Animais Racionaiss

VOCÊ ESTÁ LENDO

Capítulo 17

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Outro dia amanhece. Roberto entra no casarão da fazenda, porém encontra Jorge sentado no sofá triste, abatido. Isadora e Carolina estão sérias ao servir o café que esfria na mesinha da sala.

Roberto: Bom dia gente! Pai desculpa, não aguentei esperar me buscar, pequei um táxi no hospital, não suportava ficar ali… Que cara é essa? Cadê a mãe? – se preocupa ao ver Jorge levantar o rosto com uma expressão desagradável.  

O pai sai do sofá e desvia o olhar para a pintura do enorme quadro pendurado no centro da parede, um retrato de Helena. Roberto repara no sofrimento dele e nas empregadas que abaixam as cabeças.

Roberto: Pai? O que ocorreu pai? Fala logo! – ao se aproximar com um dos braços imobilizado pelo gesso.

Jorge: Filho… A sua mãe… Eu não tenho coragem de te falar, fale pra ele Isa! – diz lentamente com a voz sofrida ao esconder o choro.

Isadora: Eu? Mas senhor Jorge…

Jorge: Por favor, Isa.

Roberto: Fala Isa, o que aconteceu com minha mãe? O que houve?

Isadora: A sua mãe sofreu um acidente… Um acidente grave e não resistiu… – pronuncia com dificuldade.

Roberto: Como assim? A minha mãe tá morta? Não pode ser! É verdade pai? – ele encara Isadora, Carolina e Jorge que estão na sala abalados.

Jorge: Infelizmente é verdade filho… A Helena se foi…

Roberto: Não! Não… Como isso pode acontecer… Ela estava… Ela estava tão bem! – se desespera com a notícia, Jorge o abraça.

Jorge: Horrível filho, ela caiu do penhasco e bateu a cabeça… Eu não consigo entender!

Roberto: Ela caiu do penhasco? Pai…

Jorge: Passou tão rápido, a gente caminhava nas trilhas da mata, eu fui pegar a garrafa de água na camionete e ela continuou… Quando a encontrei, era tarde…


Carlos acorda com o barulho do relógio e péssimo humor.

Carlos: Ai, que dor de cabeça… – fala sozinho após desligar o despertador e se levantar da cama com preguiça.

Quando escova os dentes no banheiro e fica de frente ao espelho se assusta com a figura: a imagem de Helena coberta de sangue.

Ele derruba a escova, então fica sem reação por alguns segundos. Ao virar para trás não encontra nada e ao olhar de volta no espelho só aparece o seu reflexo agora.

Carlos: Ah meu Deus… – vem a lembrança da tragédia do dia anterior, da cena de Helena jogada do penhasco. Embrulha seu estômago e um calafrio ao sentir o vento gelado da janela do quarto que bate diversas vezes. As cortinas balançam ao entrar, logo vê a imagem de Helena novamente na sua frente, mas em questão de segundos desaparece. Carlos cobre o rosto.

Carlos: Sai daqui demônio, sai da minha casa! – atira um abajur na parede ao ver outra vez Helena.

Carlos: Ah não, será que tô ficando louco? – diz desesperado depois do fantasma sumir. Põe as mãos no cabelo bagunçado e rodeia pelo quarto até ouvir o barulho da campainha da porta.

Ao atender se depara com Gustavo que retira uma sacola preta da mochila ao vê-lo.

Gustavo: Trouxe o que você pediu.

Carlos: Ótimo… – tenta pegar a sacola, no entanto  Gustavo afasta da mão dele.

Gustavo: An, an… Primeiro o meu pagamento, não vai me fazer de trouxa.

Carlos: Tá moleque. Me dá! – após retirar um dinheiro da carteira e entregar a Gustavo puxa a sacola com raiva.

Carlos aguarda Gustavo conferir a grana contente e fecha a porta. Pega uma das cápsulas de cocaína, abre esparramando o pó na mesa onde cheira. 

Carlos: Finalmente… – encosta a cabeça na cadeira satisfeito.


Laura desce as escadas do quarto e observa o pai limpando um revólver sentado na poltrona da sala.

Laura: Onde conseguiu a arma pai?

