Animais Racionaiss

VOCÊ ESTÁ LENDO

Capítulo 19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Laura fica surpresa com a fala de Roberto. 

Laura: O quê?

Roberto: Não haverá casamento, não terá nenhum vínculo entre nós. Por mais difícil que seja pra você, tô aqui pra romper…

Laura: Você tá de brincadeira? Tantos anos de noivado, planejando… Falta menos de uma semana pra gente se casar e você vem me dizer isso?

Roberto: Eu não queria que as coisas terminassem dessa maneira, porém não tem outra alternativa, a nossa relação já era. Não faz sentido. 

Laura: Está louco?

Roberto: É o que eu tinha pra falar Laura. Me desculpa, desculpa mesmo. – Laura o segura.

Laura: Desculpa nada! Me deve explicação, não pode ter mudado de repente! Foi por causa da empregadinha que tava conversando na saída do cemitério?

Roberto: Não te interessa! Agora solta o meu braço e entenda que acabou! – leva uma sapatada nas costas.

Laura: Você não pode ser cruel comigo depois do que vivemos juntos!

Roberto: Jogou o sapato em mim?

Laura: Deveria ter jogado um tijolo na sua cabeça! Se arrependerá do que está fazendo!

Roberto: Me arrependo de não ter feito antes. – ela bate a porta com força, se serve com vodca, energético e gelo. Após um gole, quebra o copo na parede e Rodrigo desce as escadas.

Rodrigo: Por que a revolta?

Laura: O Roberto veio cancelar o casamento. Perdemos pai!

Rodrigo: Pois você vai reconquistá-lo. Lembre-se do que me prometeu quando ainda era uma menina.

Laura: Eu sei, talvez seja melhor desistir.

Rodrigo: Não, eu não posso. Preciso da sua ajuda filha. Eu quero a fazenda, aquelas terras! O casório com o Roberto é o primeiro passo, faça por mim!


Zeca chega de bicicleta e a encosta na parede de casa, entra no bar de Maria.

Maria: O que pensa em fazer?

Zeca: Ué, vou pegar uma cerveja geladinha.

Maria: De jeito nenhum, é para os clientes! Se você quiser terá que pagar, seu traste! Acha que bebe de graça no meu bar?

Zeca: Eu hein! Larga de ser ruim!

Maria: Cai fora!

Eduardo: Ei Zeca! – grita do carro que estaciona na frente fazendo sinal com a mão ao pronunciar o nome de Zeca.

Zeca: Opa, Edu? Conseguiu entregar? – resmunga baixinho ao se aproximar pra Maria não ouvir.

Eduardo: Sim Zeca. Tá aí sua parte. Pode continuar capturando que a Lúcia tá vendendo tudo. – entrega várias notas de cinquenta reais.

Zeca: Ótimo. A grana me ajudará na construção da minha residência.

Eduardo: Uma excelente renda extra. Pega principalmente saguis e aves, é o que vende, valeu?

Zeca: Beleza, assim que tiver bastante bicho no galpão te aviso pra levar.

Eduardo: Zeca espera! Avisa a Carolina, fala que eu tô esperando ela pra faculdade.

Zeca: Tá certo. – guarda o dinheiro e rouba uma latinha do freezer, no entanto Maria percebe e corre atrás dele que se desloca em busca de Carolina.

Zeca: Tô pagando, velha pão dura! – dá uma nota de dez reais a Maria.

Zeca: Carolina, o Edu veio te buscar. 

Carolina: Tô indo. – coloca os livros na mochila.

Maria: E o trabalho na fazenda, como está filha?

Carolina: Ah mãe, não deu. Eu não vou mais trabalhar lá.

Maria: Não? Por quê?

Isadora: Acontece que o filho do fazendeiro tá apaixonado por ela. – aparece no quarto.

Maria: Como é?

Isadora: Ah, inclusive Carol, o Roberto pediu pra te lembrar sobre o almoço amanhã, às onze horas.

Maria: Que história é essa Carolina?

Carolina: Ah mãe, eu não sei, tenho que ir pra faculdade, senão me atraso. – ela some rapidamente.

Maria: Se for verdade, tá na hora da Carolina arrumar um novo amor, né? Pensei que fosse o Edu.

Zeca: Ela é esperta, está de olho na grana do fazendeiro.

Maria: Não fala bobagens! A Carolina nunca foi interesseira!

Zeca: Ok!

Maria: Por que não cuida da sua vida e ajuda a Isa com sua filha? Seu caipira nojento! – aponta pra Isadora trocando a fralda de Ana na cama.

Zeca: Ah, me deixa em paz velha!

Zeca: Isa, não aguento a sua mãe!

Isadora: Eu que não suporto vocês dois!


Carolina entra no veículo de Eduardo.

Carolina: Boa noite Edu.

Eduardo: Boa noite Carol, vamos?

Carolina: E hoje tem prova!

Eduardo: Vi você e o Roberto conversando no cemitério à tarde.

Carolina: Sim, está arrasado. É a mãe dele que faleceu, nem imagino o quanto deve sofrer.

Eduardo: Estão bem próximos. É oficial? Assumiram o romance?

Carolina: Por que a pergunta?

Eduardo: Preocupado com você se envolvendo com ele. Preciso te dizer, o Roberto é um cafajeste de carteirinha. Não quero te ver arrasada, ele não presta!

Carolina: Encerra o assunto Edu, por favor!

Eduardo: Tá bom.

Carolina: Foco nos estudos.


Zeca estava assistindo televisão enquanto Isadora dava comida para Ana até que ela repassa o prato para o marido.

Isadora: Zeca, continue dando comida pra Ana. Recolher as roupas no varal!

Zeca: Que gostoso hein amor, papar tudinho a comida! – enfia uma colherada da sopa na boca de Aninha.

Isadora repara uma moto no quintal. Juca retira o capacete ao observá-la e Gustavo sai da garupa.

Isadora: O que tá fazendo com meu filho seu marginal?

Juca: Nossa, é o jeito que você me recebe? Não é como me tratava antes.

Isadora: Fica longe do meu filho, fica longe dele, entendeu Juca? – agarra Gustavo.

Juca: Fala direito comigo! Não esqueça o segredinho que a gente esconde do passado.

Gustavo: Do que ele está falando mãe?

Isadora: Não importa! Pra dentro agora!

Gustavo: Mas…

Isadora: Gustavo!

Juca: Você deveria contar a verdade. – diz ao ver o menino se afastar.

Isadora: Não se meta na minha vida e na vida dos meus filhos!

Juca: Não se livrará dos seus pecados. – estava indo em direção a moto quando ela o chama.

Isadora: Espera. Eu preciso da sua ajuda.

Juca: Se rolar dinheiro…

Isadora: Um valor guardado na poupança, uma boa quantia.

Juca: Pode contar comigo então.

Isadora: Fica entre nós.

….

Música de encerramento: It’s Time – Imagine Dragons Tema: Livre

Atenção: A Widcyber tem a autorização do autor para publicar este conteúdo.

cropped-wid-1.png

NAVEGAR

>
error: Este conteúdo é protegido! A cópia deste conteúdo não é autorizada em virtude da preservação de direitos autorais.
Rolar para o topo