CENA 01. CASA HELENA. SALA. INT. DIA.

Continuação da última cena do capítulo anterior. Um homem grisalho e alto entra pela porta.

IVAN
Eu, Zilda.

ZILDA (surpresa)
Ivan?

IVAN
Como vai? Há quanto tempo não nos falamos?

ZILDA
Há mais de trinta anos. Tantas coisas aconteceram desde então. Minha filha casou, me deu netos.

IVAN
E enterrou o primeiro de todos.

ZILDA (surpresa)
Como sabe?

IVAN
Acompanhei as vidas das meninas por mais um tempo. Da Helena, da Soraya, da Gioconda. Falando nelas, como vão?

ZILDA
Helena perdeu a noção das coisas. Nunca mais foi a mesma desde que perdeu o primeiro filho. Casou com o Estêvão, mas nunca houve amor entre eles.

IVAN
Pobre rapaz.

ZILDA
Soraya se casou com um empresário rico e continuou amiga da minha filha. Tratavam-se com falsidade, mas ainda assim era amiga. Teve um belo rapaz, o Carlos Eduardo, que chegou a ser noivo da minha neta. Morreu há vinte dias, de forma trágica. E Gioconda…

IVAN
Gioconda?

ZILDA
Teve um lindo menino e abandonou o pobrezinho. Depois conheceu um fotógrafo e se casou com ele. Morou muitos anos na Europa. Voltou há pouco tempo, para desagrado da Helena. Ficou viúva, e agora se juntou com o viúvo da Soraya. Casamento de fachada arrumado por pura chantagem dele e da minha filha.

IVAN
Nossa! Helena se tornou tão cruel assim?

ZILDA
Ela expulsou minha outra neta de casa, só porque não concordava com o namoro dela com um músico. Ele é uma ótima pessoa, mas Helena só enxerga os defeitos de todo mundo.

IVAN
Meu Deus!

ZILDA
E pra piorar… O filho da Gioconda voltou afoito pra descobrir quem é sua verdadeira mãe. Foi criado por um fazendeiro lá em Goiás. Assim que perdeu o pai adotivo, não pensou em outra coisa a não ser descobrir sua verdadeira origem. Ele vem contando com a ajuda de uma jornalista muito ousada, a Jô Mendes.

IVAN
Sei quem é. Conheci seus pais antes de eles morrerem num acidente. Uma coisa horrível.

ZILDA
E agora temos que colocar tudo em pratos limpos sem que Helena termine de se descontrolar e ponha a vida de todos nós em risco.

IVAN
E aquela enfermeira? Sumiu mesmo, como dizem?

ZILDA
A Noêmia? Não. Ela inclusive é a sogra do Sandro.

IVAN
Sandro? Que Sandro?

ZILDA
O filho da Gioconda. Ele se chama Sandro. Ele namora a filha da Noêmia, a Alice. Uma moça adorável, meiga. Lembra muito a mãe quando era nova… antes daquela noite.

Helena entra e não gosta da presença de Ivan.

IVAN
Helena? Como você está…

HELENA
O que faz aqui? Achei que já tivesse morrido.

ZILDA
Como pode ser tão grosseira com…?

IVAN
Deixa, Zilda. Helena nunca me perdoou.

HELENA
Não mesmo. Você foi e é a desgraça da minha vida. Você, Estêvão, minha mãe, Gioconda, Leila…

IVAN
Leila?

ZILDA
A neta que te falei.

HELENA
Se tem algum amor à sua vida, nunca mais apareça na minha frente.

IVAN
Zilda, te ligo outra hora.

HELENA (grita)
Nem se atreva!

IVAN
Sua filha continua a mesma garotinha mimada de sempre. Passe bem, Zilda. Com licença.

ZILDA
Toda. (Ivan sai) Você é quem deveria ter medo de aparecer pra ele. Mas, ao contrário de você, o Ivan é uma boa pessoa. Outro já teria mandado te surrar.

HELENA
Não sabe o que fala, velha demente!

ZILDA
Foi você que embebedou o filho dele, só pra engravidar e dizer que o filho era do Estêvão. Mas o bebê morreu logo que nasceu, e sua encenação não deu certo. Você achava mesmo que o Miguel não contaria pro Ivan? Você é a doente aqui, não eu.

HELENA
Você me paga, desgraçada!

Zilda se prepara para subir as escadas, mas Helena pega uma arma de dentro da bolsa e aponta para a primeira.

ZILDA (desespero)
O que acha que está fazendo, Helena?

HELENA
Uma coisa que já devia fazer há muito tempo.

CLOSES alternados entre Helena e Zilda.

CENA 02. APARTAMENTO GIOCONDA. SALA. INT. DIA.

Gioconda entra com Armando. Lena estranha a situação.

GIOCONDA
Senta, Armando. A Lena vai preparar um café pra gente.

ARMANDO (senta)
O meu é forte e sem açúcar.

LENA
Aconteceu alguma coisa, Gioconda?

GIOCONDA
Nada, Lena. Por favor, traz o café pra gente.

LENA
Agora mesmo. (sai)

ARMANDO
Ela é sempre assim?

GIOCONDA (também se senta no sofá)
Assim como?

ARMANDO
Petulante, presunçosa.

GIOCONDA
Não, ela não é nada disso. Ela só ficou surpresa, assim como eu.

ARMANDO
Assim espero.

GIOCONDA
Mas o que te trouxe aqui mesmo?

ARMANDO
Tenho que combinar algumas coisas com você sobre o nosso compromisso.

CENA 03. AQUAPAPER. RECEPÇÃO. INT. DIA.

Wilson ocupa a mesa que era de Jéssica. Organiza a agenda de Armando. Carly entra e fala com ele.

CARLY
Você por aqui, Wilson? E a loura entojada? Cadê ela?

WILSON (mente)
Tirou licença. Passou mal ontem na festa, pegou uma virose, e teve que ficar em casa por uns dias. Você não queria falar com ela, né?

CARLY
Deus me livre! Quanto mais longe dela, melhor. (sedutora) O Armando tá por aí.

Carlos Eduardo entra nesse instante e presta atenção na conversa deles.

WILSON
Se eu te disser, você não vai fazer nada?

CARLY
Dependendo do que for.

WILSON
Casa da Gioconda.

Carly tem um impulso de beijar o rosto de Wilson, mas se assusta com Carlos Eduardo.

CARLOS EDUARDO (grita)
Como é, Wilson?

WILSON
Isso mesmo que você ouviu, Carlos Eduardo.

CARLOS EDUARDO (raiva)
Mas ele me paga!

WILSON
Não faça nada…

Carlos Eduardo sai apressado. Wilson e Carly vão atrás dele e também saem de cena.

CENA 04. AQUAPAPER. GARAGEM. EXT. DIA.

Carlos se aproxima do carro.

WILSON
Você acha que seu pai vai deixar a dondoca pra você? Vê se te enxerga, Carlos.

CARLY
Você também tá a fim dela?

CARLOS EDUARDO
Também, não. Meu pai só quer usar a Gioconda, se você ainda não viu. Ela é minha!

WILSON
Deixa de palhaçada, Carlos. Sobe comigo e se acalma.

CARLOS EDUARDO
Não quero! Volta pro seu lugar e deixa eu cuidar da minha vida.

WILSON
Não, eu não vou deixar.

Enquanto Wilson fala, Carlos Eduardo entra no carro, sem ver que Carly também entra, mas pela porta traseira. Carlos liga o carro e parte com ele. Wilson irritado.

CENA 05. CASA HELENA. SALA. INT. DIA.

Helena segue apontando o revólver para Zilda.

ZILDA
O que vai fazer? Matar sua mãe?

HELENA (grita)
Cala a boca! Traidora!

ZILDA
Abaixa a arma e vamos conversar.

HELENA
Não tem mais conversa. Isso tudo foi culpa sua. Agora vai pagar no inferno por tudo que causou. (destrava o gatilho)

ZILDA (chora)
Pelo amor que você tem por Estêvão, não atira.

HELENA
Já era. Mandei matar o mau-caráter do Fábio, participei da morte da vadia da Soraya, e agora é a sua vez.

ZILDA (grita)
Helena!

Helena dispara dois tiros no coração de Zilda, que morre instantaneamente.

HELENA (finge serenidade)
Adeus, mamãe!

Helena guarda o revólver na bolsa. Jairo entra, assustado com os tiros.

JAIRO
Dona Helena! (vê Zilda) O que foi isso? Sua mãe…

HELENA (grita)
Para de fazer escândalo e me ajuda a sumir com o corpo.

JAIRO
Como é que vamos fazer isso? Já pensou se pegam a gente?

HELENA
Cala a boca e me ajuda, idiota!

CENA 06. CASA HELENA. JARDIM. EXT. DIA.

O carro está estacionado perto da porta da sala. Jairo e Helena carregam o corpo de Zilda embrulhado no saco preto e o colocam no porta-malas, que é fechado em seguida por ela. Jairo entra no carro e sai de casa. Ângela sai pela porta e vai até Helena.

ÂNGELA (chora trêmula)
A senhora foi capaz…

HELENA
E se disser uma palavra, você vai ser a próxima. E sua morte será bem pior. (grita) Xô!

Ângela corre pra dentro apavorada.

CENA 07. HOSPITAL. CORREDOR. INT. DIA.

Ana, Rubens, Leila, Sandro, Jô e Alice aguardam notícias de Bruno.

ANA
Até agora, nada da Gioconda aparecer. Ela foi avisada, não foi?

LEILA
Foi. Eu mesma falei com ela.

JÔ (irônica)
Ela gosta muito do Bruno. Dá pra notar.

SANDRO
Jô, isso não é hora.


Tá, desculpa. É que tem coisa que me deixa entalada, doida pra falar. Como é que o Bruno pôde perder a metade da vida dele gostando de quem não tá nem aí pra ele.

ALICE
Temos que pensar que ele vai sair dessa.

RUBENS
Concordo com a Alice.

Estêvão sai para o corredor e se junta aos demais.

LEILA
E então, pai? Tem alguma notícia?

ESTÊVÃO
Ele já está melhor. Vai ficar hoje em observação, e amanhã já vai poder receber visitas.

ANA
Ai, que bom!

ALICE
Graças a Deus!

SANDRO
Como uma pessoa tão boa como ele pode querer acabar com a própria vida? Até hoje não entendo.


Você fala também do seu pai, né?

Sandro pensativo. Os demais comemoram a notícia.

CENA 08. PENSÃO ZORAIDE. SALA JANTAR. INT. DIA.

Mercedes e Germano almoçam e conversam.

MERCEDES
Me fala mais sobre ele.

GERMANO
Bruno é uma pessoa maravilhosa. Ajuda a qualquer um que precisar. Tem um coração do tamanho do mundo. Quando o Sandro chegou, ele praticamente o adotou como um irmão. Ou até um filho. E agora essa estupidez.

MERCEDES
Sandro surtaria se o perdesse da mesma forma que foi com o pai.

GERMANO

Como assim? O pai dele se…

MERCEDES (afirma com a cabeça)
Foi horrível. Num dia como outro qualquer. Perdeu as terras para um ricaço e, de repente, pegou a arma e atirou na própria cabeça. Sandro perdeu o chão. Não gosto nem de lembrar.

GERMANO
Você também gostava muito do seu patrão, não?

MERCEDES
Era uma pessoa com um coração lindo e puro, assim como o Sandro. Trabalhava pra ele desde que era uma garota ingênua e sonhadora. Ajudei ele e a dona Rita a criar o Sandro e a tornar ele o homem que é. O Sandro é o filho que nunca pude ter.

GERMANO

Você é muito bonita, sabia? Por fora e por dentro.

MERCEDES
Ai, assim me deixa encabulada.

GERMANO
Ah, não tô te seduzindo, se…

MERCEDES
Eu sei que não. Também gostei muito de conhecer vocês aqui da pensão.

Vicky entra toda serelepe e se senta à mesa.

VICKY
Olá, amores! O que tem hoje?

MERCEDES
Bife à milanesa, torta de queijo, couve…

GERMANO
Foi ela que fez. Cozinheira de mão cheia.

MERCEDES
Só ajudei a Zoraide a fazer.

VICKY (enquanto se serve)
E o resto do pessoal? Onde se meteu?

MERCEDES
Não soube? Foi todo mundo visitar um amigo de vocês no hospital.

GERMANO
O Bruno tentou se matar.

VICKY (chocada)
O quê? A Jô não me falou nada. Vou bater o rango, porque tô morta de fome, e vou correndo pra lá.

CENA 09. APARTAMENTO GIOCONDA. SALA. INT. DIA.

Gioconda e Armando terminam de tomar o café.

GIOCONDA
A conversa foi proveitosa, mas ainda tenho que resolver umas coisas na rua. Um amigo foi parar no hospital, e tenho que visitá-lo.

ARMANDO
Ele pode esperar. Eu quero que você vá à minha empresa. Preciso que você esteja por dentro da Aquapaper. E ainda teremos uma reunião com políticos. Precisa se preparar para ser a primeira-dama.

GIOCONDA
Isso não pode ficar pra outro dia? Não que eu esteja recusando, mas… Se trata de um amigo muito querido, de infância, e que corre risco. Se não fosse tão urgente, eu iria com você com o maior prazer.

ARMANDO
Se você me prometer ser rápida, concedo este favor. Mas não serei sempre tão paciente.

GIOCONDA
Não sei como te agradecer, Armando. É uma questão de honra pra mim. (toca -se a campainha) Quem será?

ARMANDO
Não está esperando ninguém?

GIOCONDA
Não.

Lena entra na sala para abrir a porta. Carlos Eduardo entra com muita ira. Carly fica vendo a cena do lado de fora.

ARMANDO
Você aqui, seu moleque?

Os dois homens se encaram. Gioconda e Lena assustadas. Carly vibra.

Efeito de fim de capítulo: imagem congela; FADE TO BLACK. Sonoplastia: vento.

A Widcyber está devidamente autorizada pelo autor(a) para publicar este conteúdo. Não copie ou distribua conteúdos originais sem obter os direitos, plágio é crime.

Pesquisa de satisfação: Nos ajude a entender como estamos nos saindo por aqui.

Leia mais Histórias

>
Rolar para o topo