Rodrigo: Ué, comprei. E em breve pretendo usá-lo. É o momento da sua mãe pagar pela traição. Quero o endereço. Você sabe onde aquela maldita da Lúcia tá vivendo, não sabe?

Laura: O endereço está na mensagem que ela enviou no celular, vou anotar no bloco de notas. Toma cuidado pai pra não estragar nossos planos com essa vingança boba.

Rodrigo: Será que sou eu que preciso ter cuidado? – se levanta e Laura fica em silêncio.

Rodrigo: Fiquei sabendo da morte da Helena.

Laura: Morte da Helena? A mãe do Roberto?

Rodrigo: Ela mesma. Está em todos os jornais. Parece que caiu do penhasco.

Laura: Nossa, que triste, imagina o clima na fazenda?

Rodrigo: Espero que você não tenha nada haver com a morte dela.

Laura: É claro que não pai.

Rodrigo: Não fazia parte dos nossos planos. Se lembre do verdadeiro motivo por qual está se casando com o Roberto. É mais do que dinheiro que está envolvido, não se esqueça.

Laura: Como iria esquecer? Te prometi desde pequena e vou cumprir a nossa promessa.

Rodrigo: Importante que você cumpra, preciso da sua ajuda pra poder descansar em paz. Estamos perto do que eu quero. Não me decepcione Laura. – pega o bloco de notas que ela deixa na mesinha e sobe para o quarto.

Rodrigo: É bom se arrumando para o enterro da Helena no cemitério, não terá velório por causa da situação do corpo. – diz para a filha ao subir as escadas.


Maria servia os clientes do bar quando repara em Catarina e Guilherme.

Catarina: Vó?

Maria: Oi meus lindos, estão bem? Cadê o Gustavo que não veio com vocês? – dá um beijo na testa deles.

Guilherme: Ele entrou na escola e sumiu vó, matou aula.

Maria: Não ficou na aula? E onde estava?

Catarina: É o que a gente queria descobrir.

Maria: Falando nele, ó ele vindo ali!

Gustavo: Tá tudo bem?

Maria: Onde se meteu Gustavo que os seus irmãos não te viram na escola, hein mocinho?

Gustavo: Ai vó, quanta preocupação! Fui na casa de um colega.

Guilherme: Até quando vai continuar com as mentiras seu pilantra?

Gustavo: Enlouqueceu maninho? O mentiroso é você que fica apanhando pelas ruas! E tá feio pra caramba o olho roxo, viu?

Catarina: Guilherme, não! – ela segura o irmão  que pretendia avançar sobre Gustavo.

Guilherme: Ele provoca vó, tá vendo? Ele provoca! Ele é um descarado, não presta nem pra enganar vó!

Gustavo: Me erra vai, me erra!


A tarde começa quando Laura e Rodrigo chegam ao cemitério encontrando algumas pessoas reunidas diante do enterro de Helena, entre elas Carlos, que acaba de cumprimentar Jorge e Roberto.

Rodrigo: Jorge, estou sem palavras! Ouvi comentários na região do vilarejo, mas não entendo, como a Helena pode ter caído do penhasco?

Jorge: Eu não sei Rodrigo, ainda não consigo decifrar, a polícia está investigando o caso.

Rodrigo: Sinto muito, conte comigo no que precisar. – fala acompanhado da filha que apoia Roberto ao lado.

Laura: Meu amor… Não fica assim, acidentes acontecem…

Roberto: Como você quer que eu fique Laura? Minha mãe acabou de morrer e tenho certeza que não foi um acidente! A polícia encontrou rastros de pneu de outro carro! A minha mãe jamais ia cair do penhasco à toa, alguém a derrubou, não vou sossegar enquanto não encontrar o culpado!

Ao dizer as últimas palavras, Carlos vomita.

Roberto: Carlos? – volta sua atenção para o amigo que o recebe angustiado. 

Música de encerramento: Maroon 5 – Animals Tema: Carlos e Laura, Carlos, Laura

Atenção: A Widcyber tem a autorização do autor para publicar este conteúdo.

cropped-wid-1.png

NAVEGAR

>
error: Este conteúdo é protegido! A cópia deste conteúdo não é autorizada em virtude da preservação de direitos autorais.
Rolar para o topo