“Jantar a Dois”

 

[CENA 01 – CASA DO FELIPE/ ESCRITÓRIO – SALA/ NOITE]
(Luana fica perplexa com o que Felipe disse)
FELIPE – Então? Me diz quanto você quer para me dar esta criança?
LUANA – O que você pensa que eu sou, Felipe? Pensa que inventei essa historia de gravidez para ficar com o seu dinheiro?
FELIPE – Inventou?!
LUANA – Quero dizer… que se você acha que engravidei para ficar com o seu dinheiro?
FELIPE – Você pode pensar o que você quiser Luana. Eu sei que entre a gente não há mais amor.
LUANA – Como assim? Claro que eu te amo, Felipe.
FELIPE – Não ama! Nem eu te amo mais Luana.
LUANA – E você diz isso na cara limpa?
FELIPE – É a verdade e tenho certeza de que você sente o mesmo por mim.
LUANA – Não é verdade, eu te amo sim. Tanto que estou disposta a tudo para retomar o nosso noivado.
FELIPE – (rir) Retomar o nosso noivado! Como se a gente tivesse planejando tudo isso. Para de se enganar Luana, nem eu gosto mais de você e nem você gosta mais de mim.
LUANA – Você não pode dizer o que não sabe.
FELIPE – Então tá! Já que quer tanto, vou entrar no seu jogo. Vamos marcar a data?
LUANA – Sério?
FELIPE – Claro, mas quero que saiba de uma coisa!
LUANA – De que?
FELIPE – Você pode ter tudo! Pode vir morar aqui, pode usufruir do meu dinheiro, mas saiba, que de mim, você não receberá nenhum afeto, nenhum carinho, nenhum ato de amor! Eu não te amo, Luana! E você nunca me terá como homem. Podemos até fingir que somos um casal feliz ao publico, mas a única coisa que vai está unindo nós dois, será esta criança.
LUANA – Você mudou Felipe, não te reconheço mais.
FELIPE – Essas são minhas condições. Se você realmente quer se casar comigo, vai ter que viver com meu desgosto por você.
LUANA – Quer saber? Eu vou embora, conversamos quando o meu Felipe estiver de volta. (sai do escritório, Felipe logo atrás dela)
FELIPE – Você decide Luana. Quer casar? Vai ter que ser assim!
LUANA – Esse filho é meu e você não vai tomá-lo de mim. Vamos embora mamãe!
VERÔNICA – Vocês voltaram?
LUANA – Vamos embora, em casa a gente conversa. Estou esperando a senhora lá fora. (pega a bolsa em cima do sofá e vai pra rua)
VERÔNICA – O que você disse para minha filha, Felipe?
FELIPE – Eu fiz uma proposta à ela e ela recusou. E saiba que isso vai ter consequências.
VERÔNICA – Que proposta?
FELIPE – Vá atrás de sua filha e converse com ela. Ela lhe dirá.
VERÔNICA – Ela não está sozinha viu. Se você não assumir a criança que ela está esperando, você vai se resolver comigo. (vai embora logo em seguida)
FELIPE – O que foi que eu fiz para merecer essa duas? (senta no sofá)
PAULO – O que vocês resolveram lá dentro?
FELIPE – Depois falamos nisso está bem! Precisando descansar um pouco. (sobe para o quarto)

[CENA 02 – CASA DA LUANA/ SALA/ NOITE]
(as duas chegam em casa, Luana entra primeiro que sua mãe)
VERÔNICA – Eu não acredito que o Felipe fez esse pedido para você?
LUANA – Fez mamãe! Ou dava um preço e vendia meu filho ou me casava com ele, mas ele nunca iria me dar amor. Estou me sentido um lixo agora. Quer saber, não quero mais saber de noivado, de gravidez, cansei de me ficar me humilhando, atrás de quem não está nem aí pra mim. Estou fora desse seu joguinho mamãe!
VERÔNICA – Você não vai sair de nada. Você amanha, vai lá na casa dele e vai aceitar esse casamento, mesmo que seja de mentira para vocês.
LUANA – (surpresa) O que?
VERÔNICA – O que importa é que você esteja casada com ele, filha. Vai ter direito a boa parte daquela herança, você e essa falsa criança.
LUANA – A senhora deve ter pirado também?
VERÔNICA – Não filha, estou muito lúcida. E você vai fazer tudo isso.
LUANA – Não, mamãe! Dessa vez não vou fazer o que a senhora quer. (começa exaltar a voz) Cansei de me deixarem de canto. Estou nem aí para o Felipe. Estou nem aí para essa fortuna.
VERÔNICA – Não fala besteira. (bate na cara dela)
LUANA – A senhora me bateu!
VERÔNICA – Bati, pra ver se você acorda pra vida e tenta garantir o seu futuro. Você pode não acreditar filha, mas só estou garantido um futuro que eu não pude ter, para você. E daí se ele não te procurar como mulher, não te der carinho, amor? O que você não encontra em casa, você pode encontrar na rua. O que importa, é termos direito naquela casa, naquela empresa. E será esse bebê que irá nos garantir tudo isso.
LUANA – Posso saber como? Já que não estou grávida e não vou ter mais nada com Felipe.
VERÔNICA – Por enquanto, uma barriga falsa pode resolver. Aí quando tiver pra nascer, a gente faz uma viagem e dizemos que você perdeu a criança. O importante, é que você aceite a proposta dele e se case o mais rápido possível.
LUANA – A senhora planejou tudo, né?
VERÔNICA – Um dia você vai entender, que tudo que estou fazendo, é por você, porque eu te amo filha.
LUANA – Que maneira estranha de provar um amor por sua filha. (sobe para o quarto deixando sua mãe sozinha na sala)
[QUARTO DAS MENINAS]
(Vitoria está deitada em sua cama, mexendo no celular, quando Fernanda entra meio triste)
VITORIA – Ué, já vieram? Chegaram cedo. Então, aproveitou com o priminho?
FERNANDA – (irônica) Nossa você nem imagina.
VITORIA – Serio? Me conta vai, quero saber tudo!
FERNANDA – Não rolou nada entre a gente, Vitoria! Ele me deixou sozinha no cinema.
VITORIA – Como assim?
FERNANDA – Ele encontrou uma garota na fila da pipoca e os dois começaram a conversar, ficaram afim um do outro e foram para uma balada e ele me deixou só no cinema.
VITORIA – E você deixou ele ir?
FERNANDA – Claro, o que você queria que eu fizesse?
VITORIA – Não sei! Inventava alguma coisa, sei lá, mas não deixava ele sair.
FERNANDA – O Cláudio jamais teve olhos pra mim, sempre vai me ver como sua priminha. E chega de falar nisso, é hora de me conformar e aceitar as coisas como estão. (vai para o banheiro)

Três dias depois…

[CENA 03 – LANCHONETE/ TARDE]
(Joana entra na lanchonete. Senta numa mesa e apenas fica quieta, observando o Junior, que estava no bar, preparando o sorteio)

[CENA 04 – APARTAMENTO DA CAMILA/ TARDE]
(Adriana está lavando a louça do almoço, quando Camila entra na cozinha)
CAMILA – A Joana saiu. Sabe para onde ela foi?
ADRIANA – Não faço ideia! Mas o que tudo indica, a nossa amiga, arrumou um namorado.
CAMILA – Como você sabe?
ADRIANA – Sei lá, um dia desses ela chegou um pouco tarde da rua. Coisa que ela não faz. E agora saiu, sem dizer pra onde ia.
CAMILA – Não acredito. Será? Não, a Joana teria contado para nós.

[CENA 05 – LANCHONETE/ TARDE]
(Joana repara que Junior ficou sozinho e aproveita para tentar conversar)
JOANA – Preciso conversar com você?
JUNIOR – Estou ocupado agora!
JOANA – Por favor, é rápido! Eu quero me desculpar pelo o que aconteceu naquela noite.
JUNIOR – O que aconteceu naquela noite, não significou nada pra mim. Então se você não vai ficar para o sorteio, pode ir embora. (Junior vai para dentro, deixando Joana sozinha. Triste, ela decidi ir embora, e desiste de acompanhar o sorteio)

[CENA 06 – CASA DA LUANA/ Q. DA LUANA/ TARDE]
(Verônica entra no quarto de sua filha e a encontra deitada. Ela abre a janela, tentando acordá-la)
VERÔNICA – Não acredito que você ainda está deitada, Luana?
LUANA – Fecha essa janela mamãe. Minha cabeça está doendo.
VERÔNICA – Mentira. Isso tudo é medo de ir na casa do Felipe e enfrentá-lo!
LUANA – É serio! Deixa eu quieta aqui, no meu canto. (embrulha o corpo completamente)
VERÔNICA – O que você acha que está fazendo? (puxa as cobertas da cama dela) Levanta logo daí!
LUANA – Porque a senhora não vai lá e não resolve isso por mim, já que a senhora é a mais interessada?
VERÔNICA – Porque não sou eu quem quer me casar com o Felipe!
LUANA – Está parecendo que sim!
VERÔNICA – Para de conversa, vai logo antes que ele saia para a empresa.
LUANA – Já que não tenho outra opção. (se levanta chateada, direto para o banheiro)

[CENA 07 – APARTAMENTO DA CAMILA/ SALA/ TARDE]
(Joana chega ao apartamento, triste e vai direto para o quarto. Em seu quarto, se deita na cama, e começa a pensar na noite em que beijou Junior. Seu pensamento é interrompido, por uma ligação em seu celular)
JOANA – Não conheço esse número. Alô? Sim, é ela. Sim. É sério isso? Nossa não estou acredito. (sorrindo) Sim, tem como eu ir agora, sim. Tá, em alguns minutos estou aí. Obrigada. (desliga e ainda não acredita no que acabou de acontecer)

[CENA 08 – LANCHONETE/ TARDE]
(após o sorteio terminar, ficou um pessoal ainda comendo algumas coisas que estavam servindo. Joana aparece na lanchonete, e vai direto falar com Junior.)
JOANA – É, que sorte a minha, hein?!
JUNIOR – (sério) Eu vi quando sortearam o seu cupom. Parabéns pra você.
JOANA – Obrigada. Mas… queria te fazer um pedido?
JUNIOR – Se for o que estou pensando, já tem minha resposta. Não!
JOANA – Por favor. Não tenho ninguém para este jantar. E também, queria aproveitar, para me desculpar sobre…
JUNIOR – Se você começar de novo com aquela história, vou deixar você falando aqui sozinha!
JOANA – Esta bem. Não está mais aqui quem falou. Mas você vai aceita meu convite, pelo menos para gente começar de novo, do inicio. (Junior fica pensativo)
JUNIOR – Se você me prometer, que vai me deixar em paz depois desse jantar?
JOANA – Prometo.
JUNIOR – Está bem. Mas nada de gracinhas, hein?
JOANA – Pode deixar, vamos só conversar!
JUNIOR – Agora se você não tem mais nada pra fazer aqui, me dar licença que tenho muita coisa pra fazer ainda.
JOANA – Não se preoupa. Estou indo falar com o gerente, vou receber meu prêmio. (Junior volta para cozinha e Joana sai em procura do gerente, contente)

[CENA 09 – APARTAMENTO DO SÉRGIO/ SALA/ TARDE]
(Sérgio pensa em Luana. Roberto chega e ver o amigo viajando)
ROBERTO – Xii, está viajando de novo cara?
SÉRGIO – O que você disse?
ROBERTO – Nada, sua pergunta já respondeu a minha.
SÉRGIO – Não sei mais o que eu faço cara?
ROBERTO – Como assim?
SÉRGIO – Eu não consigo parar de pensar na Luana!
ROBERTO – Não está falando sério ou está?
SÉRGIO – Pior que estou.  Não sei o que está acontecendo, mas ela não sai mais da minha cabeça!
ROBERTO – É amigo, tinha certeza de que isso iria acabar assim. Você está gostando dela!
SÉRGIO – Não sei mais o que eu faço?
ROBERTO – O que posso te dizer cara, é que o melhor é você esquecer ela.
SÉRGIO – Se fosse fácil, já teria feito isso antes.
ROBERTO – Talvez não seja fácil, mas não é impossível. Porque você não começa, contando a verdade para o Felipe.
SÉRGIO – Não sei e se ele não entender?
ROBERTO – Então não conta e deixa as coisas acontecerem. Ela lá e você aqui. (Sérgio fica pensativo, depois se levanta e vai até à porta) Pra onde você vai cara?
SÉRGIO – Vou contar para o Felipe. Se ele tivesse no meu lugar, ele faria a mesma coisa.

[CENA 10 – CASA DO FELIPE/ SALA/ TARDE]
FELIPE – Então, posso saber o que você veio fazer aqui?
LUANA – Vim lhe dar à resposta que fiquei te devendo naquela noite.
FELIPE – Eu disse que se você saísse por aquela porta, sem me dar à resposta, não daria outra chance.
LUANA – Eu sei, mas acho que você vai gostar dela.
FELIPE – Então fala, qual é a sua resposta?
LUANA – Eu aceito casar com você, mesmo não tendo seu amor por completo.
FELIPE – Tem certeza?
LUANA – Tanto como vi aqui para te dizer isso.
FELIPE – Engraçado, dias atrás, você mesma disse que não estava interessada no meu dinheiro. E hoje você aceita um casamento praticamente de mentira, sem amor.
LUANA – Eu estou aceitando porque não desisti do nosso amor. Esse casamento vai me ajudar a te conquistar novamente, Felipe. (se aproxima dele) Duvido que você, dormindo todas às noites, com um material desses, vai resistir muito tempo.
FELIPE – Você não me conhece mesmo, Luana. Mas já que você insiste, boa sorte. Estamos conversados, te acompanho até à porta.
LUANA – Espera, temos coisa há resolver, como à data, à festa, os convidados…
FELIPE – Isso vai ficar com você e sua mãe. Só vamos se falar novamente, no dia do casamento. (ele acompanha ela até à porta) Tchau, Luana. (lá fora, no jardim da casa, antes que Luana saísse, é agarrada pelo braço por Sérgio)
LUANA – O que é isso?
SÉRGIO – Precisamos conversar?
LUANA – Se o Felipe nos pegar, ele te mata. O que faz aqui?
SÉRGIO – Então vocês voltaram?
LUANA – Sim, retomamos o nosso noivado. Mas o que você tem haver com isso?
SÉRGIO – Que bom! Então você já esqueceu tudo que rolou naquela noite?
LUANA – Que noite?
SÉRGIO – Não lembra? Deixa eu te ajudar então. (Sérgio agarra Luana e rouba um beijo dela)

[CENA 11 – CASA DO JUNIOR/ SALA/ TARDE]
(Junior chega em casa, caminha até o sofá, senta e fica pensativo)
HILDA – (entrando na sala) Pensei que fosse durar até à noite?
JUNIOR – O sorteio foi rápido.
HILDA – E quem ganhou?
JUNIOR – A senhora não vai acreditar. A amiga daquela garota com quem sai naquela noite. Acredita ainda que ela me convidou para jantar com ela?
HILDA – Olha só como são as coisas né. Você aceitou?
JUNIOR – Aceitei ou não ela não sairia do meu pé.
HILDA – Como é o nome mesmo dessa garota?
JUNIOR – Se não me engano… Joana! Isso, Joana é o nome dela!
HILDA – Bonita a moça?
JUNIOR – É! Mas não faz meu tipo! Ela é igual a amiga dela. Só pensa em usar as pessoas e depois que consegue o que quer, deixa de lado.
HILDA – Junior e Joana. Até que combinam.
JUNIOR – Não começa mamãe. Vou tomar banho!
HILDA – Tá! (ele vai para o banheiro) É filho, se você acreditasse nas cartas, veria que isso não tem nada de coincidência.

Anoitecendo…

[CENA 12 – APARTAMENTO DA CAMILA/ Q. DA JOANA/ NOITE]
(Joana está terminando de se arrumar para o jantar, quando Adriana entra em seu quarto)
ADRIANA – Olha só, toda arrumada. Vai sair, Joana?
JOANA – Vou, ganhei a promoção daquela lanchonete perto da faculdade. Um jantar, completamente grátis, e estou indo lá aproveitar!
ADRIANA – E vai sozinha?
JOANA – Pra sua informação, sim.
ADRIANA – Sei! Bem, então tá. Bom jantar.
JOANA – A Camila não chegou ainda?
ADRIANA – Não, ela está fazendo um trabalho, recuperar os dias que perdeu na faculdade!
JOANA – Sei. Bem, tenho que ir, não posso me atrasar no meu jantar. (enfatiza a ultima fala)
ADRIANA – Tchau! (Joana vai embora e Adriana fica desconfiada) É… aí tem coisa. E eu não vou ficar aqui, sem saber quem é o namoradinho novo dela! (sai logo em seguida)

[CENA 13 – CASA DO JUNIOR/ SALA/ NOITE]
(Junior entra na cozinha todo bem vestido e cheiroso)
HILDA – Nossa, para um jantar com uma garota que não gosta, até que você está bem arrumado.
JUNIOR – Nem tanto né, mamãe.
HILDA – Tem certeza de que você não sente nada por essa garota?
JUNIOR – Tenho e antes que a senhora comece com um interrogatório, vou indo. Boa noite, mamãe!
HILDA – Boa noite filho, bom jantar para vocês! (Junior sai e Hilda fica com um sorriso no rosto)

[CENA 14 – LANCHONETE/ NOITE]
(Joana chega à lanchonete e logo é recebida pelo garçom, que a leva até sua mesa. Ela repara que a lanchonete está toda preparada realmente para um jantar a dois. Toda fechada, somente uma mesa pronta, com uma musica de fundo tocando. Para aquela noite ficar perfeita para Joana, faltava somente uma pessoa)
JOANA – Pensei que você não iria vir?
JUNIOR – E eu iria perder uma noite como está?!

Continua no Capítulo 10.

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo