Animais Racionaiss

VOCÊ ESTÁ LENDO

Capítulo 27

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Maria encontra Catarina deitada. Ela traz um prato com bolachas e um copo de achocolatado.

Maria: Percebi que comeu migalhas no jantar e preparei umas bolachinhas pra você. – fala ao sentar do lado.

Catarina: Obrigada vó.

Maria: Tá triste por que a sua mãe rasgou as roupas que usava?

Catarina: É pela Mel. Eu fui a casa dela hoje.

Maria: Estava lá?

Catarina: O Moisés me contou que se mudou pra Bahia com alguns parentes e entregou essa carta. – mostra o papel amassado.

Maria: Verdade?

Catarina: Nem se despediu.

Maria: Qual o motivo dela sair de São Roque?

Catarina: Não sei, achei muito estranho abandonar o vilarejo dessa maneira. – abraça Maria que dá um beijo na testa.

Zeca: Notícia do Guilherme? – aparece no quarto.

Maria: Infelizmente não Zeca. A Isa, Carol e Gustavo foram à delegacia registrar o desaparecimento.

Zeca: Ah meu Deus, o que ocorreu com o moleque?

Gustavo: Deve tá morto, né pai? – ao roubar uma das bolachas que Catarina rejeitou.

Zeca: Engula o que disse Gustavo! Tenho esperança que está escondido por aí!

Maria: Espero mesmo que o meu neto esteja vivo Zeca, senão vou te culpar eternamente!

Zeca: Me culpar? Você tá louca velha?

Maria: Você e a irresponsável da Isa não souberam educar os filhos! Eu faço o possível pra cuidar da Aninha. Se dependesse dos pais… Fora que não deu importância quando o Guilherme sumiu!

Zeca: Ah, cansado das suas baboseiras, acabei de chegar do trabalho e ainda tenho que ouvir isso! Me esforço pra caramba sustentando a família!

Maria: Criar filho não é sustentar, traste! Tem que ter cuidado, atenção! Você e a Isa deixou um bandido se aproximar dos meus netos! Certeza que o maldito do Juca está com o Guilherme!

Zeca: Como ia adivinhar que se tornaria um marginal? O Juca trabalhava comigo na época. Apresentei ele pra Carolina e em seguida se transformou num traficante de drogas!

Maria: Você trouxe desgraça, desde que se casou com a Isa!

Zeca: Vai se lascar, nojenta!


Quase meia noite Eduardo estaciona o veículo no bar de Maria. Carolina se despede.

Carolina: Tchau Edu.

Eduardo: Lembra que amanhã de tarde venho buscar você e a Cacá.

Carolina: Ok. – fica parada na varanda olhando o automóvel sumir pela estrada. Em alguns segundos se vira para entrar e localiza Roberto encostado na parede.

Roberto: Podemos conversar?

Carolina: O que você tá fazendo aqui Roberto? Temos nada pra falar.

Roberto: Será assim? Por causa de uma confusão no celeiro desistiu da gente? Nem pude explicar!

Carolina: Não precisa de explicações. Estou indo embora de São Roque com o Edu!

Roberto: Eduardo? Tinha que ser! Realmente não deveria ter vindo.

Carolina: Eu e o Edu somos apenas amigos.

Roberto: Amigos? E você resolve ir com ele de repente?

Carolina: E importa o que você acha? Melhor cada um seguir a sua vida.

Roberto: Siga seu caminho então! Aliás, tentando entender onde andava com a cabeça de largar tudo pra ficar com você. Decepcionado.

Carolina: Boa noite. – ao pronunciar as últimas palavras, Carolina fecha a porta na cara de Roberto.


Laura desliga o carro em frente à residência de Carlos que abre o portão para recebê-la.

Carlos: Demorou hein?

Laura: Demorei, mas cheguei. – o beija intensamente, no entanto os dois são interrompidos por uma voz.

Moisés: Filho! – vinha da rua arrastando a carroça de recicláveis na direção de Carlos. 

Laura: Ele é o seu pai? – pergunta curiosa ao reparar no senhor de barba e cabelo longo.

Carlos: Não é meu pai há tempos. O que veio fazer velhote?

Moisés: Quem é a moça? É a filha do Rodrigo?

Carlos: Não te interessa! Agora caia fora antes que eu perca a paciência!

Laura: Calma gatão. – segura Carlos que olha furioso pra Moisés.

Moisés: O Rodrigo me contou que está envolvido com a filha dele, usando drogas, se afastou de mim e acabará arruinando a sua vida se não largar essa mulher…

Carlos: Cala a boca lixo!

Moisés: Carlos

Carlos: Não se aproxima! – observa Moisés adiantando um passo.

Carlos: Já arruinou nossas vidas! Por sua incompetência a mãe morreu! Nunca vou te perdoar! Sinto pena da Melissa que convive com você naquele barraco horrível. Consegui um emprego no laticínio e me arranjei sozinho! Enquanto você e a minha irmã, se explodam! E se pisar perto outra vez, jogo um balde de água fervendo! Talvez morra, bêbado desgraçado! – Carlos encara Moisés que escuta calado.

Laura: Vem gatão. – o puxa pra dentro.

Carlos: Que raiva!

Laura: Esquece ele!

Carlos: Duvidava que você vinha quando me ligou avisando, tô vendo champanhe! – repara na garrafa nas mãos dela e se agarram.

Laura: Vim pra uma breve despedida.

Carlos: Despedida?

Laura: Uns dias da lua de mel com o Roberto, mas logo estaremos coladinhos!

Carlos: Ah, tá apostando que se casará com o Roberto?

Laura: Eu falei com ele gatão, parece arrependido, eu sinto que o Roberto voltará para os meus braços! – diz com um sorrisinho no final.

Carlos: Confesso que me impressiona. Agora vamos aproveitar a noite princesa! – pega Laura no colo e a leva pra cama. Laura tira a camisa dele e começam as carícias. Carlos serve o champanhe, brindam as taças, misturam as salivas novamente após um gole da bebida e transam apaixonados.

Música de encerramento: Maroon 5 – Animals Tema: Laura e Carlos, Laura

Atenção: A Widcyber tem a autorização do autor para publicar este conteúdo.

cropped-wid-1.png

NAVEGAR

>
error: Este conteúdo é protegido! A cópia deste conteúdo não é autorizada em virtude da preservação de direitos autorais.
Rolar para o topo