, ela não estaria assim.

[CENA 06 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ DIA]
(Nathaniel e Larissa estão tomando café da manhã em uma das mesas do salão, continuam com a conversa que estavam um pouco mais cedo)
LARISSA – Eu não vou cair no seu papo, Nathan. Não adianta bancar de anjo, e querer ser o cupido da gente.
NATHANIEL – Eu só quero te mostrar que vocês dois combinam. Então tá, acabei de lembrar de uma coisa.
LARISSA – O que?
NATHANIEL – Você disse que iria conversar com a tia do Dácio, para finalmente tirarem a dúvida se a tal Letícia era sua irmã ou não.
LARISSA – Nem me lembrava mais disso.
NATHANIEL – Como a gravação do programa já passou, e nosso peça de teatro está tudo certo, estamos só esperando nossa estreia. Não tem mais nada que você possa usar como desculpa para não marcar um encontro com a tia dele.
LARISSA – Como não? Estou esperando uma resposta da produção do programa. Preciso saber se serei eliminada ou não.
NATHANIEL – Você não será eliminada por trabalhar em um cabaré. Para de pensar nisso. E não adianta mudar o foco desta conversa. Você vai fazer isso, vai pegar seu celular, vai enviar uma mensagem para o Dácio combinando de se encontrar com a tia dele amanhã.
LARISSA – Amanhã?
NATHANIEL – Isso mesmo. Quanto antes a gente marcar esse encontro, mais cedo descobriremos este mistério.
LARISSA – Mas…
NATHANIEL – Sem mas, Larissa. Você quer ou não resolver logo este mistério?
LARISSA – Quero… mas, e se for verdade? E se realmente eu tive uma irmã que eu nunca conheci?
NATHANIEL – Saberemos disso quando você conversar com a tia do Dácio. (Larissa pega seu celular que estava em cima da mesa, procura pelo contato do Dácio, digita uma mensagem e envia)
LARISSA – Pronto. Marquei para amanhã, as 14h.
NATHANIEL – (aliviado) Pronto. Agora só esperar!
LARISSA – Você vai vim comigo, viu. Nem pensar que irei sozinha me encontrar com está mulher.
NATHANIEL – (rindo) Você me convidando ou não, eu iria com certeza. Quem mais quer descobrir esse mistério sou eu.

[CENA 07 – CASA DE OTÁVIO/ SALA/ DIA]
(Otávio entra na sala, caminha até seu piano, senta-se. Começa a tocar algumas notas aleatórias. Levanta-se em seguida, caminha até o sofá, senta-se, olha em direção a cozinha, aparentemente preocupado)

[CENA 08 – CASA DE SAMUKA/ SALA/ DIA]
(Samuka vem descendo as escadas, em direção a porta da rua. Beatriz vem da cozinha e encontra o filho saíndo apressado)
BEATRIZ – (gritando antes que Samuka saísse) Posso saber onde o rapazinho vai assim com tanta pressa?
SAMUKA – Oi, mãe. Estou indo na lanchonete do Ivo. Estou procurando uma música para o Pedro e preso aqui dentro eu não estou conseguindo.
BEATRIZ – Vai voltar para almoçar?
SAMUKA – Talvez eu coma alguma coisa lá, não se preocupa. (saí de casa antes que sua mãe dissesse alguma coisa. Beatriz retorna para a cozinha)

[CENA 09 – COLÉGIO ESTADUAL OLIVEIRA SANTOS/ REFEITÓRIO/ DIA]
(Manuela está comendo seu lanche, um pouco cabisbaixa)
ÉSTER – A gente pode saber qual o motivo todo desse seu baixo astral?
MANUELA – Tô achando que não vou muito longe na competição.
THALITA – Por que está dizendo isso?
MANUELA – Sei lá. É algo que estou sentido desde a gravação. Acho que os jurados não gostaram muito de mim.
ÉSTER – E quem liga para os jurados? Quem define quem vence ou não aquele programa é o pessoal de casa.
THALITA – Exatamente.
ÉSTER – E não se preocupa que estamos criando boas estratégias para alavancar sua popularidade entre o público.
MANUELA – Não sei meninas. Enquanto o programa não estrear, meu foco será nos vestibulares. Tem um bom tempo que não peguei nenhum conteúdo para estudar.
ÉSTER – Sério? (Manuela confirma com a cabeça, foca-se em seu lanche. As meninas se entreolham)

[CENA 10 – LANCHONETE DO IVO/ DIA]
(Samuka está sentado em uma mesa, comendo um sanduiche e procurando vídeos na internet. Chega uma mensagem de Arthur em seu celular)
ARTHUR (por mensagem) – “Achei a música perfeita para o Pedro” (logo em seguida envia um link de um vídeo. Samuka clica no link na mesma da hora, começa a ouvir a música atento)

[CENA 11 – CASA DE OTÁVIO/ SALA/ DIA]
(Otávio estava tirando o por de alguns móveis da sala, quando a campainha toca. Caminha em direção a porta)
OTÁVIO – (sente o cheiro de pizza assim que abre) Que rápido?!
EDUARDO – Você está sendo a minha primeira entrega. Tenho mais 3 aqui dentro. (entrega a pizza para Otávio, repara um pouco dentro de casa) O que está fazendo?
OTÁVIO – Tirando o pó de alguns móveis.
EDUARDO – Se você quiser, a gente pode fazer isso neste final de semana.
OTÁVIO – Não precisa se preocupar, só estou tirando o pó mesmo.
EDUARDO – Por isso você não fez comida?
OTÁVIO – (fica alguns segundos em silêncio, pensa em dizer que sim, mas acaba falando a verdade) Não, na verdade… é que acabou a comida aqui em casa. (Eduardo fica sério, preocupa-se)
EDUARDO – Acabou tudo?
OTÁVIO – Acredito que tenha alguma coisa ou outra, mas não comida de verdade. (Eduardo volta a reparar na casa sendo arrumada, olha para Otávio em seguida)
EDUARDO – A gente ver como resolver isso, está bem. Agora preciso ir, tenho que fazer outras entregas ainda.
OTÁVIO – Não se preocupa, vou ficar bem. (Eduardo caminha até sua moto, monta e antes de colocar o capacete, volta a olhar para Otávio que continua em pé na porta. Coloca o capacete, liga a moto e vai embora. Otávio entra em casa, caminha até o sofá e começa a comer sua pizza)

Mais Tarde…

[CENA 12 – LANCHONETE DO IVO/ TARDE]
(Samuka também gostou da música que Arthur sugeriu, na mesma da hora enviou para Pedro e combinou para os dois se encontraram na Lanchonete do Ivo. Pedro e Samuka estão sentados um de frente para o outro)
SAMUKA – (esperando a resposta dele, após ver o vídeo) Então? Essa é fácil, você conseguirá cantar com certeza?
PEDRO – (retirando os fones) Sim, acredito que conseguirei decorar a letra. É uma música pequena também. Só preciso ouvi-la mais algumas vezes.
SAMUKA – Fica a vontade. Assim que estiver pronto, só me chamar que a gente ensaia.
PEDRO – Valeu. Sério, não entendo porque eles não aceitam uma música do país de origem do candidato. No meu caso, músicas brasileiras.
SAMUKA – São normas da instituição, Pedro. Quando você estiver lá dentro, você verá como funciona.
PEDRO – Tenho um repertório tão grande se fosse brasileira.
SAMUKA – Eu acho que nunca te ouvi cantando uma música brasileira, né?!
PEDRO – Acho que não. Mas… (olha para a máquina de karaokê, levanta-se) Você está no lugar certo. (sorri, caminha até a máquina, Samuka apenas o observa. Pedro procura por uma música, escolhe uma e em seguida caminha até o palco. Começa a cantar)

[CENA DE MÚSICA – DO SEU LADO (JOTA QUEST)]

Lá, Lalá Lalá! Lalá Lalá! 1
Lalalá!
Lá, Lalá Lalá! Lalá Lalá!
Lalalá!

Faz muito tempo 2
Mas eu me lembro
Você implicava comigo
Mas hoje eu vejo
Que tanto tempo
Me deixou muito mais calmo
O meu comportamento egoísta
O seu temperamento difícil
Você me achava meio esquisito
E eu te achava tão chata
Eh!

Mas tudo que acontece na vida 3
Tem um momento e um destino
Viver é uma arte, é um ofício
Só que precisa cuidado
Pra perceber
Que olhar só pra dentro
É o maior desperdício
O teu amor pode estar
Do seu lado

O amor é o calor 4
Que aquece a alma
O amor tem sabor
Pra quem bebe a sua água
Eu hoje mesmo quase nem lembro
Que já estive sozinho
Que um dia seria seu marido
Seu príncipe encantado

Ter filhos, nosso apartamento
Fim de semana no sítio
Ir ao cinema todo domingo
Só com você do meu lado
Mas tudo que acontece na vida
Tem um momento e um destino
Viver é uma arte, é um ofício
Só que precisa cuidado

Pra perceber 5
Que olhar só pra dentro
É o maior desperdício
O teu amor pode estar
Do seu lado
O amor é o calor
Que aquece a alma
O amor tem sabor
Pra quem bebe a sua água

Lá, Lalá Lalá! Lalá Lalá!
Lalalá!
Lá, Lalá Lalá! Lalá Lalá!
Lalalá!

O amor é o calor
Que aquece a alma
O amor tem sabor
Pra quem bebe a sua água

1. Pedro começa a cantar e a bater palmas, alguns clientes reconhecem a música, se animam e batem palma junto com ele.
2. Pedro retira o microfone do suporte e começa a andar pelo palco. Todos os clientes estão prestando atenção nele, alguns pararam de bater palma.
3. Pedro foca em Samuka, que ficou em pé junto com alguns clientes e o ver se divertindo. Volta para o centro do palco, coloca o microfone no suporte, canta animado junto com o pessoal.
4. Samuka ver geral cantando com Pedro e dançando, pega seu celular e começa a gravar. Se aproxima do palco e começa a filmar Pedro. Ivo saí da cozinha com alguns pedidos e se surpreende ao ver a maioria dos clientes em pé, próximo do palco dançando e cantando. Ivo repara quem está cantando e sorri.
5. Pedro retira o microfone do suporte novamente, começa a cantar pelo palco animando o pessoal. Foca em Samuka que continuava gravando. Encerra a música, sendo aplaudido por todos.

[CENA 13 – CASA DE OTÁVIO/ SALA/ TARDE]
(Regina chega em casa e encontra Otávio sentado no chão da sala estudando)
REGINA – Seu pai já chegou, Otávio?
OTÁVIO – Ainda não. (levanta-se, caminha até ela) Mas eu tenho uma notícia para a senhora.
REGINA – O que foi?
OTÁVIO – A Larissa me enviou uma mensagem hoje mais cedo.
REGINA – (animada) Ela marcou um dia?
OTÁVIO – Marcou! Marcou para amanhã, neste endereço… (exibe o celular para ela) …às 14h.
REGINA – (feliz) Que maravilha! Finalmente descobriremos a verdade!

Contínua no Capítulo 69…

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo