O Diário de Lucca: Capítulo 31 – Louca Obsessão

Samuel disse que no dia seguinte eles iriam conversar melhor sobre tudo o que aconteceu naquela noite na sala de estar em sua casa só que esse dia seguinte chegou e nada aconteceu, nem no outro e no outro.

O inverno já havia chegado há um bom tempo no estado, porém somente agora que estava sozinho que Lucca começou a notar os detalhes do clima. As ruas úmidas, pessoas correndo quando a chuva começava a desabar, algumas se protegendo com seus guarda-chuvas enormes e outras usando capas de plásticos. A sua vida havia ganhado um filtro azul de um filme dramático qualquer que de tão ruim foi diretamente para DVD.

Lucca não queria dar o braço a torcer, somente conversaria com seu namorado se ele o procurasse como disse que aconteceria. Para não ficar pensando somente nesse assunto e acabar sendo o primeiro a chamar no chat, Lucca resolveu deixar seu aparelho celular no mudo e sentar em frente ao seu computador, deixar em dia os seus estudos seria o melhor naquele momento para que sua mente não ficasse fixada em Samuel. Nunca pensou que iria existir uma situação dessas entre ele e o roqueiro, pois a relação parecia muito perfeita apesar do seu ciúme, seu medo de que Samuel o deixasse por outra pessoa, por uma garota assim como Dario fez no passado.

Eles brigaram por uma coisa que Lucca tinha feito, bem, não era exatamente um motivo para acontecer uma briga daquele tamanho. Então… Então, por qual motivo Samuel ainda não havia enviado uma mensagem para que os dois esclarecessem o que havia acontecido. Deixar tudo às claras. De fato Lucca estava com ciúme de Arthur, porém aquilo não queria dizer que ele não amava o seu atual namorado, é uma situação muito complexa que envolve várias coisas das quais o rapaz não conseguiria explicar.

E se essa suposta discussão fosse algum plano, alguma coisa que Samuel mesmo havia inventado para criar um pequeno afastamento entre eles para poder sair com alguma outra pessoa. Uma daquelas fãs de sua banda, ou UM fã. Realmente isso poderia ser verdade, quer dizer, como ele poderia ter certeza de que Lucca estava sentindo um pequeno ciúme do seu ex-melhor amigo com a sua nova namorada naquela tarde no shopping? Era impossível, claro.

Todas essas coisas estavam fazendo sentindo na mente do nosso protagonista. Já não conseguia mais se concentrar em seus estudos, somente pensava em Samuel o traindo com alguma garota ou garoto, ou, então, os dois ao mesmo tempo em algum dos shows que sua banda fazia pela a cidade. Precisava ver essa traição com seus próprios olhos e também sabia onde a banda faria um show naquele dia. Ligou para Sabrina e Leandro, não disse que queria ir para o show para tentar pegar Samuel no pulo e sim que queria conversar com o namorado para acertar o mal entendido entre o casal.

Chegaram um pouco perto do final do show, Lucca preferiu ficou escondido entre a multidão com seus dois amigos ao seu lado. Seu olhar fixou em seu namorado que tocava guitarra enquanto o vocalista da banda gritava a letra da música pesada. Contava os minutos para aquilo tudo acabar logo e, secretamente, invadir o local em que Samuel estaria se preparando para ir embora só que invés de encontra-lo naquela situação iria o encontrar se beijando com outra garota… Ou garoto.

Ou os dois.

— Eu vou lá… Fiquem aqui, daqui a pouco eu volto. — disse Lucca se afastando dos seus amigos.

Após o show terminar os roqueiros foram para os fundos do prédio para trocarem de roupas e aproveitarem o resto daquela noite, Samuel foi o último a terminar de se vestir e um amigo seu entrou no local improvisado para os artistas trocarem de vestimentas ou, então, se preparem para alguma apresentação. Um amigo de Samuel entrou e o parabenizou pelo o show, continuaram conversando sobre outro assunto. Esse amigo questionou o roqueiro se ele não iria conversar com Lucca. Samuel respondeu que tinha se arrependido do jeito que agiu e que talvez tenha exagerado, mas haviam motivos para ele acabar exagerando em relação aquilo.

— Eu já sabia que ele teve uma coisa com esse tal de Arthur, porém nunca toquei no assunto porque pensava que ele acabaria me contando, mas… — suspirou Samuel coçando a sua cabeça.

— Mas daí você sentiu ciúme porque pensou que ele estava com ciúme do amigo. Daí ele confirmou que estava mesmo. — continuou o amigo. — Tudo bem, você errou e ele já errou assim, não? Se ele gosta de você muito, então, ele vai levar tudo numa boa.

— Obrigado pela a força. Vou conversar com o Lucca assim que eu sair daqui, nem vou assistir os outros shows. — riu Samuel.

— Vai lá, vai dar tudo certo. — disse o amigo rindo do que o mais velho tinha acabado de falar.

Os dois se abraçaram.

Escondido Lucca observava aquela interação, sem ter conseguido escutar o seu conteúdo. Então, depois do abraço suspeito Lucca saiu do seu esconderijo como um personagem de anime de aventura e ação. Tudo o que passava em sua cabeça era somente a sua história com Dario, de como ele havia lhe traio e de como suas mais recentes paranoias em relação a Samuel estavam fazendo sentido naquele momento, as antigas por algum motivo começaram a fazer sentido naquele instante também.

— Então as minhas paranoias estavam certas. — disse Lucca pegando de surpresa Samuel e o seu amigo que se afastaram rapidamente do abraço inocente.

— Lucca? Que bom que você está aqui, eu ia até sua casa para a gente conversar e… — quando o mais alto foi abraçar o seu namorado, o mesmo o empurrou e lançou um olhar de raiva. — O que foi?

— Você tá me traindo com esse daí, eu já entendi. Foi a mesma coisa que o Dario fez comigo, mas dessa vez eu consegui pegar no flagra antes que viesse com aquela conversa toda de amizade ser confundida com paixão… — Lucca não se encontrava no seu melhor momento, suas mãos tremiam e seus olhas haviam se enchido de lágrimas. Seus pensamentos a mil por hora e ligando todos os pontos, de formas porcas, para que a história fizesse sentido no final.

— Lucca não é nada disso que você tá pensando, eu só estava conversando com o Samuel para que ele fosse falar com você e— o amigo foi interrompido por um grito estridente emitido pelo nosso protagonista.

Samuel segurou Lucca para que pudesse falar olhando o namorado nos olhos em uma tentativa de acalmar o mais novo que visivelmente estava fora de si, um surto semelhante ao que ele teve no episódio envolvendo Rocco, porém agora as pessoas envolvidas estavam na sua frente.

— Lucca, me escuta. Eu não estava te traindo, foi somente um abraço e eu ia te procurar para te pedir desculpas porque eu exagerei aquele dia… Por favor, Lucca, me escuta.

— Cala a boca, cala a boca! — gritou Lucca. — Você não vai me enganar, eu já entendi perfeitamente o que tá acontecendo, eu já passei por isso… Já passei. Eu não quero passar por isso de novo. — as lágrimas começaram a escorrer pelos seus olhos, tentou limpar, entretanto conforme ia passando as mãos para limpar a água salgada mais iam surgindo. — Eu quero você longe de mim, Samuel… Longe.

Lucca saiu correndo.

Sua cabeça girava ainda e a única coisa que queria fazer era beber até não poder mais para esquecer Samuel por algumas horas. Depois que acordasse, no dia seguinte, pensaria no que faria com seu relacionamento que já estava fracassado. Na sua cabeça tudo fazia sentido, a traição de Samuel que não existiu de fato estava lá dentro, da sua mente. Mesmo que tudo fosse diferente em relação das coisas que aconteceram com Dario, em sua mente era exatamente igual. Detalhe por detalhe. Comprou uma garrafa de alguma bebida alcoólica da qual desconhecia o nome, mas era tinha um gosto doce de fruta misturada com muito álcool.

Enquanto descia a rua para uma boate LGBT dava uma olhada nas notificações que brotavam na tela superior do seu aparelho celular, todas do WhatsApp. Sabrina, Leandro, Samuel e outros amigos querendo saber para onde diabos havia ido, colocou o smartphone em modo avião e guardou em seu bolso. Sabia que não conseguiria terminar aquela bebida toda sozinho, como já estava bêbado o suficiente para fazer qualquer coisa sem sentir culpa durante o ato deu a garrafa de vidro para o primeiro grupo que apareceu na sua frente.

Na boate acabou encontrando alguns colegas de curso.

— O que faz aqui sozinho? — perguntou um dos seus colegas de curso gritando.

— Eu to comemorando! — Gritou Lucca de volta.

— Comemorando o quê?

— Estou solteiro!

— Terminou com o Samuel? — perguntou o colega gritando.

— Sim, ele tava me traindo! — respondeu Lucca também aos gritos, soltando uma risada rouca no final.

Continuou bebendo dentro da boate enquanto dançava com pessoas conhecidas e outras vezes com gente totalmente aleatória. As frequências cardíacas de Lucca começaram aumentar conforme ele continuava ingerindo álcool, sua fala já estava lenta e confusa. Quando o rapaz tentava conversar com alguma pessoa, ambos acabavam rindo, Lucca não compreendia o motivo de estarem rindo diferente do outro envolvido na situação. Sua caminhava estava lenta também, tudo dentro da boate girava como se ele estivesse em sincronia com a rotação do planeta.

Continuou nesse ritmo até o momento em que caiu sem consciência entre algumas pessoas que dançavam na pista.

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Publicidade

Inscreva-se no canal ATRAVÉS DO UNIVERSO!

O novo canal do Youtube pertence ao CEO da Widcyber, Wellyngton Vianna.

O conteúdo do canal traz vídeos com temas sobre Ciência, Astronomia e Curiosidades do mundo.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo