O grupo atracou no lado sul de um novo continente, eles desembarcaram próximos as paredes de rochas que cercavam o continente. O ambiente inóspito e sem vida fez Adam tremer revivendo os temores de seus sonhos mais obscuros.

Nele o garoto corre pelo deserto sozinho em busca de um templo antigo onde ele deve devolver a energia elemental da terra para o seu lugar de direito. Só assim aquela terra será capaz de ter sua vida restaurada. Ao entrar no templo da terra no meio do altar onde um cristal verde reluzia irradiando vida, um ser encapuzado tem as mãos estendidas diante dele sugando toda sua energia.

— Você chegou tarde Anjo. Os dois mundos vão morrer em breve, não há como salva-los. — O homem agora estava frente a frente com ele ainda escondido pelas vestes escuras, sua voz ressoava por todo o lugar transmitindo medo. — Junte-se a mim e seus amigos serão poupados. Seja meu aliado e assim você terá um lugar no meu novo reino.

— E se eu não aceitar Az?

— Terá um destino pior do que a morte.

Ao retirar a capa que cobria seu rosto, Az se revela um boneco sem vida nas mãos de um mestre de marionetes, seus olhos vazios apresentam uma cor acinzentada cujas pupilas deixaram de exibir o brilho da infância. Sua pele apresenta as marcas do sofrimento. De súbito uma aura negra o envolveu. Com movimentos involuntários Az lançou uma rajada de energia negra na direção dele, acertando-o em cheio no coração.

— Sua prisão será a prisão dele. — Az disse finalmente com um sorriso seco nos lábios.

Sua visão agora voltava ao normal, um arrepio lhe percorria a espinha. Como uma pessoa pode estar em dois lugares ao mesmo tempo. Num instante o deserto se transformara num templo, no minuto seguinte, lá estava ele de volta ao mesmo deserto junto dos amigos em sua jornada. Em meio aquele deserto sem vida, o garoto sabia exatamente que caminho seguir, sua intuição de caçador dizia que algo realmente perigoso os espreitava.

— Esta terra pede por socorro. — Disse ele ao pôr os pês naquele solo sem vida. — O que aconteceu aqui foi um desastre sem precedentes, e não há como voltar atrás…

— O que você quer dizer com isso? — Drew o interrompeu sem entender nenhuma palavra.

Adam se pôs de joelhos e começou a acariciar o solo, analisando cada grão de poeira que se espalhava com o vento.  Ele não conseguiu conter a emoção, lagrimas de tristeza rolaram pelo rosto copiosamente.

— Isso aqui não é um jogo… e o Lucca sabia disso. Tudo aqui está morto há muito tempo.

— O que? — Disseram todos em uníssono.

— Se nós não fizermos nada, não é só Ézius que cairá. A terra depende desta dimensão, como esta dimensão depende da terra.

— Do que você tá falando cara? — Jimmy perguntou atordoado.

— Vocês ainda não sacaram né? Essa é uma dimensão paralela que vive em conjunto com a nossa. O que acontece aqui afeta o nosso mundo, e o que acontece no nosso mundo afeta Ézius. Nossa conexão com nossos poderes é mais forte aqui.

— Então os animais nos templos eram os espíritos dos elementais? — Drew perguntou sem acreditar no que acabara de ouvir.

— Isso.

— Você tá dizendo que o Lucca sabia de tudo isso… e que nós fomos enganados… é isso.

Jimmy não conseguia assimilar aquelas palavras. Se tudo o que Adam estava dizendo fosse verdade então aquilo significava que Lucca, seu melhor amigo, havia traído a todos eles da pior forma possível.

— Sim, mas não é hora para pensar em tudo isso, temos um trabalho a fazer.

 

***

 

Andar pelo deserto escaldante não é tão fácil quanto parece, os poderes de Drew não funcionavam muito bem naquele terreno, a ligação com seus elementos os deixavam mais fortes ou fracos dependendo do território onde cada um deles estivesse, o sol castigava a pele, já haviam se passado horas e nenhum sinal do que eles buscavam.

Para onde se olhava se via apenas um grande mar de areia e o sol queimando num calmo céu azul de verão.

— Quanto tempo mais a gente vai ter que andar Adam? — Drew quebrou o silencio.

— Nós estamos perto. Eu posso sentir.

— O que é aquilo? — Drew perguntou sem acreditar no que seus olhos viam.

Pareciam os pilares de uma construção antiga em meio ao deserto escaldante. Aquele monumento parecia ter sido erguido a muito tempo, lembrava uma construção grega, uma perfeita entrada de um templo em culto a um deus olimpiano. Ao se aproximarem o grupo teve certeza de que se tratava de um portal de entrada para uma cidade destruída pelo tempo.

A paisagem era angustiante para todos eles, não havia mais vida naquele lugar, apenas destruição e morte. Uma cidade dividida em ruas, praças, casas, mercado, pessoas, animais e coisas coexistiam ali antes daquela catástrofe toda destruir o lugar. Pensar em toda a vida que existia ali antes do controle das feras rei, fez todos ali se entristecerem.

— Existe uma prisão por aqui. A fera foi aprisionada aqui há muito tempo, por um de meus ancestrais. — Adam disse olhando em volta.

— Como você sabe de tudo isso? — Arthur perguntou.

— Eu sonho com isso quase todas as noites desde o dia em que conhecemos o Samuel. Quando pisamos na praia eu tive uma espécie de visão e ela que eu estou seguindo.

— Sinistro. — Jimmy acrescentou.

Depois de um tempo caminhando quase sem rumo, os cinco chegaram a uma construção antiga em forma de pirâmide lembrando uma construção inca, uma escadaria de pedras perfeitamente alinhadas os levava ao topo. Ali em cima uma casinha rustica feita de lama e palha jazia solitária.

Tudo era diferente ali. Apenas naquele lugar existia vida, plantas rasteiras se erguiam rumo aquela cabana, flores, frutos e pequenos animais viviam em harmonia. Nenhum deles sabia ao certo como aquilo era possível, todo um continente destruído pela ganancia de um ser maligno e apenas aquele pequeno pedaço de paraíso sobreviver para contar a história.

Era a vez de Arthur revelar a verdade.

— Aqui foi o local da grande batalha séculos atrás. Os magos usaram o poder remanescente deste lugar para aprisionar as quatro feras reis, dando as próprias vidas no processo. Dos cinco continentes apenas Nova Tecnus conseguiu resistir e prosperar novamente…

— Nova Tecnus? — Perguntou Jimmy.

— Sim. Ézius era dividida em cinco continentes, Tecnus, Theron, Akvus, Aero e Fajro. Em cada um deles humanos e elementais viviam em comunhão, compartilhando o conhecimento sustentável entre elas. Natureza e tecnologia avançavam juntas, até a humanidade se achar superior.

— Eu conheço essa história. — Adam o interrompeu.

— Tecnus no passado usava magia dos elementos como matéria prima para a sua existência tirando da terra só o necessário, reutilizando o que era possível assim a terra poderia se recuperar gradualmente, em troca dava aos elementais as ciências das misturas, literatura, música, pintura e escultura como um modo de preservar o que estava sendo aprendido em comunhão entre as cinco nações…

— Ai os humanos gananciosos como sempre são quiseram retirar mais do que a terra pode repor. — Foi a vez de Drew completar aquele raciocínio.

— Isso mesmo. No fim os elementais se voltaram contra a humanidade, pararam de dividir o conhecimento com a gente, nos escravizaram, até o dia em que eles orquestraram a revolução e aprisionaram as feras reis para sempre. Desde então nosso povo tem vivido em paz com os poucos conhecedores das magias antigas. Templos foram erguidos nos quatro cantos de Tecnus para nos lembrar deste dia. Até o dia em que aqueles cinco homens retornem.

 

***

 

Ao pisar em seu interior algo inusitado aconteceu. Um brilho esverdeado tomou conta de todo o lugar, cobrindo tudo com grama fresca, o ar foi impregnado pelo cheiro de terra molhada e nas paredes videiras vivas espalhavam seus ramos.

Uma escultura gigantesca de pedra jazia imóvel no centro do salão principal, ajoelhada e com os braços cruzados empunhando uma espada e um escudo em ambas as mãos. Seus olhos agora emitiam uma intensa luz verde, que era canalizada para um cristal mais ao fundo.

— Toda a energia desse lugar está sendo canalizada para aquele cristal, em poucos dias nada aqui sobreviverá. — Disse Adam num transe profundo. — Não deixem as feras despertarem. Devolvam aos elementos seu poder natural, mantendo-os aprisionados para sempre. Só assim todas as dimensões serão salvas.

A estátua deixou de exibir seu brilho se desfazendo em seguida, uma nuvem de poeira passou por eles fazendo Adam sair de seu transe.

Aquela era sua verdadeira missão.

 -” ”>-‘.’ ”>

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo