“Eu Sou o Pai, Sempre Soube Disso”

 

[CENA 01 – LABORATÓRIO/ DIA]
(Felipe está com os testes em mãos. Luana está nervosa, Felipe também, mas não tanto quanto Luana. Ele entrega um envelope para Luana e o outro fica com ele. Os dois combinam de abrir ao mesmo tempo)
FELIPE – No três então?
LUANA – Um…
FELIPE – Dois…
LUANA e FELIPE – Três! (os dois abrem ao mesmo tempo e leem o resultado)

[CENA 02 – CASA DA CARLA/ COZINHA/ DIA]
(Junior, Paula e Carla estão na cozinha conversando)
CARLA – Não, não foi com ela que meu pai fugiu.
JUNIOR – No final das contas, então tudo só passou de um mal entendido.
CARLA – Você devia ter visto a cara que fiquei depois disso.
PAULA – Achei a Beatriz legal. Gostei dela.
CARLA – Também achei, agora resta saber o que ela achou da gente.
PAULA – Acho que deveríamos marcar um jantar em agradecimento, só que dessa vez aqui em casa.
CARLA – Não sei se a Beatriz iria se sentir a vontade na nossa casa.
PAULA – Verdade, a casa dela Junior, só a sala, cabe a nossa casa inteira dentro.
CARLA – Também não é pra tanto, Paula.
PAULA – Mas não achei que ela se importava muito com luxo ou com essas coisas toda.
CARLA – Mesmo assim, melhor escolhermos um outro modo de agradecer.
JUNIOR – Bom, a conversa está boa meninas, mas tenho que ir. Até mais tarde. (Junior se retira da mesa e vai para o trabalho)
CARLA – Até!
PAULA – Até, Junior. Já que ficamos sozinhas e os monstrinhos estão dormindo, queria conversa com você sobre a proposta do papai.
CARLA – Não sei se quero deixar essa casa novamente, Paula.
PAULA – Eu sei, também não quero. Contei para o papai que você estava pensando em estudar, e que esse talvez seria um dos motivos de você não aceitar a proposta dele.
CARLA – Só que também não decidi nada sobre isso.
PAULA – É minha irmã, enquanto você fica aí indecisa, o tempo está passando. E com isso você precisa decidir o que fazer da sua vida.

[CENA 03 – APARTAMENTO DO SÉRGIO/ SALA/ DIA]
SÉRGIO – (entrando na sala) Cadê o Roberto?
ADRIANO – Já foi.
SÉRGIO – E não esperou a gente?
ADRIANO – Não, disse que estava apressado, não queria chegar atrasado para à prova e queria dar uma revisada.
SÉRGIO – Eu não entendo por que essa preocupação toda, ele é o único que tem as melhores notas da turma dele. Já está com o diploma nas mãos, praticamente.
ADRIANO – Mas você conhece o Roberto, né! (termina de arrumar à mochila) Vamos?
SÉRGIO – Vamos. (Adriano sai, logo atrás dele Sérgio)

[CENA 04 – LABORATÓRIO/ DIA]
(após abrirem os resultados Felipe e Luana saem para fora do laboratório. Felipe está alegre, mas Luana está pensativa)
FELIPE – Eu sabia. Sabia que a Alice era minha filha. (repara que Luana não está comemorando também) O que foi? Por que está com essa cara?
LUANA – Não é nada.
FELIPE – Como não é nada, desde ontem tenho percebido que você está preocupada com alguma coisa, Luana. Então é melhor você me dizer agora o que está acontecendo?!
LUANA – Não está acontecendo nada, Felipe. Só estava com medo, de que…
FELIPE – De que o Sérgio fosse o pai dela? Não é! Você está com as provas nas mãos. E não adianta dizer que pode está errado, que foram realizados dois testes e todos confirmam o mesmo. Eu sou o pai da Alice.
LUANA – Não vamos mas tocar nisso, a duvida finalmente acabou.
FELIPE – Eu nunca tive dúvida, sempre tive certeza que a Alice é minha filha.
LUANA – Será que podemos ir agora?
FELIPE – Claro. A Alice deve ter acordado já.
LUANA – Só que não vamos para sua casa.
FELIPE – Ah é, você tem que trabalhar. Te deixo lá então.
LUANA – Obrigada. (os dois entram no carro, mas Luana não muda sua expressão e Felipe continua desconfiado)
FELIPE – Estou achando que você não gostou muito do resultado. Quem sabe você ficaria feliz se o Sérgio fosse o pai dela.
LUANA – Não diz isso Felipe, a Alice não teria um pai melhor, do que você.
FELIPE – Não é o que está aparecendo em seu rosto. (liga o carro, e partem em silêncio)

[CENA 05 – APARTAMENTO DA CAMILA/ Q. DA ADRIANA – SALA/ DIA]
(Adriana está terminando de se arrumar em frente ao espelho, quando Camila bate na porta)
CAMILA – Bom dia, posso entrar?
ADRIANA – Claro. Já estava terminando aqui e já ia em seu quarto te chamar.
CAMILA – (olhando para duas mochilas prontas em cima da cama) Estou vendo que você já arrumou suas coisas.
ADRIANA – Já. Meu ônibus sai daqui a pouco.
CAMILA – Bem, já que você não quer desistir dessa ideia…
ADRIANA – Você sabe que não posso.
CAMILA – Mesmo assim, estou feliz que pelo menos dessa vez você não estão sumindo sem avisar à ninguém.
ADRIANA – Pode ficar tranquila, que assim que eu chegar no meu local, iriei telefonar à você.
CAMILA – Eu sei. (caminha até ela e a abraça) Queria poder te acompanhar até a rodoviária, mas tenho uma prova daqui a pouco, então não vou poder ir.
ADRIANA – Não se preocupa. Tchau, amiga. Até qualquer dia.
CAMILA – Tchau. Boa viagem, amiga. (caminha em direção à porta) Tem certeza de que não quer ligar para o Junior?
ADRIANA – Tenho. Ontem conversamos tudo que tínhamos que conversar
CAMILA – Está bem então. Tchau. (sai do quarto, caminha até a sala, vai para cozinha, toma um copo d’água, volta para sala, pega sua mochila e caminha até a porta, quando abre se depara com Cláudio)
CLÁUDIO – Bom dia.
CAMILA – Bom dia! (os dois se beijam) Estou atrasada já, não posso demorar.
CLÁUDIO – Eu sei. Só vim deixar o convite!
CAMILA – Convite?
CLÁUDIO – É. Minha mãe está convidando você para jantar lá em casa hoje!
CAMILA – Não sei… posso responder outra hora?
CLÁUDIO – Pode. No entanto, conhece a dona Verônica. E mesmo assim, à ideia do jantar foi minha. Irei contar sobre a mudança.
CAMILA – Bom, se for para falarmos sobre isso, aceito. Mas, agora deixa eu ir, que estou super atrasada já. (Camila fecha à porta e sai com Cláudio até em baixo)

[CENA 06 – SHOPPING/ TRABALHO DE LUANA/ DIA]
FELIPE – (em frente à loja) Chegamos.
LUANA – Não fica assim. É sério, eu tô feliz que você é o pai da Alice. Só estava com medo de que…
FELIPE – Já entendi, Luana. Melhor você ir, se não você vai chegar atrasada.
LUANA – Você vem me buscar? Estava pensando em almoçarmos juntos hoje.
FELIPE – Claro, venho sim. (Luana dar um breve beijo em Felipe e logo em seguida entra na loja)

[CENA 07 – CASA DO FELIPE/ SALA/ DIA]
(Felipe chega em casa)
VIVIANE – Onde estava filho?
FELIPE – Estou vindo do laboratório com à Luana.
VIVIANE – Vocês pegaram os testes?
FELIPE – Pegamos e todos deram positivo.
VIVIANE – Viu, então essa dúvida saiu definitivamente da cabeça de vocês?
FELIPE – Da cabeça da Luana sim. Porque sempre tive certeza de que à Alice é minha filha.
VIVIANE – E que cara é essa?
FELIPE – Não é nada. Vou ver como à Alice está!
VIVIANE – Claro filho. (Felipe sobe para o quarto, pensativo)

[CENA 08 – APARTAMENTO DA CAMILA/ SALA/ DIA]
(Adriana entra na sala, com uma mochila nas costas e outra segurando nas mãos. Caminha até a porta, coloca a mochila das mãos no chão, e observa a sala, já sentindo saudades)
ADRIANA – Mais uma vez indo embora. Pelo menos, será por uma boa causa. (vira-se para à porta, quando abre se depara com Junior) Junior? O que está fazendo aqui?
JUNIOR – Vim me despedir! (a beija de surpresa)

[CENA 09 – CASA DA VERÔNICA/ SALA/ DIA]
VERÔNICA – (Cláudio chega em casa) Então, como foi lá?
CLÁUDIO – Ela aceitou.
VERÔNICA – Que maravilha. Irei mandar para capricharem para este jantar. Afinal, me parece que ele será especial.
CLÁUDIO – Oh, a senhora não tem ideia do quanto especial será este jantar.
VERÔNICA – Você não pode me antecipar nada sobre hoje?
CLÁUDIO – Melhor deixar para à noite! (sobe para o quarto)

[CENA 10 – SHOPPING/ LANCHONETE/ DIA]
LUANA – Você ainda está chateado por aquilo?
FELIPE – Não estou chateado por nada, Luana.
LUANA – Está bem. Como é que a Alice está?
FELIPE – Bem. Sentido um pouco de falta da mãe, já que ela não quer muito ver a filha.
LUANA – Eu… quero vê-la hoje!
FELIPE – A porta de casa vai estar sempre aberta para quando você quiser ir vê-la. (os dois ficam em silêncio)

[CENA 11 – APARTAMENTO DA CAMILA/ SALA/ DIA]
(Adriana e Junior continuam se beijando, depois de alguns segundos de um longo beijo, ambos o encerram)
ADRIANA – Você não tinha que está no trabalho?
JUNIOR – Tinha. Mas irei recompensar essas horas hoje à noite.
ADRIANA – Bem, tenho que ir agora. Não posso perder meu ônibus.
JUNIOR – Não vou tomar muito tempo, na verdade, já fiz o que eu queria fazer. Queria deixar mais essa lembrança pra você. Assim, ela se juntará com as outras e trará você de volta para mim… pra gente! (referindo-se à Ana)
ADRIANA – Não sei quando irei voltar, Junior.
JUNIOR – Não tem problema, esperaremos por você o tempo que for.
ADRIANA – Não é melhor você ficar criando expectativas. O que sua mãe disse não vai acontecer. Não iremos ficar juntos. Melhor você apagar todas as nossas lembranças, seguir sua vida, e ser feliz sem mim.
JUNIOR – Por enquanto eu serei feliz com à Ana, até você retornar e me tornar feliz por completo.
ADRIANA – (sem o que fazer ou dizer) Junior…
JUNIOR – Não diz nada. Como eu disse, vamos deixar apenas esse momento como uma boa e inesquecível lembrança. (se aproxima dela calmamente, e volta a beijá-la, só que dessa vez, o beijo é bem mais curto que o primeiro)
ADRIANA – Tenho que ir. (pega sua mochila, coloca fora do apartamento, fecha à porta, quando vira para pegar a mochila novamente, Junior já havia pegado)
JUNIOR – Deixa te ajudar, pelo menos até lá em baixo.
ADRIANA – Obrigada! (tenta não olhar mais para ele, caminha até o elevador, ambos entram, Adriana fica olhando para os botões do elevador, tentando ignorá-lo, enquanto Junior continua olhando para ela)

[CENA 12 – CASA DA CARLA/ SALA/ DIA]
(Frederico e Carla estão na sala conversando)
CARLA – Certamente, o senhor veio atrás da resposta sobre à proposta que o senhor fez na casa da Beatriz!
FREDERICO – Também. Porém, vim mais para ver meu neto! Como ele está dormindo, então…
CARLA – Juro que não é uma decisão fácil, tem muita coisa envolvida…
FREDERICO – Eu sei, filha. Sei como isso deve ter pegado vocês de surpresa, mas quero que saiba, que vou apoiar em qualquer decisão que você tomar. Você tem uma vida, e o que mais quero é que você viva ela. Seja comigo ou aqui, na casa de sua mãe.
CARLA – Independente onde seja, a minha vida é ao lado do meu filho. Do Pedro. E é por ele que tomo esta decisão.
FREDERICO – Pois bem, o que você decidiu filha?

Continua no Capítulo 74…

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo