“Não Somos Irmãos”

 

[CENA 01 – CASA DO FELIPE/ SALA/ DIA]
BIANCA – Este é o seu filho?
VIVIANE – É, sim. Felipe, meu filho mais velho.
BIANCA – Não tem traços do Fernando. Será mesmo que é filho dele?
VIVIANE – Olha aqui, não vou permitir que você venha até a minha casa pra me ofender.
FELIPE – Se acalma mamãe, isso tudo é porque ela acha que vai conseguir tirar algum dinheiro da gente.
BIANCA – Dinheiro esse que também é da minha filha.
FELIPE – Filha esta que não tem nenhum traço com meu pai.
BIANCA – Ela parece mais com Fernando do que você.
VIVIANE – Não diga o nome do meu marido.
FELIPE – E vamos parar com essa historia de quem parece mais com quem e vamos direto para o assunto que interessa. O que trouxe vocês aqui!
BIANCA – Exatamente.
FELIPE – Vocês querem que um de nós, eu ou meu irmão, façamos o teste de DNA com sua filha, para ver se somos irmãos!
BIANCA – Isso.
FELIPE – E se der positivo o que pretendem fazer?
BIANCA – Apenas que minha filha, receba o que é de direito dela.
FELIPE – Pois bem, vamos logo acabar com isso. (pega sua pasta em cima do sofá) Eu estava de saída para a empresa, mas posso passar no laboratório antes disso.
VIVIANE – (surpresa) Você vai fazer o teste filho?
FELIPE – Se é o único jeito mamãe.
VIVIANE – (aflita) Você não ver que essas duas só querem o nosso dinheiro.
FELIPE – Se fosse só essas duas interessadas em nosso dinheiro, mamãe.
VIVIANE – Filho, olha pra mim! Você realmente está pensando em realizar esse teste?
FELIPE – Porque não mamãe? Não precisa se preocupar…
BIANCA – (interrompe) Eu tenho certeza que minha filha, é filha do Fernando. Como você deveria ter certeza de que seu filho, também é filho dele.
VIVIANE – O Felipe é sim filho do Fernando, porque eu nunca trai meu marido.
FELIPE – Calma mamãe, calma.
BIANCA – Calma, não estou acusando ninguém.

Mais Tarde…

[CENA 02 – APARTAMENTO DA CAMILA/ SALA – COZINHA/ TARDE]
(Camila chega ao apartamento e vai direto para o sofá)
CARLA – (entrando na sala) Já?
CAMILA – Agora só aguardar o resultado. É bom que quando mais rápido resolvermos isso, mais rápido me livro daquela mulher. (se levanta e vai para cozinha. Carla vai logo atrás dela)
CARLA – E quando sai o resultado?
CAMILA – Amanha.
CARLA – E o que você vai fazer se der positivo?
CAMILA – Eu não sei. Cresci sem uma figura paterna e de que me adiantaria agora saber que eu tenho um pai e ele está morto.
CARLA – Pelo menos deve ser bom, saber que você tem irmãos.
CAMILA – Prefiro ter irmão nenhum, do que ter um chato igual aquele. Devia ver Carla, ele sempre com um tom de superioridade, controlador. Sinceramente, espero que esse teste dê negativo e que eu não seja filha desse cara.

[CENA 03 – CASA DO FELIPE/ Q. DO FELIPE/ TARDE]
(Verônica vai visitar sua filha e está curiosa pra saber como foi à lua de mel dela)
VERÔNICA – Me conta tudo filha, não me esconda nada?
LUANA – Não houve nada, mamãe. O Felipe realmente cumpriu aquilo que ele disse.
VERÔNICA – Não aconteceu nada entre vocês?
LUANA – Nada, ele dormiu no sofá e eu no quarto, cada um em seu canto!
VERÔNICA – Não acredito, mas eu vou ter uma conversa com o Felipe. Não vou permitir que ele fique humilhando você dessa maneira!
LUANA – Não mamãe, deixa quieto! A gente que procurou isso, ele tinha dito, que casaria comigo, mas que jamais me teria como mulher.
VERÔNICA – É, depois ele não reclame de levar alguns galhos na cabeça.
LUANA – Eu não seria capaz de fazer isso com ele, mamãe!
VERÔNICA – Não tenha tanta certeza disso, filha. Você vai chegar em uma etapa da vida, que vai ficar louca por sexo e vai querer fazer ou com o seu marido ou com outro de fora. Mas enfim, não importa, agora você está casada. Está morando nessa casa enorme. Está rica e vai poder comprar qualquer prazer desse mundo.
LUANA – Pode até ser.
VERÔNICA – Então, agora que temos dinheiro, que tal, darmos uma volta no shopping comprar umas roupinhas novas. Você vai precisar mesmo mudar o seu guarda roupa, porque daqui a pouco essa barriga cresce e essas roupinhas apertadinhas suas, não irão te servir mais.
LUANA – Eu não quero nem imaginar a baleia que vou ficar depois dessa gravidez.
VERÔNICA – Não se preocupa, que qualquer plástica, academia resolve, porque agora você está rica. (ela percebe que a filha não está muito empolgada para fazer compras) Não fica assim filha, tira essa carinha triste e coloca um sorriso nesse rostinho lindo. E daí se o Felipe não te procurar? Duvido que ele consiga resistir muito tempo, dormindo com um mulherão ao lado!
LUANA – Talvez.
VERÔNICA – Talvez, não. Tive uma ideia, anda, vamos. (levanta da cama e tenta puxar Luana) Levanta, vamos ao shopping, comprar umas roupas bem sexy, lindas, sedutoras, pra você usar hoje à noite para o seu marido.
LUANA – Tipo seduzi-lo?
VERÔNICA – Exatamente! Vamos ver se ele consegue resistir a sua sedução minha filha!

[CENA 04 – CASA DA ROSÁRIO (SÃO PAULO)/ Q. DA PAULA/ TARDE]
(Paula está no quarto, terminando uma atividade de seu curso. Roberta entra no quarto apressada, e se joga em cima da cama)
ROBERTA – (curiosa) A Carla ligou?
PAULA – Ligou!
ROBERTA – E quando ela volta?
PAULA – Talvez essa semana ainda, já que não tem nenhuma pista do papai. Só espero que ela não comece a procurar o papai sem mim. Que eu mato ela.
ROBERTA – A Carla não vai fazer isso, ela sabe que essa história é de vocês duas.
DIEGO – (na porta do quarto) É… Será que eu poderia ter um particular com você Paula?PAULA – Comigo? Tá pode ser. (Diego entra e dar sinal para Roberta sair)
ROBERTA – Ok, entendi, estou indo já. (Roberta sai e Diego fecha à porta)
PAULA – (guardado seu material) O que você quer falar comigo?
DIEGO – Eu sei de tudo.
PAULA – De tudo o que?
DIEGO – A Carla está grávida!
PAULA – (rir, tentando disfarçar) Não sei de onde você tirou está ideia?
DIEGO – Não adianta me enganar, Paula. Eu ouvi a conversa de vocês antes da Carla ir para o Rio.
PAULA – Acho que você ouviu errado. A Carla não está grávida.
DIEGO – Está, vocês não vão conseguir esconder essa historia por muito tempo, sem a minha ajuda.
PAULA – Como assim?
DIEGO – Dando um pai a esta criança. Eu posso ser o pai dela.
PAULA – A Carla nem sabe o que vai fazer ainda.
DIEGO – Então é verdade?!
PAULA – É… Mas por favor, não conta nada pra ninguém, deixa à Carla voltar, ai resolvemos isso.
DIEGO – Pode deixar. Não vou contar nada pra ninguém.
PAULA – Eu tenho que ir, estou com um trabalho marcado com uma amiga.
DIEGO – Só não esquece do que eu lhe disse. Eu posso ser o pai desta criança.
PAULA – Isso você ver com a Carla, afinal, ela é a mãe né verdade! (sai do quarto, deixando Diego sozinho, pensativo)

[CENA 05 – CASA DO FELIPE/ SALA/ TARDE]
(Luana e Verônica chegam da rua, com as mãos cheias de sacolas)
VIVIANE – Foram boas as compras?
VERÔNICA – Você nem imagina, amiga. Compramos um monte de roupas pra grávida.
VIVIANE – Que bom! Quero ver depois, hein. Agora, será que eu poderia ter uma conversa em particular contigo, Verônica?
VERÔNICA – Claro! Vou deixar essas sacolas aqui, que depois eu levo lá pra cima.
LUANA – Deixa que eu levo mamãe.
VERÔNICA – Não filha. Você não pode carregar muito peso, deixa que depois eu levo. Vai subindo, que é já que eu vou. (Luana sobe para o quarto, enquanto Viviane e Verônica vão até o escritório) Então o que você quer conversar?
VIVIANE – Aquela mulher veio aqui hoje!
VERÔNICA – Ela veio mesmo?
VIVIANE – Veio, e exigiu o exame de DNA com o Felipe.
VERÔNICA – Não acredito? Aposto como o Felipe colocou ela daqui pra correr.
VIVIANE – Não, exatamente. Ele aceitou fazer o teste. E estou com medo desse resultado.
VERÔNICA – Medo de quê? Não vai me dizer que você tem dúvida de que o Felipe não seja filho do Fernando?
VIVIANE – Claro que não, o Felipe é filho sim do Fernando.
VERÔNICA – Então?
VIVIANE – Meu medo é de que o resultado dê negativo. Aí sim terei dúvida.
VERÔNICA – Duvida de que? Se der negativo, é porque aquela moça não é filha do Fernando.
VIVIANE – Se der negativo também, pode ser pelo fato do Felipe não ser filho do Fernando. E se esse for o caso, aquela moça pode ser filha sim, do Fernando.
VERÔNICA – Agora eu que não estou te entendo, Viviane? Já sei. É só aquele sujeitinho ter aparecido, que você veio com essas dúvidas na sua cabeça.
VIVIANE – Pelo sim ou pelo não, realmente prefiro que esse teste dê positivo. Prefiro essa moça aqui, do que perder meu filho.
VERÔNICA – Não diga isso, pelo amor de Deus! Não queremos aquelas duas na nossa família. De qualquer maneira, é melhor que esse teste dê negativo.
VIVIANE – Eu não sei se iria conseguir conviver com essa dúvida.
VERÔNICA – Para de pensar nisso, que pensamento negativo atrai. Vamos aguardar o resultado e a única coisa que você vai fazer, é nunca mais ver aquele sujeitinho, pois foi por culpa dele, essas ideias entrarem na sua cabeça. Agora, vou ajudar minha filha a organizar aquelas roupas toda. (Verônica sai e Viviane continua pensativa)

Amanhecendo…

[CENA 06 – CASA DO FELIPE/ SALA/ DIA]
(Felipe vai direto para a clínica, pega o resultado e volta para casa, com Bianca e Camila já aguardando por ele)
FELIPE – Podem ver que ele ainda não foi aberto.
BIANCA – Pois bem, abra e diga para todos o que eu já sei.
FELIPE – Vou abrir. (ele abre, ler e faz um silêncio)
VIVIANE – Então meu filho, qual o resultado?
FELIPE – Negativo!
BIANCA – (surpresa) Negativo???
FELIPE – Negativo! Quiser poder ver? (entrega para ela)
BIANCA – Não pode ser. Esse teste só pode está errado. Vocês pagaram à alguém para falsifica-ló?
FELIPE – Ninguém falsificou nada aqui, o teste é 100% verdadeiro. Deu negativo, então, vocês não tem mais nada à fazer aqui!
BIANCA – Esse teste está errado. Eu sei que minha filha é filha do Fernando sim. Eu quero um novo teste! E com o outro filho. Quem garante que ele é filho do Fernando?
VIVIANE – Felipe é filho sim do Fernando.
BIANCA – Eu tenho minhas duvidas. Eu já disse, eu quero outro teste, e quero com o outro filho!
FELIPE – Ninguém vai fazer mais teste nenhum aqui. Esse está certo, deu negativo, sua filha não é filha do meu pai e vocês não tem mais nada pra fazer aqui, então se nos dão licença. (caminha até à porta)
BIANCA – Não vão pensando que irão se livrar da gente assim tão fácil. Eu vou voltar. (as duas vão embora)
VIVIANE – Graças a Deus, nos livramos dessa mulher, filho.
FELIPE – Bem, deixa eu ir. E não se preocupa mamãe, essa duas não voltam mais aqui.
[LÁ FORA]
CAMILA – Bem, agora você vai cumprir o que você prometeu. Eu vi aqui, me submeti a isso tudo e agora você vai ter que sair da minha vida.
BIANCA – Não vou cumprir nada. Você num fez nada lá dentro, nem para lutar pelos seus direitos, você sabe fazer! Eu vou encontrar uma forma de provar que você é filha do Fernando sim.
CAMILA – Pois procure sozinha. Eu fiz a minha parte e você vai ter que cumprir a sua. Some da minha vida. (ela sai, deixando Bianca sozinha na rua)
BIANCA – Vai pensando filhinha, que vou sumir da sua vida sem receber o que mereço. Vocês vão ouvir muita coisa de mim ainda. (Felipe sai de casa de carro e no caminho percebe Camila andando meio de cabeça baixa, então decide falar com ela)
FELIPE – Está triste por seu plano não ter dado certo?
CAMILA – Eu não planejei nada disso. Na verdade, estou até feliz por não ser filha de um cara que nem conheço e irmã de um cara chato que nem você!
FELIPE – Aposto como está feliz por não ser herdeira de uma grande fortuna.
CAMILA – Olha aqui cara, estou nem aí pra vocês, pra esse seu dinheiro, só participei disso tudo pra ver se me livro de vez daquela mulher.
FELIPE – Que é isso? Já que o plano não deu certo, vocês vão se separar agora?
CAMILA – Você não sabe nada da minha vida, então não diz o que você não sabe.
FELIPE – Estou perdendo tempo aqui. (acelera o carro, e dirige para empresa)
CAMILA – Que cara chato!

Mais Tarde…

[CENA 07 – CASA DO FELIPE/ ESCRITÓRIO/ TARDE]
VERÔNICA – Deu negativo o resultado?
VIVIANE – Deu!
VERÔNICA – Devemos comemorar então, já que não vamos ter aquelas duas na nossa família.
VIVIANE – Não estou com vontade de comemorar. Por um lado estou feliz, mas por outro… continuo com aquela dúvida.
VERÔNICA – Não há duvida nenhuma. Se você continuar pensando nessas besteiras, aí sim algo pior pode acontecer.
VIVIANE – Como assim? O que você quer dizer?
VERÔNICA – Estou apenas te avisando, para esquecer essa historia. O Felipe é filho do Fernando e vamos comemorar, por que hoje merecemos.

[CENA 08 – APARTAMENTO DO SÉRGIO/ SALA/ TARDE]
ADRIANO – Você já contou para o Felipe que viu a garota no casamento dele?
ROBERTO – Ainda não. Estou deixando ele voltar da lua de mel.
ADRIANO – Ele já voltou. Ontem mesmo.
ROBERTO – Já, nossa que lua de mel rápida.
ADRIANO – Você tem certeza de que contar isso? O cara acabou de se casar e se ele decide ir atrás dessa garota. Você não quer ser o responsável pelo o fim do casamentos deles quer?
ROBERTO – Eu não sei, Adriano. Só acho que se o Felipe sentiu ou sente alguma coisa por aquela garota, ele deve saber que ela está aqui no Rio. Agora, depois que ele souber disso, se ele quiser continuar ainda casado com a Luana, vai depender dele.
ADRIANO – É, você que sabe.
ROBERTO – O Felipe é o nosso amigo, não é? Então, devemos fazer a coisa certa por ele. (os dois saem do apartamento)

[CENA 09 – APARTAMENTO DA CAMILA/ SALA/ TARDE]
(Camila chega no apartamento, toda contende e vai direto para o sofá)
CAMILA – Finalmente, estou livre daquela mulher.
CARLA – Qual o resultado?
CAMILA – Negativo! Eu não sou filha de um estranho.
CARLA – E ela foi embora?
CAMILA – Eu espero que sim, porque eu cumpri minha parte, e ela vai ter que cumprir a dela e sumir de vez da minha vida.
CARLA – E se ela não fizer isso?
CAMILA – Eu faço.
CARLA – Como assim? Não está pensando em fugir está?
CAMILA – Se for á única opção para me livrar dela!
CARLA – Você está brincando né, sua maluca?! A outra família deve está comemorando por ter dado negativo.
CAMILA – Eu também estou. Graças a Deus que não faço parte daquela família!
CARLA – Não gostaria de ter irmãos?
CAMILA – Não daquela família. Que cara chato aquele.
CARLA – Quem?
CAMILA – O filho mais velho daquela mulher, a tal Viviane.
CARLA – Sabe o nome dela?
CAMILA – Sei, ele dizia o nome dela, algumas vezes.
CARLA – E o nome dele, você sabe?
CAMILA – Felipe! Mas você não vai acreditar que cara mais chato e arrogante que já vi. (se levanta e vai para à cozinha)
CARLA – Ele por acaso lhe trato mal, te ofendeu?
CAMILA – Não, só foi frio, faltou jogar na nossa cara a felicidade dele pelo o resultado.
CARLA – Como é mesmo o nome dele?
CAMILA – Felipe!
CARLA – Felipe! (vem uma breve lembrança do Felipe)
CAMILA – (volta pra sala) Carla, o que houve? Você ficou seria de repente?
CARLA – Nada, só me veio uma lembrança, que no momento prefiro esquecer.
CAMILA – Precisamos esquecer bastante coisa.
CARLA – Uma maneira de fazer isso, é focar no que vim fazer aqui! Encontrar o paradeiro do meu pai.
CAMILA – Tem alguma novidade?
CARLA – Não! Procurei na internet alguma coisa, já que ele fugiu com uma mulher rica, certamente, deve ter alguma notícia deles por aí.
CAMILA – E encontrou alguma coisa?
CARLA – Não, e estou voltando amanha para São Paulo.
CAMILA – Já? Pensei que você ficaria mais tempo?
CARLA – Preciso conversar com à Paula. Prometi que nós duas que iriamos atrás dele.
CAMILA – E quando você pensa em voltar? Porque você vai procurar seu pai né? Ele deve continuar morando aqui no Rio ainda.
CARLA – Isso é uma hipótese que eu também tenho.  Primeiramente, vou voltar para São Paulo, tenho certeza que minha madrinha sabe de mais coisas sobre meu pai e depois planejo um retorno.
CAMILA – Vocês vão encontrar seu pai. Vocês não merecem ter o mesmo destino que o meu.
CARLA – Não diz isso, Camila.
CAMILA – Se não tive a oportunidade de encontrar o meu, vocês vão ter.
CARLA – E vamos encontrá-lo, onde ele estiver!

[CENA 10 – PARQUE/ TARDE]
(Frederico está sentado em um banco. Ele observa Viviane se aproximando nervosa)
FREDERICO – O que houve? Pensei que não fosse me procurar mais.
VIVIANE – Preciso da sua ajuda.
FREDERICO – Minha ajuda?
VIVIANE – Eu sei dentro de mim que não é verdade essa duvida que esta sendo criada aqui dentro da minha cabeça. E o único jeito de conseguir tirar ela, é com a sua ajuda.
FREDERICO – Que duvida é essa?
VIVIANE – De que você seja o pai do Felipe.
FREDERICO – Eu sabia. Eu sabia que um deles era meu filho!
VIVIANE – Nenhum é seu filho! É apenas uma duvida que pretendo tirar da minha cabeça.
FREDERICO – E para isso, você quer minha ajuda?
VIVIANE – Eu só quero uma amostra de DNA sua. Tipo um fio de cabelo seu serve.
FREDERICO – Sem problema, mas quero que você abra esse teste junto comigo. Porque se o Felipe for meu filho, quero me aproximar dele.
VIVIANE – Ele não é seu filho! Mas como você está me ajudando, faço questão de abrir junto com você.
FREDERICO – Então ok. Vou lhe dar uns fios de cabelo.
VIVIANE – Obrigada, quando o resultado sai, ligo para você e combino onde nós encontramos novamente.

[CENA 11 – CASA DO FELIPE/ SALA/ TARDE]
(Felipe chega em casa, e se surpreende com seus amigos o esperando)
FELIPE – Ué, vocês por aqui?
ADRIANO – Ainda bem que você chegou, se não esse ai iria furar a sala da sua casa.
FELIPE – Está acontecendo alguma coisa, Roberto?
ROBERTO – Você lembra daquelas garotas, que conhecemos naquela balada quando você foi passar um tempo no nosso apartamento?
FELIPE – A garota que eu fui deixar na casa dela?
ROBERTO – Isso, lembra?
FELIPE – Lembro sim, como é que poderia esquecer aquela noite. (ele sorrir) Mas o que tem elas?
ROBERTO – Uma delas veio no seu casamento ontem?
FELIPE – No meu casamento?
ROBERTO – Isso. A mais velha, o nome dela é… Carla. Lembra?
FELIPE – Carla? A Carla esteve aqui?
ROBERTO – Esteve. Veio ela e outra amiga. As duas estavam acompanhada com uma senhora.
FELIPE – Mas o que elas vieram fazer aqui? Ainda mais no dia do meu casamento?
ROBERTO – Eu não sei. Mas elas falaram com sua mãe, depois foram embora.
FELIPE – Quem preparou a lista de convidados foi à Luana e não minha mãe. Será que a Luana conhece à Carla? E o que ela queria com minha mãe?
ROBERTO – Bem, pra falar a verdade, quem falou com sua mãe, foi a senhora que elas estavam acompanhando.
FELIPE – Que senhora é essa?
ROBERTO – Sei lá. Mas acho que sua mãe deve conhecer. Elas conversaram bastante.
FELIPE – Eu vou ver essa historia direito.
ROBERTO – Bem viemos só te contar isso. Pra você ver como o mundo é pequeno.
FELIPE – Iria convidar vocês pra conversar, só que tenho que voltar para à empresa daqui a pouco.
ADRIANO – Relaxa, sabemos como a vida de empresário é muito ocupada.
FELIPE – Mas, algum dia marcamos para pegar umas ondas.
ROBERTO – Ou tocarmos uma música.
FELIPE – Não tenho tocado mais galera.
ROBERTO – Quem tem talento, não esquece assim tão fácil.
FELIPE – Talvez um dia. (Adriano e Roberto vão embora, Felipe sobe para o seu quarto. Lá em cima, ele lembra porque o rosto de Camila era tão familiar. Lembra que foi ela que ele encontrou, no dia que Carla foi embora para São Paulo na frente da casa dela) Porque não lembrei disso antes, claro. Ela é a garota que encontrei em frente a casa da Carla. (sai do quarto apressado)

Continua no Capítulo 20…

-” ”>-‘.’ ”>

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo